Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Gasolina na região aumenta três vezes mais que previsto


Frederico Rebello Nehme
Do Diário do Grande ABC
Com AE

16/10/2004 | 13:34


O preço da gasolina e do diesel subiu nesta sexta 5%, em média, nas bombas dos postos de combustível do Grande ABC. O aumento para a gasolina é cerca de três vezes maior do que o previsto pela Petrobras na última quinta-feira, de 1,6%. O reajuste do diesel, previsto para 3,8%, ficou 1,2 ponto porcentual maior.

Os postos de gasolina alegam que a pressão de custos forçou a alta maior que a prevista. Os aumentos constantes, neste ano, do álcool anidro, que faz parte da composição da gasolina (adição de 25%), seriam o principal fator de pressão.

O aumento registrado no Grande ABC também ocorreu em outras regiões do país. A Fecombustíveis (Federação Nacional dos Revendedores de Combustíveis) condenou o aumento praticado.

O litro de gasolina comum era vendido nesta sexta em alguns postos do Grande ABC a R$ 2,099; o do diesel chegou a ser comercializado a R$ 1,599. Os reajustes teriam sido aplicados, em alguns casos, antes mesmo de o combustível com o preço novo chegar aos postos.

O aumento previsto pela Petrobras para o consumidor é resultado do reajuste aplicado ao preço dos combustíveis nas refinarias para as distribuidoras, de 2,4% para gasolina e 4,8% para o diesel.

O presidente do Regran (Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Grande ABC), Marcos Campagnaro, afirmou que já esperava aumento maior do que o previsto pela Petrobras.

“Os preços são livres no mercado de combustíveis. Vai ser difícil segurar esses aumentos, pois os custos operacionais estão muito altos para os postos. Esse aumento, no entanto, deve se equalizar dentro de alguns dias, para cima ou para baixo”, afirmou.

Proprietários e gerentes de postos alegaram que o preço da gasolina, especialmente, já deveria ter sido reajustado. “Estamos trabalhando com uma margem de lucro muito pequena na gasolina, que chega para nós cada vez mais cara por causa da alta do álcool”, afirmou Regiane Moraes, gerente do posto Integração, em Santo André.

Para Franklin Ribeiro dos Santos, gerente do posto Portal, de São Bernardo, os preços devem se regularizar na semana que vem. “Tudo dependerá do que acontecer nos próximos dias. Os postos devem manter valores compatíveis com o mercado da região”, afirmou.

Segundo Luiz Adolfo de Andrade, gerente do posto Cabeça Branca, em Santo André, o reajuste na bomba, em torno de 5%, foi igual ao aplicado pelas distribuidoras. “Repassamos exatamente o aumento que recebemos. É impossível ficar sem realizar um repasse desse tipo, até para continuar no mercado.”

Indevido – O presidente da Fecombustíveis, Luiz Gil Siuffo, afirmou nesta sexta que não há motivos para o reajuste praticado nas bombas de combustível, que alcançou R$ 0,10. Siuffo defende que os reajustes fiquem em torno de R$ 0,03 para a gasolina e R$ 0,06 para o diesel, valores referentes aos índices previstos pela Petrobras.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gasolina na região aumenta três vezes mais que previsto

Frederico Rebello Nehme
Do Diário do Grande ABC
Com AE

16/10/2004 | 13:34


O preço da gasolina e do diesel subiu nesta sexta 5%, em média, nas bombas dos postos de combustível do Grande ABC. O aumento para a gasolina é cerca de três vezes maior do que o previsto pela Petrobras na última quinta-feira, de 1,6%. O reajuste do diesel, previsto para 3,8%, ficou 1,2 ponto porcentual maior.

Os postos de gasolina alegam que a pressão de custos forçou a alta maior que a prevista. Os aumentos constantes, neste ano, do álcool anidro, que faz parte da composição da gasolina (adição de 25%), seriam o principal fator de pressão.

O aumento registrado no Grande ABC também ocorreu em outras regiões do país. A Fecombustíveis (Federação Nacional dos Revendedores de Combustíveis) condenou o aumento praticado.

O litro de gasolina comum era vendido nesta sexta em alguns postos do Grande ABC a R$ 2,099; o do diesel chegou a ser comercializado a R$ 1,599. Os reajustes teriam sido aplicados, em alguns casos, antes mesmo de o combustível com o preço novo chegar aos postos.

O aumento previsto pela Petrobras para o consumidor é resultado do reajuste aplicado ao preço dos combustíveis nas refinarias para as distribuidoras, de 2,4% para gasolina e 4,8% para o diesel.

O presidente do Regran (Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Grande ABC), Marcos Campagnaro, afirmou que já esperava aumento maior do que o previsto pela Petrobras.

“Os preços são livres no mercado de combustíveis. Vai ser difícil segurar esses aumentos, pois os custos operacionais estão muito altos para os postos. Esse aumento, no entanto, deve se equalizar dentro de alguns dias, para cima ou para baixo”, afirmou.

Proprietários e gerentes de postos alegaram que o preço da gasolina, especialmente, já deveria ter sido reajustado. “Estamos trabalhando com uma margem de lucro muito pequena na gasolina, que chega para nós cada vez mais cara por causa da alta do álcool”, afirmou Regiane Moraes, gerente do posto Integração, em Santo André.

Para Franklin Ribeiro dos Santos, gerente do posto Portal, de São Bernardo, os preços devem se regularizar na semana que vem. “Tudo dependerá do que acontecer nos próximos dias. Os postos devem manter valores compatíveis com o mercado da região”, afirmou.

Segundo Luiz Adolfo de Andrade, gerente do posto Cabeça Branca, em Santo André, o reajuste na bomba, em torno de 5%, foi igual ao aplicado pelas distribuidoras. “Repassamos exatamente o aumento que recebemos. É impossível ficar sem realizar um repasse desse tipo, até para continuar no mercado.”

Indevido – O presidente da Fecombustíveis, Luiz Gil Siuffo, afirmou nesta sexta que não há motivos para o reajuste praticado nas bombas de combustível, que alcançou R$ 0,10. Siuffo defende que os reajustes fiquem em torno de R$ 0,03 para a gasolina e R$ 0,06 para o diesel, valores referentes aos índices previstos pela Petrobras.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;