Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Pesquisa: RJ e SP sao as capitais mais violentas do Brasil


Do Diário do Grande ABC

08/01/2000 | 15:13


A violência urbana é percebida pela populaçao como um fenômeno que ameaça cada vez mais as grandes cidades, de acordo com pesquisa do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de Sao Paulo (USP). O relatório final da pesquisa Atitudes, normas culturais e valores em relaçao à violência em dez capitais brasileiras destaca que o problema é maior nas regioes metropolitanas do Rio de Janeiro e de Sao Paulo. Dos mais de 40 mil homicídios em 1997 no país, 38,8% ocorreram nas duas metrópoles.

O Núcleo de Estudos de Violência da USP divulga na terça-feira, o 1º Relatório Nacional sobre os Direitos Humanos no Brasil, coordenado pelo professor Paulo Sérgio Pinheiro. O trabalho ressalta a existência de uma política afirmativa do governo federal em favor dos direitos humanos, defende a transparência em relaçao às graves violaçoes desses direitos e a aceitaçao do monitoramento da situaçao por instituiçoes internacionais e organizaçoes nao-governamentais (ONGs) nacionais e estrangeiras.

Indignaçao - Os pesquisadores da USP, coordenados pela professora Nancy Cardia, observaram que existe, com freqüência, indignaçao contra o crescimento da violência, mas se surpreenderam com a constataçao de que a populaçao reage com alguma indiferença em relaçao aos homicídios em áreas pobres.

Embora haja revolta ante o crescimento da criminalidade violenta, essa indignaçao nao é tao forte em relaçao aos assassinatos que vitimam, em sua grande maioria, jovens do sexo masculino, moradores nos bairros mais pobres.

``Essa ausência de indignaçao pode ser conseqüência de vários fatores, pode indicar a existência de uma normalizaçao ou aceitaçao da violência interpessoal desde que praticada contra o que se imagina sejam determinados tipos de pessoas, ou para resolver determinados tipos de disputa, como, por exemplo, do tráfico'', analisa Nancy Cardia. ``Assim, a violência tem múltiplas causas, sendo que os valores e normas socialmente compartilhados sao parte desse modelo de causalidade''.

A percepçao da violência é mais notória junto às pessoas mais idosas. As cidades onde há mais consenso sobre o aumento da violência sao Goiânia, Porto Alegre, Sao Paulo e Recife, seguidas por Salvador e Belém. Rio de Janeiro e Porto Velho sao as cidades com menor consenso sobre o crescimento da violência. Isso ocorre porque é grande o percentual de entrevistados que acham que a violência nao cresceu nem diminuiu, mas continua a mesma.

Colaboraçao - O relatório sobre a situaçao dos direitos humanos é baseado em informaçoes do governos federal, dos governos estaduais e de organizaçoes nacionais e internacionais. O trabalho focaliza o problema desde o lançamento do Programa Nacional dos Direitos Humanos (PNDH), em maio de 1996 até dezembro de 1998. De acordo com Paulo Sérgio Pinheiro, a colaboraçao dos governos estaduais num curto espaço de tempo demonstrou o interesse dos estados em promover o respeito aos direitos humanos.

``Nao é mais possível tolerar a continuidade da violência policial, dos grupos de extermínio, da exploraçao do trabalho infanto-juvenil, da exploraçao sexual de crianças e adolescentes, do trabalho escravo, da violência contra povos indígenas e da discriminaçao por motivo de nacionalidade, gênero, idade, etnia, raça, orientaçao sexual, diversas modalidades de incapacidade, crença religiosa ou convicçao política'', afirma Pinheiro.

O relatório, além de enfatizar o que foi feito em cada estado em benefício dos direitos humanos desde o lançamento do PNDH, registra alguns casos exemplares de violaçoes que ainda exigem atençao do poder público e da sociedade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pesquisa: RJ e SP sao as capitais mais violentas do Brasil

Do Diário do Grande ABC

08/01/2000 | 15:13


A violência urbana é percebida pela populaçao como um fenômeno que ameaça cada vez mais as grandes cidades, de acordo com pesquisa do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de Sao Paulo (USP). O relatório final da pesquisa Atitudes, normas culturais e valores em relaçao à violência em dez capitais brasileiras destaca que o problema é maior nas regioes metropolitanas do Rio de Janeiro e de Sao Paulo. Dos mais de 40 mil homicídios em 1997 no país, 38,8% ocorreram nas duas metrópoles.

O Núcleo de Estudos de Violência da USP divulga na terça-feira, o 1º Relatório Nacional sobre os Direitos Humanos no Brasil, coordenado pelo professor Paulo Sérgio Pinheiro. O trabalho ressalta a existência de uma política afirmativa do governo federal em favor dos direitos humanos, defende a transparência em relaçao às graves violaçoes desses direitos e a aceitaçao do monitoramento da situaçao por instituiçoes internacionais e organizaçoes nao-governamentais (ONGs) nacionais e estrangeiras.

Indignaçao - Os pesquisadores da USP, coordenados pela professora Nancy Cardia, observaram que existe, com freqüência, indignaçao contra o crescimento da violência, mas se surpreenderam com a constataçao de que a populaçao reage com alguma indiferença em relaçao aos homicídios em áreas pobres.

Embora haja revolta ante o crescimento da criminalidade violenta, essa indignaçao nao é tao forte em relaçao aos assassinatos que vitimam, em sua grande maioria, jovens do sexo masculino, moradores nos bairros mais pobres.

``Essa ausência de indignaçao pode ser conseqüência de vários fatores, pode indicar a existência de uma normalizaçao ou aceitaçao da violência interpessoal desde que praticada contra o que se imagina sejam determinados tipos de pessoas, ou para resolver determinados tipos de disputa, como, por exemplo, do tráfico'', analisa Nancy Cardia. ``Assim, a violência tem múltiplas causas, sendo que os valores e normas socialmente compartilhados sao parte desse modelo de causalidade''.

A percepçao da violência é mais notória junto às pessoas mais idosas. As cidades onde há mais consenso sobre o aumento da violência sao Goiânia, Porto Alegre, Sao Paulo e Recife, seguidas por Salvador e Belém. Rio de Janeiro e Porto Velho sao as cidades com menor consenso sobre o crescimento da violência. Isso ocorre porque é grande o percentual de entrevistados que acham que a violência nao cresceu nem diminuiu, mas continua a mesma.

Colaboraçao - O relatório sobre a situaçao dos direitos humanos é baseado em informaçoes do governos federal, dos governos estaduais e de organizaçoes nacionais e internacionais. O trabalho focaliza o problema desde o lançamento do Programa Nacional dos Direitos Humanos (PNDH), em maio de 1996 até dezembro de 1998. De acordo com Paulo Sérgio Pinheiro, a colaboraçao dos governos estaduais num curto espaço de tempo demonstrou o interesse dos estados em promover o respeito aos direitos humanos.

``Nao é mais possível tolerar a continuidade da violência policial, dos grupos de extermínio, da exploraçao do trabalho infanto-juvenil, da exploraçao sexual de crianças e adolescentes, do trabalho escravo, da violência contra povos indígenas e da discriminaçao por motivo de nacionalidade, gênero, idade, etnia, raça, orientaçao sexual, diversas modalidades de incapacidade, crença religiosa ou convicçao política'', afirma Pinheiro.

O relatório, além de enfatizar o que foi feito em cada estado em benefício dos direitos humanos desde o lançamento do PNDH, registra alguns casos exemplares de violaçoes que ainda exigem atençao do poder público e da sociedade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;