Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Igrejas preparam tradicionais tapetes


Angela Martins
Especial para o Diário

14/06/2006 | 07:56


Os católicos de toda a região terão programação especial amanhã, no feriado de Corpus Christi (corpo de Cristo, em latim). Nas sete cidades da região, haverá missas e procissões. Em muitas delas, fiéis acordarão mais cedo para se dedicar à montagem dos tradicionais tapetes, nas ruas das cidades. O material de confecção é variável. Serragem tingida com cores variadas é o mais comum de se encontrar. Mas além da serragem, há também tapetes feitos com borra de café, grãos sortidos, pétalas de flores, pedaços de tecidos etc etc. Parte das paróquias já recolheu o material para fazer a montagem algumas horas antes da festa, com o apoio das comunidades.

“O dia de Corpus Christi existe desde 1246, instituído pelo Papa Urbano IV. É uma festa móvel. Não é feita num dia específico. Acompanha o calendário litúrgico da Igreja”, explica o padre Vanderlei Ribeiro, pároco da Igreja Nossa Senhora do Paraíso, em Santo André. A festa celebra a presença de Cristo na eucaristia. “Apesar da separação do corpo representado pelo pão, e do sangue representado pelo vinho, Jesus está sempre vivo dentro de todos nós”, afirma o pároco.

Enfeite para a imagem – Nesse dia de Corpus Christi, os católicos saem às ruas na procissão do santíssimo, convidando todos os cristãos a adorarem a Jesus. Foi desse costume que nasceu a tradição dos tapetes. A inspiração vem de uma antiga tradição belga, do século XIII, iniciada por uma religiosa que posteriormente foi canonizada como Santa Juliana. A idéia era enfeitar os locais por onde passaria a imagem do corpo de Cristo. O costume se espalhou e foi mantido até hoje, chegando ao Brasil por meio dos colonizadores portugueses. “Hoje é um costume mais restrito ao Brasil e a Portugal”, esclarece padre Ribeiro.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Igrejas preparam tradicionais tapetes

Angela Martins
Especial para o Diário

14/06/2006 | 07:56


Os católicos de toda a região terão programação especial amanhã, no feriado de Corpus Christi (corpo de Cristo, em latim). Nas sete cidades da região, haverá missas e procissões. Em muitas delas, fiéis acordarão mais cedo para se dedicar à montagem dos tradicionais tapetes, nas ruas das cidades. O material de confecção é variável. Serragem tingida com cores variadas é o mais comum de se encontrar. Mas além da serragem, há também tapetes feitos com borra de café, grãos sortidos, pétalas de flores, pedaços de tecidos etc etc. Parte das paróquias já recolheu o material para fazer a montagem algumas horas antes da festa, com o apoio das comunidades.

“O dia de Corpus Christi existe desde 1246, instituído pelo Papa Urbano IV. É uma festa móvel. Não é feita num dia específico. Acompanha o calendário litúrgico da Igreja”, explica o padre Vanderlei Ribeiro, pároco da Igreja Nossa Senhora do Paraíso, em Santo André. A festa celebra a presença de Cristo na eucaristia. “Apesar da separação do corpo representado pelo pão, e do sangue representado pelo vinho, Jesus está sempre vivo dentro de todos nós”, afirma o pároco.

Enfeite para a imagem – Nesse dia de Corpus Christi, os católicos saem às ruas na procissão do santíssimo, convidando todos os cristãos a adorarem a Jesus. Foi desse costume que nasceu a tradição dos tapetes. A inspiração vem de uma antiga tradição belga, do século XIII, iniciada por uma religiosa que posteriormente foi canonizada como Santa Juliana. A idéia era enfeitar os locais por onde passaria a imagem do corpo de Cristo. O costume se espalhou e foi mantido até hoje, chegando ao Brasil por meio dos colonizadores portugueses. “Hoje é um costume mais restrito ao Brasil e a Portugal”, esclarece padre Ribeiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;