Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Incertezas e interdições marcam primeiro fim de semana de bares na região

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após cerca de quatro meses, estabelecimentos iniciam retorno tímido; alguns são lacrados


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

12/07/2020 | 23:36


A tão desejada retomada econômica após quase quatro meses de portas fechadas por conta da pandemia de Covid-19 ainda é incerta para bares e restaurantes do Grande ABC. O primeiro fim de semana de funcionamento, entre ontem e hoje, teve misto de esperança, decepção com faturamento e baixa clientela e até interdições de estabelecimentos por descumprimento de regras de reabertura.

No Boteco São Bernardo, localizado na tradicional rota de bares da Avenida Kennedy, o faturamento ainda está longe de chegar próximo ao do período pré-pandemia. “Está bem baixo. (O lucro) não dá nem 10% do que a gente faturava”, contou Orlando Jacinto, gerente do estabelecimento. Na cidade, o funcionamento está permitido das 11h às 17h. Na vizinha Santo André, porém, o governo Paulo Serra (PSDB) liberou os estabelecimentos de funcionarem até às 23h30. “Para a gente essa falta de dinheiro desses cem dias, com esse horário, tem deixado a gente confuso. Somos um bar noturno. Deveria haver um padrão (de horários) para o Grande ABC. Se ele (comerciante andreense) pode, eu também posso”, defendeu Jacinto.

O distanciamento social, o horário mais curto e a redução da clientela foram uns dos combinados para que esse setor pudesse finalmente voltar a atender presencialmente para não ampliar o risco de contágio pelo coronavírus. A permissão foi dada pelo governo João Doria (PSDB) no fim do mês passado e passou a valer nas sete cidades desde o dia 6. Esse aval só foi permitido porque a região avançou para a fase amarela do chamado Plano São Paulo, que prevê a retomada gradual da economia no Estado.

Além de recomendar o atendimento ao ar livre, distanciamento entre as mesas e restrição de público, as regras do decreto também orientam funcionamento de até seis horas por dia e com limite às 17h, para evitar aglomerações à noite. “(Os clientes) Estão voltando aos poucos. Estamos atendendo cerca de 30% (da clientela). Por enquanto, é um bom começo”, contou um funcionário do Boteco Maria, em Santo André, onde o funcionamento vai até mais tarde.

Ao Diário, a Prefeitura de Santo André informou que, nesse fim de semana, autuou e lacrou três estabelecimentos, sendo dois na Rua Bernardino de Campos, por conta de aglomeração, e um na Rua Senador Fláquer, ambos no Centro, por aglomeração e desrespeito ao limite de horário. O Paço de São Bernardo relatou que "efetuou em torno de 400 abordagens entre bares e restaurantes no município, com foco na orientação sobre o decreto que permite o funcionamento destes estabelecimentos". "Não foram constatadas irregularidades do comércio local. Todos os bares e restaurantes cumpriram o decreto municipal".

Em São Caetano, houve duas notificações e uma lacração, segundo a Prefeitura. Os demais municípios não se manifestaram.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Incertezas e interdições marcam primeiro fim de semana de bares na região

Após cerca de quatro meses, estabelecimentos iniciam retorno tímido; alguns são lacrados

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

12/07/2020 | 23:36


A tão desejada retomada econômica após quase quatro meses de portas fechadas por conta da pandemia de Covid-19 ainda é incerta para bares e restaurantes do Grande ABC. O primeiro fim de semana de funcionamento, entre ontem e hoje, teve misto de esperança, decepção com faturamento e baixa clientela e até interdições de estabelecimentos por descumprimento de regras de reabertura.

No Boteco São Bernardo, localizado na tradicional rota de bares da Avenida Kennedy, o faturamento ainda está longe de chegar próximo ao do período pré-pandemia. “Está bem baixo. (O lucro) não dá nem 10% do que a gente faturava”, contou Orlando Jacinto, gerente do estabelecimento. Na cidade, o funcionamento está permitido das 11h às 17h. Na vizinha Santo André, porém, o governo Paulo Serra (PSDB) liberou os estabelecimentos de funcionarem até às 23h30. “Para a gente essa falta de dinheiro desses cem dias, com esse horário, tem deixado a gente confuso. Somos um bar noturno. Deveria haver um padrão (de horários) para o Grande ABC. Se ele (comerciante andreense) pode, eu também posso”, defendeu Jacinto.

O distanciamento social, o horário mais curto e a redução da clientela foram uns dos combinados para que esse setor pudesse finalmente voltar a atender presencialmente para não ampliar o risco de contágio pelo coronavírus. A permissão foi dada pelo governo João Doria (PSDB) no fim do mês passado e passou a valer nas sete cidades desde o dia 6. Esse aval só foi permitido porque a região avançou para a fase amarela do chamado Plano São Paulo, que prevê a retomada gradual da economia no Estado.

Além de recomendar o atendimento ao ar livre, distanciamento entre as mesas e restrição de público, as regras do decreto também orientam funcionamento de até seis horas por dia e com limite às 17h, para evitar aglomerações à noite. “(Os clientes) Estão voltando aos poucos. Estamos atendendo cerca de 30% (da clientela). Por enquanto, é um bom começo”, contou um funcionário do Boteco Maria, em Santo André, onde o funcionamento vai até mais tarde.

Ao Diário, a Prefeitura de Santo André informou que, nesse fim de semana, autuou e lacrou três estabelecimentos, sendo dois na Rua Bernardino de Campos, por conta de aglomeração, e um na Rua Senador Fláquer, ambos no Centro, por aglomeração e desrespeito ao limite de horário. O Paço de São Bernardo relatou que "efetuou em torno de 400 abordagens entre bares e restaurantes no município, com foco na orientação sobre o decreto que permite o funcionamento destes estabelecimentos". "Não foram constatadas irregularidades do comércio local. Todos os bares e restaurantes cumpriram o decreto municipal".

Em São Caetano, houve duas notificações e uma lacração, segundo a Prefeitura. Os demais municípios não se manifestaram.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;