Fechar
Publicidade

Sábado, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump pede por financiamento a Forças Armadas em discurso



31/01/2018 | 02:10


A segurança dos Estados Unidos também foi um dos temas abordados pelo presidente americano, Donald Trump, durante o discurso sobre o Estado da União. O republicano pediu que o Congresso ajude seu governo a defender o país ao exortar pelo financiamento às Forças Armadas.

Na reta final do discurso, Trump afirmou que, como parte da defesa dos EUA, "precisamos modernizar nosso arsenal nuclear". Como justificativa, o presidente citou Moscou e Pequim, ao dizer que "rivais como Rússia e China desafiam nossa economia e nossos valores".

Além disso, o presidente elogiou o trabalho feito pelo secretário de Defesa, James Mattis, e comentou que assinou um decreto que mantém a Baía de Guantánamo aberta, anulando um decreto assinado em 2009 pelo ex-presidente Barack Obama, que prometeu fechar o centro de detenção. Antes de assumir o cargo, Trump criticou os esforços do governo Obama de reduzir a população carcerária no centro de detenção.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump pede por financiamento a Forças Armadas em discurso


31/01/2018 | 02:10


A segurança dos Estados Unidos também foi um dos temas abordados pelo presidente americano, Donald Trump, durante o discurso sobre o Estado da União. O republicano pediu que o Congresso ajude seu governo a defender o país ao exortar pelo financiamento às Forças Armadas.

Na reta final do discurso, Trump afirmou que, como parte da defesa dos EUA, "precisamos modernizar nosso arsenal nuclear". Como justificativa, o presidente citou Moscou e Pequim, ao dizer que "rivais como Rússia e China desafiam nossa economia e nossos valores".

Além disso, o presidente elogiou o trabalho feito pelo secretário de Defesa, James Mattis, e comentou que assinou um decreto que mantém a Baía de Guantánamo aberta, anulando um decreto assinado em 2009 pelo ex-presidente Barack Obama, que prometeu fechar o centro de detenção. Antes de assumir o cargo, Trump criticou os esforços do governo Obama de reduzir a população carcerária no centro de detenção.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;