Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Outra área em Paulínia pode ter sido contaminada


Do Diário OnLine

06/05/2001 | 18:40


Outra área em Paulínia pode ter sido contaminada, desta vez por uma indústria de adubos e fetilizantes. A Nutriplant, que fica no bairro Betel, teria contaminado a água e o solo da região com zinco, cobre, manganês, ferro e boro. Cerca de 50 moradores, que residem próximo á fábrica, correm risco de contaminação pelos metais pesados e podem ter problemas de saúde no futuro.

A denúncia da contaminação foi protocolada no Ministério Público no ano passado. Um inquérito aberto para apurar o caso já conta com laudos da Unicamp e da Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz (Esalq), de Piracicaba, confirmando a existência desses metais na região da fábrica.

A empresa nega a contaminação, alegando que não fabrica produtos tóxicos. A Nutriplant ainda diz que os laudos não são conclusivos e que já foram tomadas as providências para qualquer tipo de contaminação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Outra área em Paulínia pode ter sido contaminada

Do Diário OnLine

06/05/2001 | 18:40


Outra área em Paulínia pode ter sido contaminada, desta vez por uma indústria de adubos e fetilizantes. A Nutriplant, que fica no bairro Betel, teria contaminado a água e o solo da região com zinco, cobre, manganês, ferro e boro. Cerca de 50 moradores, que residem próximo á fábrica, correm risco de contaminação pelos metais pesados e podem ter problemas de saúde no futuro.

A denúncia da contaminação foi protocolada no Ministério Público no ano passado. Um inquérito aberto para apurar o caso já conta com laudos da Unicamp e da Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz (Esalq), de Piracicaba, confirmando a existência desses metais na região da fábrica.

A empresa nega a contaminação, alegando que não fabrica produtos tóxicos. A Nutriplant ainda diz que os laudos não são conclusivos e que já foram tomadas as providências para qualquer tipo de contaminação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;