Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vereadores do PT de S.Caetano discutem rejeição de pedidos


Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

06/06/2005 | 07:57


Os vetos do prefeito José Auricchio Júnior (PTB) aos pedidos de informações dos dois únicos parlamentares de oposição da Câmara de São Caetano – Horário Neto e Edgar Nóbrega, ambos do PT – levará à obstrução de todos os requerimentos protocolados na Casa. Os dois petistas alegam falta de democracia e transparência. O PT contabiliza 52 pedidos rejeitados em quatro meses de legislatura. Nesta terça-feira, os dois parlamentares devem participar de reunião com os demais vereadores e o presidente Paulo BOttura (PTB) para discutir as constantes derrubadas de requerimentos.

A promessa de obstrução constante não deverá prejudicar a votação de projetos de lei do Legislativo e do Executivo, mas segundo os parlamentares petistas, as indicações de vereadores e requerimentos de informação não deverão ser votados.

Para Neto, líder do PT na Câmara, a administração municipal é a beneficiada diretamente pelos impedimentos, já que a base aliada do governo é quem rejeita os pedidos de informação petistas. “A administração diz que é transparente, mas a bancada de situação está orientada a não dar transparência”, denuncia o petista.

O líder petista na Casa diz que na Assembléia os requerimentos apresentados pelos deputados estaduais são encaminhados diretamente pelo presidente ao Executivo, e nem sequer passam por votação.

Procurado pelo Diário, o prefeito José Auricchio Júnior não comentou as denúncias do PT. Apenas informou, por meio da assessoria de imprensa, que respeita a independência do Legislativo. O líder de governo na Câmara, Gilberto Costa (sem partido), nega que o critério para derrubar os requerimentos de informação seja político. “Os requerimentos deles não têm procedência”, criticou.

Manobra – O vereador da situação Ângelo Pavin (PPS) considera as reclamações petistas como jogo de cena. “Ao fazer a operação marcha lenta, usam o pequeno expediente, reservado às demandas da população, para fazer política”, reclama o parlamentar. “Querem fazer disso uma peça de resistência, só que a eleição já passou.”

Para Pavin, muitos requerimentos apresentados pelos petistas só servem para fazer volume. “Eles têm requerimentos em quantidade, mas não em qualidade.” Como exemplos, o vereador cita o pedido de informações sobre qual o critério que a prefeitura adotou para asfaltar as ruas de São Caetano. “O critério é asfaltar a que estiver pior, isso é uma redundância, coisa óbvia. Imagine encaminhar ao departamento e fazer eles pararem de trabalhar para avaliar isso.” O líder de governo na Câmara relembra também o episódio em que os dois vereadores do PT apresentaram requerimentos de informação iguais.

Pavin sugere que os dois petistas da Casa busquem apoio junto aos nove vereadores da situação se quiserem ver aprovados seus requerimentos. “É um regime democrático, não monarquista. Para você fazer qualquer tipo de coisa, tem que ter maioria ou conversar. Faz parte do jogo.” O parlamentar do PPS afirma que nunca foi procurado por petistas para assinar com eles qualquer requerimento. “Por isso, entendo que o que eles querem é fazer política em cima disso”, conclui.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vereadores do PT de S.Caetano discutem rejeição de pedidos

Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

06/06/2005 | 07:57


Os vetos do prefeito José Auricchio Júnior (PTB) aos pedidos de informações dos dois únicos parlamentares de oposição da Câmara de São Caetano – Horário Neto e Edgar Nóbrega, ambos do PT – levará à obstrução de todos os requerimentos protocolados na Casa. Os dois petistas alegam falta de democracia e transparência. O PT contabiliza 52 pedidos rejeitados em quatro meses de legislatura. Nesta terça-feira, os dois parlamentares devem participar de reunião com os demais vereadores e o presidente Paulo BOttura (PTB) para discutir as constantes derrubadas de requerimentos.

A promessa de obstrução constante não deverá prejudicar a votação de projetos de lei do Legislativo e do Executivo, mas segundo os parlamentares petistas, as indicações de vereadores e requerimentos de informação não deverão ser votados.

Para Neto, líder do PT na Câmara, a administração municipal é a beneficiada diretamente pelos impedimentos, já que a base aliada do governo é quem rejeita os pedidos de informação petistas. “A administração diz que é transparente, mas a bancada de situação está orientada a não dar transparência”, denuncia o petista.

O líder petista na Casa diz que na Assembléia os requerimentos apresentados pelos deputados estaduais são encaminhados diretamente pelo presidente ao Executivo, e nem sequer passam por votação.

Procurado pelo Diário, o prefeito José Auricchio Júnior não comentou as denúncias do PT. Apenas informou, por meio da assessoria de imprensa, que respeita a independência do Legislativo. O líder de governo na Câmara, Gilberto Costa (sem partido), nega que o critério para derrubar os requerimentos de informação seja político. “Os requerimentos deles não têm procedência”, criticou.

Manobra – O vereador da situação Ângelo Pavin (PPS) considera as reclamações petistas como jogo de cena. “Ao fazer a operação marcha lenta, usam o pequeno expediente, reservado às demandas da população, para fazer política”, reclama o parlamentar. “Querem fazer disso uma peça de resistência, só que a eleição já passou.”

Para Pavin, muitos requerimentos apresentados pelos petistas só servem para fazer volume. “Eles têm requerimentos em quantidade, mas não em qualidade.” Como exemplos, o vereador cita o pedido de informações sobre qual o critério que a prefeitura adotou para asfaltar as ruas de São Caetano. “O critério é asfaltar a que estiver pior, isso é uma redundância, coisa óbvia. Imagine encaminhar ao departamento e fazer eles pararem de trabalhar para avaliar isso.” O líder de governo na Câmara relembra também o episódio em que os dois vereadores do PT apresentaram requerimentos de informação iguais.

Pavin sugere que os dois petistas da Casa busquem apoio junto aos nove vereadores da situação se quiserem ver aprovados seus requerimentos. “É um regime democrático, não monarquista. Para você fazer qualquer tipo de coisa, tem que ter maioria ou conversar. Faz parte do jogo.” O parlamentar do PPS afirma que nunca foi procurado por petistas para assinar com eles qualquer requerimento. “Por isso, entendo que o que eles querem é fazer política em cima disso”, conclui.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;