Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

O último tango do River em S.Paulo


Alec Duarte
Da Redaçao

27/05/1999 | 00:05


O jogo nem havia começado e alguns torcedores ostentavam, na arquibancada, um adereço que ligava o símbolo do Palmeiras à bandeira do Japao, numa alusao clara à final do Mundial Interclubes - a famosa Copa Toyota. Muito otimismo? Talvez nao, porque em 19 minutos o River Plate mostrava que seria uma presa fácil.

Difícil mesmo era deixar de lembrar do corintiano Nei ao ver o goleiro argentino Bonano, possivelmente pior do que o próprio Nei. Dá pena, pois o Bonano é muito fraco - quando a bola nao chega nele, até parece um goleiro. Ainda bem que deixei, desde às 23h32 desta quarta, de torcer pelo time argentino, cujo treinador, Ramón Díaz, é a cara do famigerado Collor de Mello.

Alguns jogadores do River também parecem ter parado no tempo. Sorín, o lateral-esquerdo, lembra o Capitao Caverna nao só pelo visual grotesco, mas também pelo futebol da idade da pedra lascada. Lamentável.

O Palmeiras entrou em campo tao seguro de si - na realidade, todos sabiam que o time era muito melhor do que o River - que deu poucas chances para o adversário esboçar uma reaçao no primeiro tempo. Ao contrário do que havia previsto Felipao, nada para morrer do coraçao.

No segundo tempo, quem diria: aos 26 minutos, a torcida começa a pedir em coro o nome de Euller, algo que jamais pensei que poderia acontecer. Nada como marcar dois gols numa partida decisiva como foi aquela contra o Flamengo...

Irritante mesmo foi o árbitro uruguaio Gustavo Mendez, que apitou tudo e mais um pouco. Lances sem a menor necessidade de marcar faltas, mas que Mendez fez questao de parar o jogo, colaborando para aumentar o nervosismo que surgiu sem ter sido convidado no segundo tempo.

Euller entrou, mas nao disse a que veio. Correu pouco, estragou alguns contra-ataques e talvez tenha matado algum palmeirense do coraçao quando teve a chance de matar o jogo, mas bateu de forma tímida, na trave. O gol salvador veio e o River Plate dançou seu último - e triste - tango em Sao Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O último tango do River em S.Paulo

Alec Duarte
Da Redaçao

27/05/1999 | 00:05


O jogo nem havia começado e alguns torcedores ostentavam, na arquibancada, um adereço que ligava o símbolo do Palmeiras à bandeira do Japao, numa alusao clara à final do Mundial Interclubes - a famosa Copa Toyota. Muito otimismo? Talvez nao, porque em 19 minutos o River Plate mostrava que seria uma presa fácil.

Difícil mesmo era deixar de lembrar do corintiano Nei ao ver o goleiro argentino Bonano, possivelmente pior do que o próprio Nei. Dá pena, pois o Bonano é muito fraco - quando a bola nao chega nele, até parece um goleiro. Ainda bem que deixei, desde às 23h32 desta quarta, de torcer pelo time argentino, cujo treinador, Ramón Díaz, é a cara do famigerado Collor de Mello.

Alguns jogadores do River também parecem ter parado no tempo. Sorín, o lateral-esquerdo, lembra o Capitao Caverna nao só pelo visual grotesco, mas também pelo futebol da idade da pedra lascada. Lamentável.

O Palmeiras entrou em campo tao seguro de si - na realidade, todos sabiam que o time era muito melhor do que o River - que deu poucas chances para o adversário esboçar uma reaçao no primeiro tempo. Ao contrário do que havia previsto Felipao, nada para morrer do coraçao.

No segundo tempo, quem diria: aos 26 minutos, a torcida começa a pedir em coro o nome de Euller, algo que jamais pensei que poderia acontecer. Nada como marcar dois gols numa partida decisiva como foi aquela contra o Flamengo...

Irritante mesmo foi o árbitro uruguaio Gustavo Mendez, que apitou tudo e mais um pouco. Lances sem a menor necessidade de marcar faltas, mas que Mendez fez questao de parar o jogo, colaborando para aumentar o nervosismo que surgiu sem ter sido convidado no segundo tempo.

Euller entrou, mas nao disse a que veio. Correu pouco, estragou alguns contra-ataques e talvez tenha matado algum palmeirense do coraçao quando teve a chance de matar o jogo, mas bateu de forma tímida, na trave. O gol salvador veio e o River Plate dançou seu último - e triste - tango em Sao Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;