Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Kuroda, do BoJ, quer mais tempo para avaliar efeitos de taxa de juros negativa



15/03/2016 | 06:09


O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, disse hoje que é preciso mais tempo para avaliar de perto os efeitos de taxas de juros negativas, sugerindo que não pretende voltar a reduzir juros por enquanto, embora tenha reiterado que está pronto para agir novamente a qualquer momento.

"Eu acho que vai demorar algum tempo" para mensurar como a taxa de depósitos negativa, que entrou em vigor no mês passado, está afetando a economia e a inflação, disse Kuroda, durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BoJ de manter sua política monetária inalterada.

O comentário vem num momento em que o BC japonês se esforça para conter a reação negativa à adoção da taxa de depósitos negativa, que é imposta a reservas excedentes de bancos comerciais. Durante a coletiva, Kuroda se esforçou para não enfatizar demais a capacidade do BoJ de reduzir ainda mais a taxa, que é atualmente de -0,1%, mas admitiu que novos cortes são uma opção.

"Quando dizemos que vamos tomar medidas por meio de três dimensões, queremos dizer que é possível fazermos isso através de qualidade, quantidade ou taxas de juros", ou todas elas, afirmou Kuroda, referindo-se ao programa de relaxamento quantitativo, que envolve a compra de dívida e outros ativos, e à taxa negativa.

No fim da coletiva, porém, Kuroda, afirmou não acreditar ser necessário esperar que se determine o impacto total da taxa negativa para o BoJ voltar a agir.

Kuroda também comentou que o BoJ prevê atingir sua meta de inflação de 2% "por volta" do 1º semestre do ano fiscal de 2017. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Kuroda, do BoJ, quer mais tempo para avaliar efeitos de taxa de juros negativa


15/03/2016 | 06:09


O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, disse hoje que é preciso mais tempo para avaliar de perto os efeitos de taxas de juros negativas, sugerindo que não pretende voltar a reduzir juros por enquanto, embora tenha reiterado que está pronto para agir novamente a qualquer momento.

"Eu acho que vai demorar algum tempo" para mensurar como a taxa de depósitos negativa, que entrou em vigor no mês passado, está afetando a economia e a inflação, disse Kuroda, durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BoJ de manter sua política monetária inalterada.

O comentário vem num momento em que o BC japonês se esforça para conter a reação negativa à adoção da taxa de depósitos negativa, que é imposta a reservas excedentes de bancos comerciais. Durante a coletiva, Kuroda se esforçou para não enfatizar demais a capacidade do BoJ de reduzir ainda mais a taxa, que é atualmente de -0,1%, mas admitiu que novos cortes são uma opção.

"Quando dizemos que vamos tomar medidas por meio de três dimensões, queremos dizer que é possível fazermos isso através de qualidade, quantidade ou taxas de juros", ou todas elas, afirmou Kuroda, referindo-se ao programa de relaxamento quantitativo, que envolve a compra de dívida e outros ativos, e à taxa negativa.

No fim da coletiva, porém, Kuroda, afirmou não acreditar ser necessário esperar que se determine o impacto total da taxa negativa para o BoJ voltar a agir.

Kuroda também comentou que o BoJ prevê atingir sua meta de inflação de 2% "por volta" do 1º semestre do ano fiscal de 2017. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;