Fechar
Publicidade

Sábado, 11 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Protesto de guardas-civis complica trânsito

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Aos gritos de 'Ei Grana, cadê a nossa grana?', GCMs pedem aprovação de estatuto


Daniele Tavares Especial para o Diário

06/11/2013 | 07:01


Efetivos da GCM (Guarda Civil Municipal) e seguranças patrimoniais se concentraram no Paço de Santo André na tarde de ontem para reivindicar melhorias no estatuto, plano de carreira e aumento salarial. O protesto complicou o trânsito e houve confronto entre motoristas e manifestantes.

Com máscaras, nariz de palhaço e fogos de artifício, os manifestantes pararam o Centro da cidade, caminhando em volta do Paço Municipal e parando em frente à Câmara. “Lutamos por nossos direitos e tentamos fazer os políticos entenderem nosso ponto de vista. Estamos brigando porque queremos trabalhar com segurança, e não estão nos dando ouvidos”, diz José Pedro Silva, que faz parte da comissão do ato e guarda-civil há 14 anos.

Durante a passeata, que durou cerca de quatro horas, houve alguns tumultos. Um deles aconteceu quando o condutor de um Uno, ao tentar sair do estacionamento do Paço, foi impedido e jogou o carro para cima de quem bloqueava a passagem. “Não sou dessa cidade e não me importo com essas greves. Quero passar e ir para casa”, disse o motorista, que não quis se identificar. Ninguém se feriu.

Em outro confronto, manifestantes chutaram um carro que tentou furar o bloqueio. O motorista conseguiu passar e deixou o local.

A categoria decidiu pela manifestação após reunião no começo da semana com o secretário de Administração e Modernização, Antônio Leite. Segundo os guardas-civis, a Prefeitura ofereceu proposta de aumento de 5% (de 25% para 30%) para o bônus por risco de vida dos servidores, percentual obrigatório por lei federal, e 42 bolsas de graduação para efetivo de cerca de 800 funcionários. “O que eles ofereceram não muda a vida de nem 10% dos agentes”, indigna-se a guarda-civil Samanta Gildo.

Segundo a Prefeitura, o impacto aos cofres municipais com a proposta feita pela categoria será de R$ 1,1 milhão ao ano. A administração informou ainda que desde abril mantém negociação com os guardas.

A categoria reclama. “Já deveriam ter ocorrido por volta de cinco encontros e pelo menos duas dessas reuniões foram desmarcadas por eles”, afirma o guarda-civil há 27 anos Valdir Azevedo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Protesto de guardas-civis complica trânsito

Aos gritos de 'Ei Grana, cadê a nossa grana?', GCMs pedem aprovação de estatuto

Daniele Tavares Especial para o Diário

06/11/2013 | 07:01


Efetivos da GCM (Guarda Civil Municipal) e seguranças patrimoniais se concentraram no Paço de Santo André na tarde de ontem para reivindicar melhorias no estatuto, plano de carreira e aumento salarial. O protesto complicou o trânsito e houve confronto entre motoristas e manifestantes.

Com máscaras, nariz de palhaço e fogos de artifício, os manifestantes pararam o Centro da cidade, caminhando em volta do Paço Municipal e parando em frente à Câmara. “Lutamos por nossos direitos e tentamos fazer os políticos entenderem nosso ponto de vista. Estamos brigando porque queremos trabalhar com segurança, e não estão nos dando ouvidos”, diz José Pedro Silva, que faz parte da comissão do ato e guarda-civil há 14 anos.

Durante a passeata, que durou cerca de quatro horas, houve alguns tumultos. Um deles aconteceu quando o condutor de um Uno, ao tentar sair do estacionamento do Paço, foi impedido e jogou o carro para cima de quem bloqueava a passagem. “Não sou dessa cidade e não me importo com essas greves. Quero passar e ir para casa”, disse o motorista, que não quis se identificar. Ninguém se feriu.

Em outro confronto, manifestantes chutaram um carro que tentou furar o bloqueio. O motorista conseguiu passar e deixou o local.

A categoria decidiu pela manifestação após reunião no começo da semana com o secretário de Administração e Modernização, Antônio Leite. Segundo os guardas-civis, a Prefeitura ofereceu proposta de aumento de 5% (de 25% para 30%) para o bônus por risco de vida dos servidores, percentual obrigatório por lei federal, e 42 bolsas de graduação para efetivo de cerca de 800 funcionários. “O que eles ofereceram não muda a vida de nem 10% dos agentes”, indigna-se a guarda-civil Samanta Gildo.

Segundo a Prefeitura, o impacto aos cofres municipais com a proposta feita pela categoria será de R$ 1,1 milhão ao ano. A administração informou ainda que desde abril mantém negociação com os guardas.

A categoria reclama. “Já deveriam ter ocorrido por volta de cinco encontros e pelo menos duas dessas reuniões foram desmarcadas por eles”, afirma o guarda-civil há 27 anos Valdir Azevedo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;