Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Aumento na gasolina já reflete nos serviços de aplicativo de transporte

Claudinei Plaza/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Combustível registrou 51% de acréscimo no ano, o que prejudica motoristas e passageiros, que precisam esperar mais por viagem


Yara Ferraz

13/08/2021 | 07:24


A gasolina teve mais um reajuste, de 3,33%, e já acumula alta de 51% no ano, somente com os anúncios da Petrobras. Na região, com o último acréscimo, o preço médio dos combustíveis nas bombas deve chegar a R$ 5,56 o litro. Os constantes aumentos nos preços também estão repercutindo nos aplicativos de transporte, com ônus para os usuários e motoristas.

De acordo com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), levantados pelo Diário, a média do preço do combustível na região é de R$ 5,48, podendo chegar a R$ 5,99 (veja mais informações na arte ao lado). A estimativa do Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ABCDMRR) é a de que o último aumento represente acréscimo de aproximadamente R$ 0,08.

Para quem trabalha com aplicativos de transporte, as altas já pesam e os passageiros vêm notando a redução em número de carros ou demora para conseguir uma viagem.

O motorista Guilherme Paes Teixeira, 29 anos, morador de Mauá, trabalhava cerca de oito horas por dia antes da pandemia. Agora, para ganhar a mesma coisa, chega a ficar até 14 horas nas ruas. “Depende da dinâmica de cada motorista, mas alguns já recusam viagens curtas, porque acaba não valendo a pena. No horário de pico, as longas também acabam não compensando, porque a gente gasta muito combustível. Está complicado”, disse ele, que recusou uma viagem para Santo Amaro enquanto era entrevistado. “Antes, a gente separava 30% do que ganhava para o combustível e agora já está chegando à metade.”

Marcos José Vitor, 36, morador de Diadema, também relatou a alta de custos. “Certas corridas não estão sendo mais vantajosas. A minha sorte é que meu carro é econômico, mas, mesmo assim, uma corrida curta em horário de pico acaba dando mais gastos.”

Questionada sobre o assunto, a Amobitec (Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia) afirmou que as plataformas têm como uma das principais características a flexibilidade de engajamento dos motoristas, que podem escolher livremente os dias e horários que preferem atuar, podendo ligar ou desligar os aplicativos a qualquer momento. “O que tem provocado o maior tempo de espera, em algumas cidades e horários, é o aumento exponencial da demanda por corridas, levando a um desequilíbrio temporário entre a oferta e a demanda no mercado”, afirmou em nota.

Segundo a Amobitec, as empresas associadas, incluindo a Uber, que validou a resposta de acordo com a da associação, têm atuado dentro de suas características e implementado medidas para preservar o equilíbrio de mercado.

A 99 também justificou com o aumento da demanda, mas acrescentou o “contexto nacional de constantes aumentos no valor dos combustíveis, especialmente este ano”. A empresa afirmou que fez parceria com a Shell, o que já garantiu mais de R$ 3,1 milhões em desconto nos postos da rede, neste ano, e também está, em datas estratégicas, zerando as taxas aplicadas nas corridas, ou seja, 100% do valor é repassado ao motorista parceiro.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;