Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Gordura abdominal



17/06/2011 | 00:00



Por muito tempo acreditou-se que a gordura abdominal, que dá ao corpo o formato de uma maça, deixava os obesos mais propensos as doenças cardíacas. Mas, segundo estudo realizado pelo Emerging Risk Factors Collaboration, é o excesso de peso e não onde a gordura se concentra no corpo que se constitui fator de risco para as doenças cardiovasculares.

A pesquisa concentrou dados de 58 estudos sobre mais de 220 mil pessoas com idade média de 58 anos. Dentre os participantes do estudo, mais de 14 mil pessoas sofreram um ataque cardíaco ou derrame devido a fatores convencionais de risco, como pressão artéria e colesterol elevado, diabetes e fumo. A gordura determinada pela medição da circunferência da cintura ou a relação cintura quadril não entraram na previsão de risco.

No entanto, isso não significa que a gordura abdominal não deva ser combatida assim como o excesso de peso como um todo. Excesso de peso causa mais trabalho ao coração, que tem que se esforçar para enviar o sangue ao corpo, o que eleva consideravelmente o perigo de doenças cardíacas e derrames cerebrais.

Por Yasmin Barcellos



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gordura abdominal


17/06/2011 | 00:00



Por muito tempo acreditou-se que a gordura abdominal, que dá ao corpo o formato de uma maça, deixava os obesos mais propensos as doenças cardíacas. Mas, segundo estudo realizado pelo Emerging Risk Factors Collaboration, é o excesso de peso e não onde a gordura se concentra no corpo que se constitui fator de risco para as doenças cardiovasculares.

A pesquisa concentrou dados de 58 estudos sobre mais de 220 mil pessoas com idade média de 58 anos. Dentre os participantes do estudo, mais de 14 mil pessoas sofreram um ataque cardíaco ou derrame devido a fatores convencionais de risco, como pressão artéria e colesterol elevado, diabetes e fumo. A gordura determinada pela medição da circunferência da cintura ou a relação cintura quadril não entraram na previsão de risco.

No entanto, isso não significa que a gordura abdominal não deva ser combatida assim como o excesso de peso como um todo. Excesso de peso causa mais trabalho ao coração, que tem que se esforçar para enviar o sangue ao corpo, o que eleva consideravelmente o perigo de doenças cardíacas e derrames cerebrais.

Por Yasmin Barcellos

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;