Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 12 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Luiza Tomé não quer mais voar


Márcio Maio
Da TV Press

23/09/2007 | 07:12


Quando recebeu a sinopse de Luz do Sol, da Record, Luiza Tomé percebeu que ela e Stella, sua personagem na novela de Ana Maria Moretzsohn, teriam várias características em comum. Entre elas, sua determinação ao correr atrás das suas realizações e procurar ao máximo manter o bem-estar de sua família. Afinal, foi exatamente isso que a levou para a emissora.

Na época em que recebeu o convite para assinar um contrato longo, pretendia fugir da ponte-aérea, já que gravaria Cidadão Brasileiro em São Paulo, onde mora. Mas seus planos foram por água abaixo. Agora, em sua segunda novela na Record, a atriz não se mostra nada feliz com suas idas e vindas para a capital fluminense.

“Tinha esperança de que isso não fosse acontecer, mas depois disseram que aquela era a última obra produzida lá”, lembra, contrariada.

Qual é a grande diferença entre a Stella de Luz do Sol e suas outras personagens de sua carreira?
LUIZA TOMÉ – É um detalhe engraçado porque a maternidade entrou na minha vida tarde e acho que estou vivendo uma fase assim na TV. A Stella é uma mãe que, mesmo na época em que nem tinha certeza de que a filha estava viva, não perdia a esperança de encontrá-la.

Em Cidadão Brasileiro, seu personagem também tinha problemas com a filha. Por que agora é tão diferente?
LUIZA – Apesar de ser uma história de época, em Cidadão Brasileiro eu fazia uma mãe que se apaixonava pelo mesmo homem que a filha. E ele era bem mais novo. Agora estou trabalhando em cima de um conflito que não envolve questões de sensualidade, carnais. Desta vez é muito mais denso, estamos falando de uma criança que sumiu ainda pequena e volta adulta. São várias emoções misturadas em uma mesma mulher. Tem o desespero da procura, a alegria ao encontrar a menina, o sofrimento na hora de tentar ser aceita. Estou muito feliz com esse trabalho.

Você mora em São Paulo e quando assinou contrato longo com a Record disse que o fato da emissora gravar lá tinha sido decisivo. A mudança dos estúdios para o Rio causou arrependimento?
LUIZA – Isso foi muito triste. Não vou mentir, tinha esperança de que a emissora mantivesse um núcleo de teledramaturgia em São Paulo. É ruim, porque fico longe dos meus filhos, morrendo de saudades deles. Não gosto nem de falar nessas coisas, me bate uma sensação ruim. O que acontece é que, quando tenho um tempo livre, viajo direto e nem pego nos textos da novela. Já tive a oportunidade de tentar uma outra área e trabalhar perto de casa, mas não achei que seria o momento. Estou esperando para ver o que acontece.

Qual foi essa oportunidade?
LUIZA – Tenho um projeto de um programa para a TV, uma sitcom. Não sei se foi por isso, mas o SBT chegou a me convidar para ser apresentadora. Até ficaria empolgada, mas a proposta deles era um programa diário, matinal. Desses que a gente vê aos montes na TV aberta. Acabei assinando com a Record para a novela, me identifiquei mais. Estou esperando o momento certo para colocar em prática os meus planos e, quem sabe, ter uma rotina mais tranqüila.

Quando você assinou com a Record, chegou a mencionar esses planos para a emissora?
LUIZA – Sempre deixo isso no ar, mas acho que ainda não está na hora de trabalhar em cima. A Record tem um excelente espaço para esse tipo de programação e pode render algo bacana. Mas se não der aqui, não tem problema. É um formato que se encaixaria bem em qualquer emissora do país, aberta ou paga.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Luiza Tomé não quer mais voar

Márcio Maio
Da TV Press

23/09/2007 | 07:12


Quando recebeu a sinopse de Luz do Sol, da Record, Luiza Tomé percebeu que ela e Stella, sua personagem na novela de Ana Maria Moretzsohn, teriam várias características em comum. Entre elas, sua determinação ao correr atrás das suas realizações e procurar ao máximo manter o bem-estar de sua família. Afinal, foi exatamente isso que a levou para a emissora.

Na época em que recebeu o convite para assinar um contrato longo, pretendia fugir da ponte-aérea, já que gravaria Cidadão Brasileiro em São Paulo, onde mora. Mas seus planos foram por água abaixo. Agora, em sua segunda novela na Record, a atriz não se mostra nada feliz com suas idas e vindas para a capital fluminense.

“Tinha esperança de que isso não fosse acontecer, mas depois disseram que aquela era a última obra produzida lá”, lembra, contrariada.

Qual é a grande diferença entre a Stella de Luz do Sol e suas outras personagens de sua carreira?
LUIZA TOMÉ – É um detalhe engraçado porque a maternidade entrou na minha vida tarde e acho que estou vivendo uma fase assim na TV. A Stella é uma mãe que, mesmo na época em que nem tinha certeza de que a filha estava viva, não perdia a esperança de encontrá-la.

Em Cidadão Brasileiro, seu personagem também tinha problemas com a filha. Por que agora é tão diferente?
LUIZA – Apesar de ser uma história de época, em Cidadão Brasileiro eu fazia uma mãe que se apaixonava pelo mesmo homem que a filha. E ele era bem mais novo. Agora estou trabalhando em cima de um conflito que não envolve questões de sensualidade, carnais. Desta vez é muito mais denso, estamos falando de uma criança que sumiu ainda pequena e volta adulta. São várias emoções misturadas em uma mesma mulher. Tem o desespero da procura, a alegria ao encontrar a menina, o sofrimento na hora de tentar ser aceita. Estou muito feliz com esse trabalho.

Você mora em São Paulo e quando assinou contrato longo com a Record disse que o fato da emissora gravar lá tinha sido decisivo. A mudança dos estúdios para o Rio causou arrependimento?
LUIZA – Isso foi muito triste. Não vou mentir, tinha esperança de que a emissora mantivesse um núcleo de teledramaturgia em São Paulo. É ruim, porque fico longe dos meus filhos, morrendo de saudades deles. Não gosto nem de falar nessas coisas, me bate uma sensação ruim. O que acontece é que, quando tenho um tempo livre, viajo direto e nem pego nos textos da novela. Já tive a oportunidade de tentar uma outra área e trabalhar perto de casa, mas não achei que seria o momento. Estou esperando para ver o que acontece.

Qual foi essa oportunidade?
LUIZA – Tenho um projeto de um programa para a TV, uma sitcom. Não sei se foi por isso, mas o SBT chegou a me convidar para ser apresentadora. Até ficaria empolgada, mas a proposta deles era um programa diário, matinal. Desses que a gente vê aos montes na TV aberta. Acabei assinando com a Record para a novela, me identifiquei mais. Estou esperando o momento certo para colocar em prática os meus planos e, quem sabe, ter uma rotina mais tranqüila.

Quando você assinou com a Record, chegou a mencionar esses planos para a emissora?
LUIZA – Sempre deixo isso no ar, mas acho que ainda não está na hora de trabalhar em cima. A Record tem um excelente espaço para esse tipo de programação e pode render algo bacana. Mas se não der aqui, não tem problema. É um formato que se encaixaria bem em qualquer emissora do país, aberta ou paga.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;