Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Prefeitura retoma obras no Grande Alvarenga

Gabriel Inamine/PMSBC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Urbanização da área, iniciada em 2010, em S.Bernardo, estava abandonada havia dois anos


Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

18/07/2017 | 07:00


 A Prefeitura de São Bernardo anunciou ontem a retomada do processo de urbanização da região do Grande Alvarenga, que deve beneficiar 2.136 famílias do Sítio Bom Jesus, Jardim Ipê, Divinéia, Alvarenga Peixoto e Pantanal 1 e 2.

Abandonado há pelo menos dois anos, época em que construtora H.Guedes, responsável pela execução dos serviços, paralisou os trabalhos, o processo para a construção de moradias e manutenção da área urbana deve ser retomado já a partir da segunda quinzena de outubro, com previsão de entrega para 2019.

Segundo a administração municipal, o cronograma se refere ao período em que a Prefeitura deve concluir um novo processo licitatório que visa selecionar a nova responsável pela execução das obras. Ontem, a Prefeitura oficializou a rescisão de contrato com a construtora H.Guedes em decorrência dos problemas observados durante os últimos anos.

“De imediato, asseguramos o rompimento com a empresa e o início do processo para contratação de outra. Faremos uma frente de trabalho para que o projeto caminhe de maneira intensa para a conclusão de moradia e de urbanização”, explicou o prefeito Orlando Morando (PSDB), ontem, durante vistoria no canteiro de obras. Iniciada em 2010, ainda na gestão do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), a obra de urbanização da região do Grande Alvarenga previa beneficiar famílias da área de manancial. Orçado em R$ 70,9 milhões, sendo R$ 38,8 milhões recursos da União e R$ 32,1 milhões de contrapartida municipal, o projeto contava com diversas frentes.

Neste primeiro momento, segundo o secretário de Habitação de São Bernardo, João Abukater Neto, a expectativa é a de que no próximo mês seja publicado o edital que se refere à construção de 98 moradias (38 casas e 60 apartamentos), além das manutenções urbanas no Sítio Bom Jesus. As intervenções que já possuem 20% das obras executadas têm investimento na ordem de R$ 14,4 milhões. “No momento, estamos executando revisão de todos os projetos de engenharia, já que a maioria deles apresentava uma deficiência, para que até em setembro todos sejam licitados”, explicou o secretário.

Conforme projeção feita por Neto, se o processo correr como previsto pela administração municipal, todas as obras devem ser concluídas em prazo de um ano e meio.

Em março, o Diário chegou a publicar reportagem com o drama das famílias que aguardavam as melhorias prometidas na área de manancial pela Prefeitura de São Bernardo.

À época, no canteiro de obras era possível notar a depredação das edificações que já tinham sido erguidas. Além disso, muitos moradores reclamavam de viver com o benefício do auxílio aluguel.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeitura retoma obras no Grande Alvarenga

Urbanização da área, iniciada em 2010, em S.Bernardo, estava abandonada havia dois anos

Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

18/07/2017 | 07:00


 A Prefeitura de São Bernardo anunciou ontem a retomada do processo de urbanização da região do Grande Alvarenga, que deve beneficiar 2.136 famílias do Sítio Bom Jesus, Jardim Ipê, Divinéia, Alvarenga Peixoto e Pantanal 1 e 2.

Abandonado há pelo menos dois anos, época em que construtora H.Guedes, responsável pela execução dos serviços, paralisou os trabalhos, o processo para a construção de moradias e manutenção da área urbana deve ser retomado já a partir da segunda quinzena de outubro, com previsão de entrega para 2019.

Segundo a administração municipal, o cronograma se refere ao período em que a Prefeitura deve concluir um novo processo licitatório que visa selecionar a nova responsável pela execução das obras. Ontem, a Prefeitura oficializou a rescisão de contrato com a construtora H.Guedes em decorrência dos problemas observados durante os últimos anos.

“De imediato, asseguramos o rompimento com a empresa e o início do processo para contratação de outra. Faremos uma frente de trabalho para que o projeto caminhe de maneira intensa para a conclusão de moradia e de urbanização”, explicou o prefeito Orlando Morando (PSDB), ontem, durante vistoria no canteiro de obras. Iniciada em 2010, ainda na gestão do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), a obra de urbanização da região do Grande Alvarenga previa beneficiar famílias da área de manancial. Orçado em R$ 70,9 milhões, sendo R$ 38,8 milhões recursos da União e R$ 32,1 milhões de contrapartida municipal, o projeto contava com diversas frentes.

Neste primeiro momento, segundo o secretário de Habitação de São Bernardo, João Abukater Neto, a expectativa é a de que no próximo mês seja publicado o edital que se refere à construção de 98 moradias (38 casas e 60 apartamentos), além das manutenções urbanas no Sítio Bom Jesus. As intervenções que já possuem 20% das obras executadas têm investimento na ordem de R$ 14,4 milhões. “No momento, estamos executando revisão de todos os projetos de engenharia, já que a maioria deles apresentava uma deficiência, para que até em setembro todos sejam licitados”, explicou o secretário.

Conforme projeção feita por Neto, se o processo correr como previsto pela administração municipal, todas as obras devem ser concluídas em prazo de um ano e meio.

Em março, o Diário chegou a publicar reportagem com o drama das famílias que aguardavam as melhorias prometidas na área de manancial pela Prefeitura de São Bernardo.

À época, no canteiro de obras era possível notar a depredação das edificações que já tinham sido erguidas. Além disso, muitos moradores reclamavam de viver com o benefício do auxílio aluguel.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;