Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Crédito para compra de carros
cresce apenas 4,8% no semestre


Leone Farias
do Diário do Grande ABC

04/08/2011 | 06:54


A intenção do governo federal de frear as compras a prazo para conter a inflação surtiu efeito, de acordo com números do financiamento de veículos no primeiro semestre. Balanço da Associação Nacional das Empresas Financeiras e dos Bancos das Montadoras aponta que o saldo do crédito para aquisição de automóveis pelos consumidores fechou os seis primeiros meses do ano em R$ 194,9 bilhões, crescimento de apenas 4,8%.

É menos do que o ritmo de expansão do total do sistema financeiro nacional, que foi de 7,5% no mesmo período, e também abaixo da variação das operações de crédito para pessoa física (que foi de 7,4%).

A explicação para isso é simples: com as sucessivas elevações da taxa básica de juros (a Selic) e medidas macroprudenciais - como o aumento do depósito compulsório dos bancos para financiamentos de longo prazo - o acesso ao crédito ficou mais restrito e mais caro. A taxa de juros para a compra de carros, que estava em 1,43% ao mês em junho do ano passado, agora está em 1,58%. E os prazos também caíram. Os financiamentos, que iam até 72 meses em meados de 2010, agora não ultrapassam 60 meses.

Com menor número de parcelas e taxas maiores, os valores pagos mensalmente sobem. O presidente da Anef, Décio Carbonari de Almeida, cita que os bancos estabelecem que as prestações não podem ultrapassar 25% da renda e se, por exemplo, o valor mensal subiu de R$ 500 para R$ 600, pessoas que recebiam R$ 2.000 não conseguiram mais a aprovação cadastral. Como consequência, as vendas de veículos (automóveis e comerciais leves) novos a prazo se reduziram de 63% do total em junho de 2010 para 60% neste ano.

O cenário atual segue a tendência dos últimos meses, mas a associação, por enquanto, mantém a projeção de alta de 10% da carteira de financiamento no ano todo. Segundo o presidente da Anef, vale ressaltar que houve aumento das vendas a frotistas pelas montadoras, em boa parte pagas à vista, o que também contribuiu para a redução da participação relativa do Crédito Direto ao Consumidor e leasing nas vendas totais. Ele acrescenta que há sinais de melhora, já que as dívidas com atraso acima de 30 dias já se estabilizaram há três meses, embora as que têm mais de 90 dias ainda sigam em crescimento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Crédito para compra de carros
cresce apenas 4,8% no semestre

Leone Farias
do Diário do Grande ABC

04/08/2011 | 06:54


A intenção do governo federal de frear as compras a prazo para conter a inflação surtiu efeito, de acordo com números do financiamento de veículos no primeiro semestre. Balanço da Associação Nacional das Empresas Financeiras e dos Bancos das Montadoras aponta que o saldo do crédito para aquisição de automóveis pelos consumidores fechou os seis primeiros meses do ano em R$ 194,9 bilhões, crescimento de apenas 4,8%.

É menos do que o ritmo de expansão do total do sistema financeiro nacional, que foi de 7,5% no mesmo período, e também abaixo da variação das operações de crédito para pessoa física (que foi de 7,4%).

A explicação para isso é simples: com as sucessivas elevações da taxa básica de juros (a Selic) e medidas macroprudenciais - como o aumento do depósito compulsório dos bancos para financiamentos de longo prazo - o acesso ao crédito ficou mais restrito e mais caro. A taxa de juros para a compra de carros, que estava em 1,43% ao mês em junho do ano passado, agora está em 1,58%. E os prazos também caíram. Os financiamentos, que iam até 72 meses em meados de 2010, agora não ultrapassam 60 meses.

Com menor número de parcelas e taxas maiores, os valores pagos mensalmente sobem. O presidente da Anef, Décio Carbonari de Almeida, cita que os bancos estabelecem que as prestações não podem ultrapassar 25% da renda e se, por exemplo, o valor mensal subiu de R$ 500 para R$ 600, pessoas que recebiam R$ 2.000 não conseguiram mais a aprovação cadastral. Como consequência, as vendas de veículos (automóveis e comerciais leves) novos a prazo se reduziram de 63% do total em junho de 2010 para 60% neste ano.

O cenário atual segue a tendência dos últimos meses, mas a associação, por enquanto, mantém a projeção de alta de 10% da carteira de financiamento no ano todo. Segundo o presidente da Anef, vale ressaltar que houve aumento das vendas a frotistas pelas montadoras, em boa parte pagas à vista, o que também contribuiu para a redução da participação relativa do Crédito Direto ao Consumidor e leasing nas vendas totais. Ele acrescenta que há sinais de melhora, já que as dívidas com atraso acima de 30 dias já se estabilizaram há três meses, embora as que têm mais de 90 dias ainda sigam em crescimento.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;