Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Aumentam casos de viroses no Grande ABC


Verônica Fraidenraich
Do Diário do Grande ABC

14/06/2006 | 07:57


Poluição aliada a mudanças bruscas de temperatura e ambientes fechados. Combinação ideal para a propagação de vírus oportunistas da gripe, que engrossou o pronto atendimento nas unidades de saúde da região em até 80% nas duas últimas semanas. Os sintomas são os mesmos: tosse seca, resfriado, malestar, febre, dor de cabeça, diarréia e vômito. Idosos e crianças são os mais suscetíveis.

Outono é época de pouca chuva, clima seco, baixa temperatura e alta concentração de poluentes. Situação que deve se prolongar até o fim do mês, explicam os médicos. Nesse período, vale levar em consideração medidas preventivas, como manter alimentação saudável com ingestão de muito líquido.

O pediatra Ed Gustavo Marins, dos Hospitais Brasil e Beneficência Portuguesa de Santo André, explica que a permanência em ambientes fechados com pouca circulação do ar pode facilitar a propagação dessas viroses.

O Pronto-Atendimento Municipal Central de Santo André foi um dos locais que maior aumento constatou nos últimos 15 dias. Houve crescimento de 80% no número de consultas, segundo informou a encarregada técnica de Saúde, Maria Aparecida Dix Chehab. Em vez dos 500 atendimentos realizados diariamente, os médicos chegaram a atender 900 pacientes num único dia.

Foi lá que a telefonista Zilda Vitor da Silva Machado, 51 anos, levou o filho Guilherme Henrique Machado, 2 anos, para fazer inalação. Ela conta que há três dias, ele apresenta corisa, dor na garganta e tosse. “À noite é quando ele fica pior, por isso vim fazer inalação, para que ele consiga dormir.”

Henrique De Mateu, 7 anos, também foi fazer inalação no Pronto-Atendimento Central de Santo André. O pai, Ronaldo De Mateu, 35, diz que resolveu levá-lo pois há dois dias o filho tosse muito e está gripado.

Não bastasse a virose no ar, os pacientes devem ficar atentos para que o quadro não se agrave, podendo chegar à pneumonia. O clínico-geral André D‘ Agostino, do Beneficência Portuguesa de Santo André, recomenda procurar o atendimento médico assim que constatado o problema. “A grande maioria das pessoas que tem o quadro agravado vem de uma gripe mal curada.” O clínico-geral afirma que somente na última semana atendeu três casos de pneumonia em adultos. Além de pneumonia, o paciente pode contrair complicações como cinusite, otite, conjuntivite e amigdalite.

Os pacientes com doenças respiratórias crônicas são outro alvo fácil das viroses. Na Clínica Municipal de Especialidades Médicas de São Bernardo, que atende pacientes nessa situação, foi registrado crescimento de cerca de 40% de casos, nos últimos 15 dias. “Muitos dos nossos pacientes tiveram piora por causa das viroses”, afirma a pneumologista da clínica, Luciene Fraza Digering.

O jornaleiro Valter Ferreira de Matos, 52 anos, é um deles. Portador da chamada doença pulmonar obstetra crônica, Matos tem dificuldade para aspirar oxigênio. No último domingo, ele teve febre e malestar. Orientado pelo médico, fez um raio X do pulmão e descobriu que estava com pneumonia.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aumentam casos de viroses no Grande ABC

Verônica Fraidenraich
Do Diário do Grande ABC

14/06/2006 | 07:57


Poluição aliada a mudanças bruscas de temperatura e ambientes fechados. Combinação ideal para a propagação de vírus oportunistas da gripe, que engrossou o pronto atendimento nas unidades de saúde da região em até 80% nas duas últimas semanas. Os sintomas são os mesmos: tosse seca, resfriado, malestar, febre, dor de cabeça, diarréia e vômito. Idosos e crianças são os mais suscetíveis.

Outono é época de pouca chuva, clima seco, baixa temperatura e alta concentração de poluentes. Situação que deve se prolongar até o fim do mês, explicam os médicos. Nesse período, vale levar em consideração medidas preventivas, como manter alimentação saudável com ingestão de muito líquido.

O pediatra Ed Gustavo Marins, dos Hospitais Brasil e Beneficência Portuguesa de Santo André, explica que a permanência em ambientes fechados com pouca circulação do ar pode facilitar a propagação dessas viroses.

O Pronto-Atendimento Municipal Central de Santo André foi um dos locais que maior aumento constatou nos últimos 15 dias. Houve crescimento de 80% no número de consultas, segundo informou a encarregada técnica de Saúde, Maria Aparecida Dix Chehab. Em vez dos 500 atendimentos realizados diariamente, os médicos chegaram a atender 900 pacientes num único dia.

Foi lá que a telefonista Zilda Vitor da Silva Machado, 51 anos, levou o filho Guilherme Henrique Machado, 2 anos, para fazer inalação. Ela conta que há três dias, ele apresenta corisa, dor na garganta e tosse. “À noite é quando ele fica pior, por isso vim fazer inalação, para que ele consiga dormir.”

Henrique De Mateu, 7 anos, também foi fazer inalação no Pronto-Atendimento Central de Santo André. O pai, Ronaldo De Mateu, 35, diz que resolveu levá-lo pois há dois dias o filho tosse muito e está gripado.

Não bastasse a virose no ar, os pacientes devem ficar atentos para que o quadro não se agrave, podendo chegar à pneumonia. O clínico-geral André D‘ Agostino, do Beneficência Portuguesa de Santo André, recomenda procurar o atendimento médico assim que constatado o problema. “A grande maioria das pessoas que tem o quadro agravado vem de uma gripe mal curada.” O clínico-geral afirma que somente na última semana atendeu três casos de pneumonia em adultos. Além de pneumonia, o paciente pode contrair complicações como cinusite, otite, conjuntivite e amigdalite.

Os pacientes com doenças respiratórias crônicas são outro alvo fácil das viroses. Na Clínica Municipal de Especialidades Médicas de São Bernardo, que atende pacientes nessa situação, foi registrado crescimento de cerca de 40% de casos, nos últimos 15 dias. “Muitos dos nossos pacientes tiveram piora por causa das viroses”, afirma a pneumologista da clínica, Luciene Fraza Digering.

O jornaleiro Valter Ferreira de Matos, 52 anos, é um deles. Portador da chamada doença pulmonar obstetra crônica, Matos tem dificuldade para aspirar oxigênio. No último domingo, ele teve febre e malestar. Orientado pelo médico, fez um raio X do pulmão e descobriu que estava com pneumonia.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;