Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sem novidades, transição entre Auricchio e Pinheiro fica 'morna'


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

08/12/2012 | 07:00


O processo de transição entre a administração do prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PTB), e da futura gestão de Paulo Pinheiro (PMDB) esfriou. Por conta da escassez de informações consideradas relevantes, como a real situação financeira do Paço, a equipe do peemedebista completou ontem a segunda semana de interrupção dos trabalhos. Encontros às quintas-feiras e terças-feiras vinham ocorrendo desde novembro.

A busca do grupo de transição de Pinheiro é pelo valor exato de restos a pagar que serão herdados de Auricchio, além do montante que será deixado nos cofres municipais. O petebista avisou que as pendências devem ultrapassar R$ 100 milhões - provenientes de atrasos de três meses com fornecedores -, no contexto de Orçamento previsto em R$ 1,35 bilhão para o ano que vem. O prefeito também garantiu que deixará todos os valores empenhados para serem quitados na próxima gestão e que só terá a informação exata sobre a situação financeira quando encerrar o mandato, com a justificativa de que a máquina pública continua em andamento até lá.

Mesmo com pilhas de documentos e balancetes financeiros em mãos, a equipe de Pinheiro, que é liderada por Sallum Kalil Neto, não engoliu o discurso de Auricchio e agora aguarda, de fato, o peemedebista assumir o Palácio da Cerâmica para tomar pé da situação. A suspeita dos futuros governistas é de que o deficit chegue a R$ 500 milhões.

Durante a eleição, Auricchio - em defesa da sua candidata derrotada, Regina Maura Zetone (PTB) -, e Pinheiro expuseram rusgas intensas em discursos ácidos. Com o andamento da transição, a indisposição entre os dois tem piorado ainda mais. Mas evitam comentar publicamente o caso.

Com o insucesso na busca pela informação financeira, a diretriz da equipe de transição peemedebista agora é focar no trabalho que está sendo feito com os subgrupos de cada área. Coordenadores foram destacados para analisar informações técnicas de cada Pasta e antecipar o planejamento para que as propostas de campanha feitas por Pinheiro comecem a ser desenhadas.

Pela assessoria, Pinheiro negou que haja desconforto no processo e afirmou que foram colhidos muitos dados junto à Prefeitura que estão em processo de análise.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem novidades, transição entre Auricchio e Pinheiro fica 'morna'

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

08/12/2012 | 07:00


O processo de transição entre a administração do prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PTB), e da futura gestão de Paulo Pinheiro (PMDB) esfriou. Por conta da escassez de informações consideradas relevantes, como a real situação financeira do Paço, a equipe do peemedebista completou ontem a segunda semana de interrupção dos trabalhos. Encontros às quintas-feiras e terças-feiras vinham ocorrendo desde novembro.

A busca do grupo de transição de Pinheiro é pelo valor exato de restos a pagar que serão herdados de Auricchio, além do montante que será deixado nos cofres municipais. O petebista avisou que as pendências devem ultrapassar R$ 100 milhões - provenientes de atrasos de três meses com fornecedores -, no contexto de Orçamento previsto em R$ 1,35 bilhão para o ano que vem. O prefeito também garantiu que deixará todos os valores empenhados para serem quitados na próxima gestão e que só terá a informação exata sobre a situação financeira quando encerrar o mandato, com a justificativa de que a máquina pública continua em andamento até lá.

Mesmo com pilhas de documentos e balancetes financeiros em mãos, a equipe de Pinheiro, que é liderada por Sallum Kalil Neto, não engoliu o discurso de Auricchio e agora aguarda, de fato, o peemedebista assumir o Palácio da Cerâmica para tomar pé da situação. A suspeita dos futuros governistas é de que o deficit chegue a R$ 500 milhões.

Durante a eleição, Auricchio - em defesa da sua candidata derrotada, Regina Maura Zetone (PTB) -, e Pinheiro expuseram rusgas intensas em discursos ácidos. Com o andamento da transição, a indisposição entre os dois tem piorado ainda mais. Mas evitam comentar publicamente o caso.

Com o insucesso na busca pela informação financeira, a diretriz da equipe de transição peemedebista agora é focar no trabalho que está sendo feito com os subgrupos de cada área. Coordenadores foram destacados para analisar informações técnicas de cada Pasta e antecipar o planejamento para que as propostas de campanha feitas por Pinheiro comecem a ser desenhadas.

Pela assessoria, Pinheiro negou que haja desconforto no processo e afirmou que foram colhidos muitos dados junto à Prefeitura que estão em processo de análise.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;