Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros e royalties fazem reservas caírem US$ 882 milhões em maio


Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

21/06/2005 | 17:19


Mesmo com a emissão de US$ 500 milhões em títulos, as reservas internacionais do Brasil caíram US$ 882 milhões no mês passado. As principais causas foram o pagamento, em maio, de US$ 310 milhões para o FMI (Fundo Monetário Internacional), juros da dívida externa de US$ 177 milhões relativos a bônus e US$ 117 milhões com remuneração das reservas.

Mas o principal rombo nas reservas continua sendo os gastos de mais US$ 829 milhões em royalties — que são direitos autorais sobre invenções científicas — e licenças de marcas estrangeiras, transportes lá fora, viagens, aluguel de equipamentos.

As chamadas reservas externas são feitas em dólar pelo Tesouro Nacional para cumprir os pagamentos do país no exterior – tanto de dívida externa, quanto de importação. As reservas acabam sendo usadas por investidores internacionais como referência de segurança dos países.

No mês de abril, o Brasil tinha US$ 61,591 bilhões em reservas, que caíram para US$ 60,709 bilhões no mês passado. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pelo Banco Central. A captação de dólares no mês de maio foi feita pela emissão de US$ 500 milhões captados com o lançamento do bônus soberano Global-2019. Mas a entrada desse valor, não compensou as saídas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros e royalties fazem reservas caírem US$ 882 milhões em maio

Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

21/06/2005 | 17:19


Mesmo com a emissão de US$ 500 milhões em títulos, as reservas internacionais do Brasil caíram US$ 882 milhões no mês passado. As principais causas foram o pagamento, em maio, de US$ 310 milhões para o FMI (Fundo Monetário Internacional), juros da dívida externa de US$ 177 milhões relativos a bônus e US$ 117 milhões com remuneração das reservas.

Mas o principal rombo nas reservas continua sendo os gastos de mais US$ 829 milhões em royalties — que são direitos autorais sobre invenções científicas — e licenças de marcas estrangeiras, transportes lá fora, viagens, aluguel de equipamentos.

As chamadas reservas externas são feitas em dólar pelo Tesouro Nacional para cumprir os pagamentos do país no exterior – tanto de dívida externa, quanto de importação. As reservas acabam sendo usadas por investidores internacionais como referência de segurança dos países.

No mês de abril, o Brasil tinha US$ 61,591 bilhões em reservas, que caíram para US$ 60,709 bilhões no mês passado. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pelo Banco Central. A captação de dólares no mês de maio foi feita pela emissão de US$ 500 milhões captados com o lançamento do bônus soberano Global-2019. Mas a entrada desse valor, não compensou as saídas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;