Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Osteoporose é combatida com azeite de oliva



23/09/2011 | 00:00


A osteoporose, doença que desenvolve ossos ocos, finos e, assim, sujeitos a fraturas, pode ser combatida com o uso de azeite de oliva na alimentação. Isso porque o produto contém oleuropeína, um polifenol que aumenta a quantidade de osteoblastos, células que fabricam ossos do corpo humano. De acordo com um estudo espanhol, isso é possível graças a natureza do tecido ósseo. O tecido é dinâmico, destruído e construído constantemente. Os osteoblastos ajudam justamente a realizar a reconstrução. Além de atuar contra a osteoporose, a oleuropeína também tem ação antiinflamatória. O polifenol tem propriedades antioxidantes e inibe a agregação de plaquetas e reduz a formação de moléculas inflamatórias no corpo. Por Carolina Abranches



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Osteoporose é combatida com azeite de oliva


23/09/2011 | 00:00


A osteoporose, doença que desenvolve ossos ocos, finos e, assim, sujeitos a fraturas, pode ser combatida com o uso de azeite de oliva na alimentação. Isso porque o produto contém oleuropeína, um polifenol que aumenta a quantidade de osteoblastos, células que fabricam ossos do corpo humano. De acordo com um estudo espanhol, isso é possível graças a natureza do tecido ósseo. O tecido é dinâmico, destruído e construído constantemente. Os osteoblastos ajudam justamente a realizar a reconstrução. Além de atuar contra a osteoporose, a oleuropeína também tem ação antiinflamatória. O polifenol tem propriedades antioxidantes e inibe a agregação de plaquetas e reduz a formação de moléculas inflamatórias no corpo. Por Carolina Abranches

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;