Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

História de Amácio Mazzaropi pode ser vista em museu em Taubaté

Lá estão mais de 20 mil ítens de um dos maiores comediantes do Brasil


Miriam Gimenes

15/12/2016 | 07:00


 Uma das frases mais conhecidas de Mazzaropi fala sobre a arte de fazer sorrir, a qual ele foi mestre: ‘Quero morrer vendo um monte de gente rindo em volta de mim.” O ator, cineasta e comediante brasileiro, que partiu há 35 anos, não só conseguiu essa proeza, de divertir até o fim, como deixou uma rica história que pode ser vista no Museu Mazzaropi, em Taubaté. É lá onde os fãs do ‘pai’ do Jeca Tatu podem conhecer mais de 20 mil itens sobre a vida e a obra dele, como fotos, documentos, filmes, objetos cênicos, móveis e equipamentos.

E o local escolhido não foi à toa. No espaço onde hoje estão o Hotel Fazenda Mazzaropi e o Museu, na década de 1970 e no início da década de 1980, foi ocupado pela sua produtora e distribuidora PAM Filmes (Produções Amácio Mazzaropi), responsável pelos sucessos Jeca Tatu e Tristeza do Jeca.

Depois da aquisição do local, em 1985, e de sua recuperação para uso como hotel, os novos proprietários deram início ao resgate da história. O acervo foi recuperado por meio de aquisições, doações de fãs e de pessoas que trabalharam com o cineasta e, em 2000, foi criado o Instituto Mazzaropi, com objetivo de preservar e divulgar a história do artista. O museu recebe mais de 1.000 visitantes por mês, entre estudantes de Ensino Médio, de cinema e profissionais da área de Cultura. O ingresso custa apenas R$ 10. Mais informações no site www.museumazzaropi.org.br.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

História de Amácio Mazzaropi pode ser vista em museu em Taubaté

Lá estão mais de 20 mil ítens de um dos maiores comediantes do Brasil

Miriam Gimenes

15/12/2016 | 07:00


 Uma das frases mais conhecidas de Mazzaropi fala sobre a arte de fazer sorrir, a qual ele foi mestre: ‘Quero morrer vendo um monte de gente rindo em volta de mim.” O ator, cineasta e comediante brasileiro, que partiu há 35 anos, não só conseguiu essa proeza, de divertir até o fim, como deixou uma rica história que pode ser vista no Museu Mazzaropi, em Taubaté. É lá onde os fãs do ‘pai’ do Jeca Tatu podem conhecer mais de 20 mil itens sobre a vida e a obra dele, como fotos, documentos, filmes, objetos cênicos, móveis e equipamentos.

E o local escolhido não foi à toa. No espaço onde hoje estão o Hotel Fazenda Mazzaropi e o Museu, na década de 1970 e no início da década de 1980, foi ocupado pela sua produtora e distribuidora PAM Filmes (Produções Amácio Mazzaropi), responsável pelos sucessos Jeca Tatu e Tristeza do Jeca.

Depois da aquisição do local, em 1985, e de sua recuperação para uso como hotel, os novos proprietários deram início ao resgate da história. O acervo foi recuperado por meio de aquisições, doações de fãs e de pessoas que trabalharam com o cineasta e, em 2000, foi criado o Instituto Mazzaropi, com objetivo de preservar e divulgar a história do artista. O museu recebe mais de 1.000 visitantes por mês, entre estudantes de Ensino Médio, de cinema e profissionais da área de Cultura. O ingresso custa apenas R$ 10. Mais informações no site www.museumazzaropi.org.br.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;