Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PSDB buscará exposição maior



14/06/2006 | 08:01


Pesquisa da Ibope/CNI divulgada na terça identificou que a maior dificuldade da candidatura do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) a presidente é o desconhecimento do nome dele pelo eleitorado. Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato à reeleição, é conhecido por quase todos os eleitores (95%) e tem mais exposição na mídia (51%), Alckmin continua em desvantagem. A sondagem, realizada entre o dia 5 e quarta-feira, mostrou que ele é conhecido por 53% dos entrevistados: 20% o conhecem bem e 33%, um pouco. Outros 31% conhecem Alckmin só de nome e 15% nunca ouviram falar dele.

Já Lula é bem conhecido por 69% e conhecido um pouco por 26%. Só 4% disseram que o conhecem apenas de nome. Na avaliação dos coordenadores do levantamento, feito antes da invasão da Câmara pelo MLST (Movimento de Libertação dos Sem-Terra), o quadro eleitoral poderá ser mais equilibrado a partir do momento em que Alckmin ficar mais famoso no eleitorado.

É essa até mesmo a expectativa do candidato do PSDB a presidente e dos políticos do partido e do PFL. Eles acreditam que, quando a campanha começar, efetivamente, Alckmin tende a melhorar o desempenho nas pesquisas, pois terá mais visibilidade e condições de ampliar a divulgação do nome e das propostas de Governo.

O levantamento mostra ainda que, mesmo entre os eleitores que conhecem o candidato do PSDB, o presidente tem votos: 42% disseram votar no petista e 43% no tucano, 9% votam nulo ou em branco e 6% não sabem nem têm opinião.

A exemplo das sondagens anteriores de outros institutos, Lula continua com a preferência do eleitorado (48%), podendo ser eleito no primeiro turno. Apesar de não ter assumido, oficialmente, a candidatura à reeleição, ele esteve mais presente nos meios de comunicação.

Aliás, essa exposição gerou reações dos tucanos e pefelistas, que entraram com sucessivas ações contra o presidente na Justiça Eleitoral. Os entrevistados disseram que, dos candidatos a presidente, Lula apareceu com mais freqüência na televisão nos últimos dias, beneficiando-se “do espaço que ocupa na mídia e da comunicação das ações de seu governo”, conforme avaliação da CNI – 51% disseram que Lula aparece com mais freqüência e 22% registraram que Alckmin apareceu mais.

Outro dado que o diretor da confederação nacional Marco Antonio Guarita destacou é que quase a metade do eleitorado ainda não sabe em quem votar na pesquisa espontânea, um total de 46%. “Apesar da liderança de Lula (que obteve 32% no levantamento espontâneo, contra 8% do candidato tucano) ser expressiva, a metade ainda não tem candidato”, disse. Na avaliação de Guarita, isso também deve contribuir para que Alckmin continue em situação desfavorável, uma vez que o nome dele ainda não é conhecido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PSDB buscará exposição maior


14/06/2006 | 08:01


Pesquisa da Ibope/CNI divulgada na terça identificou que a maior dificuldade da candidatura do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) a presidente é o desconhecimento do nome dele pelo eleitorado. Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato à reeleição, é conhecido por quase todos os eleitores (95%) e tem mais exposição na mídia (51%), Alckmin continua em desvantagem. A sondagem, realizada entre o dia 5 e quarta-feira, mostrou que ele é conhecido por 53% dos entrevistados: 20% o conhecem bem e 33%, um pouco. Outros 31% conhecem Alckmin só de nome e 15% nunca ouviram falar dele.

Já Lula é bem conhecido por 69% e conhecido um pouco por 26%. Só 4% disseram que o conhecem apenas de nome. Na avaliação dos coordenadores do levantamento, feito antes da invasão da Câmara pelo MLST (Movimento de Libertação dos Sem-Terra), o quadro eleitoral poderá ser mais equilibrado a partir do momento em que Alckmin ficar mais famoso no eleitorado.

É essa até mesmo a expectativa do candidato do PSDB a presidente e dos políticos do partido e do PFL. Eles acreditam que, quando a campanha começar, efetivamente, Alckmin tende a melhorar o desempenho nas pesquisas, pois terá mais visibilidade e condições de ampliar a divulgação do nome e das propostas de Governo.

O levantamento mostra ainda que, mesmo entre os eleitores que conhecem o candidato do PSDB, o presidente tem votos: 42% disseram votar no petista e 43% no tucano, 9% votam nulo ou em branco e 6% não sabem nem têm opinião.

A exemplo das sondagens anteriores de outros institutos, Lula continua com a preferência do eleitorado (48%), podendo ser eleito no primeiro turno. Apesar de não ter assumido, oficialmente, a candidatura à reeleição, ele esteve mais presente nos meios de comunicação.

Aliás, essa exposição gerou reações dos tucanos e pefelistas, que entraram com sucessivas ações contra o presidente na Justiça Eleitoral. Os entrevistados disseram que, dos candidatos a presidente, Lula apareceu com mais freqüência na televisão nos últimos dias, beneficiando-se “do espaço que ocupa na mídia e da comunicação das ações de seu governo”, conforme avaliação da CNI – 51% disseram que Lula aparece com mais freqüência e 22% registraram que Alckmin apareceu mais.

Outro dado que o diretor da confederação nacional Marco Antonio Guarita destacou é que quase a metade do eleitorado ainda não sabe em quem votar na pesquisa espontânea, um total de 46%. “Apesar da liderança de Lula (que obteve 32% no levantamento espontâneo, contra 8% do candidato tucano) ser expressiva, a metade ainda não tem candidato”, disse. Na avaliação de Guarita, isso também deve contribuir para que Alckmin continue em situação desfavorável, uma vez que o nome dele ainda não é conhecido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;