Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Brasil será prioridade para Repsol



15/11/2009 | 07:01


O pré-sal brasileiro é prioridade nos investimentos da espanhola Repsol para os próximos anos. Em visita ao País, o presidente da companhia, Antonio Brufau, anunciou que somente em 2010, a empresa investirá US$ 380 milhões na exploração de blocos que possui em parceria com a Petrobras na Bacia de Santos.

O volume representa 40% do que a companhia aplicará em exploração nos 30 países em que atua. Entre dez e 12 anos, o investimento no País pode chegar a US$ 20 bilhões. "Temos perspectivas fantásticas para a produção no Brasil", disse ontem, ao lado presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.

O otimismo, no entanto, não se repete ao ser indagado sobre o novo marco regulatório. "Não acredito que as novas regras sejam tão ou mais atrativas do que as que existam hoje", avaliou. Brufau salientou que "respeita a decisão soberana do governo brasileiro de alterar sua legislação", mas que ainda precisa "estudar bem os tributos" que serão cobrados para avaliar se valerá a pena entrar em novas áreas.

O presidente da Repsol enfatizou que a empresa está bem posicionada no Brasil, onde possui 21 blocos, sendo oito na Bacia de Santos, com destaque para a participação de 25% no BM-S-9, operado pela Petrobras, onde estão as descobertas de Carioca, Guará, Iguaçu e Abará Oeste, cujas reservas não foram divulgadas ainda.

"Não acreditamos que sejam ofertadas em futuros leilões áreas tão boas e com potencial tão elevado", comentou Brufau.

BALANÇO - Gabrielli, da Petrobras, comentou que o balanço financeiro da estatal, divulgado sexta-feira, foi influenciado positivamente pelo aumento nas vendas, aumento da produção e recuperação econômica do País. Comparando o resultado da estatal com outras petrolíferas internacionais, ele destacou que a política de "não ajustar diariamente os preços da gasolina e do diesel" fez com que houvesse um desempenho.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil será prioridade para Repsol


15/11/2009 | 07:01


O pré-sal brasileiro é prioridade nos investimentos da espanhola Repsol para os próximos anos. Em visita ao País, o presidente da companhia, Antonio Brufau, anunciou que somente em 2010, a empresa investirá US$ 380 milhões na exploração de blocos que possui em parceria com a Petrobras na Bacia de Santos.

O volume representa 40% do que a companhia aplicará em exploração nos 30 países em que atua. Entre dez e 12 anos, o investimento no País pode chegar a US$ 20 bilhões. "Temos perspectivas fantásticas para a produção no Brasil", disse ontem, ao lado presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.

O otimismo, no entanto, não se repete ao ser indagado sobre o novo marco regulatório. "Não acredito que as novas regras sejam tão ou mais atrativas do que as que existam hoje", avaliou. Brufau salientou que "respeita a decisão soberana do governo brasileiro de alterar sua legislação", mas que ainda precisa "estudar bem os tributos" que serão cobrados para avaliar se valerá a pena entrar em novas áreas.

O presidente da Repsol enfatizou que a empresa está bem posicionada no Brasil, onde possui 21 blocos, sendo oito na Bacia de Santos, com destaque para a participação de 25% no BM-S-9, operado pela Petrobras, onde estão as descobertas de Carioca, Guará, Iguaçu e Abará Oeste, cujas reservas não foram divulgadas ainda.

"Não acreditamos que sejam ofertadas em futuros leilões áreas tão boas e com potencial tão elevado", comentou Brufau.

BALANÇO - Gabrielli, da Petrobras, comentou que o balanço financeiro da estatal, divulgado sexta-feira, foi influenciado positivamente pelo aumento nas vendas, aumento da produção e recuperação econômica do País. Comparando o resultado da estatal com outras petrolíferas internacionais, ele destacou que a política de "não ajustar diariamente os preços da gasolina e do diesel" fez com que houvesse um desempenho.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;