Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Jornais russos advertem sobre ameaça de um novo Rasputin


Do Diário do Grande ABC

01/06/1999 | 10:09


Um misterioso empresário chamado Roman Abramovich foi apresentado nos últimos dias pelos meios de comunicaçao russos como o novo cérebro do ``cla do Kremlin'', com suficiente poder sobre o chefe de Estado, Boris Yeltsin, para influenciar suas decisoes.

Abramovich é o diretor da filial moscovita da empresa petroleira russa Sibneft. Este homem que jamais aparece em público e cujo rosto é desconhecido ocupa esta terça-feira a primeira página de vários jornais russos, que o consideram o ``inspirador'' do governo formado esta semana.

A revista Versia promete uma recompensa em dinheiro para quem lhe conseguir uma foto do magnata.

``Roman Abramovich tornou-se uma figura chave entre os assessores de Boris Yeltsin, tendo chegado a deixar em segundo plano o próprio Boris Berezovski'', um influente multimilionário, considerado até agora como a eminência parda do Kremlin, afirmou no último domingo a televisao russa NTV, financiada por outro magnata, Vladimir Gusinski, intrigado com Berezovski.

Os meios de comunicaçao vêem facilmente a sombra de Grigori Rasputin - o favorito do czar Nicolau II e sua esposa -, toda vez que os poderes de algumas autoridades lhes parecem pouco claras. De Guennadi Burbulis, ``secretário de Estado'' em 1991-92, vinculado a Yeltsin, até o ``sulfuroso'' Berezovski nos últimos meses, passando pelo general Korkakov, até 1996, seguido pelo reformista radical Anatoli Chubais.

``Muitas pessoas que foram convidadas nos últimos dias ao Kremlin dizem que praticamente teriam de prestar juramento a Abramovich'' para obter uma Pasta ministerial, afirma por sua parte o jornal Izvestia.

Nesta terça, o jornal Vremia assegurou que, segundo o Kremlin, ``nunca nenhum Abramovich teve algo que ver com a formaçao do governo''. Mas era muito tarde e campanha dos meios de comunicaçao denunciando a existência de um novo Rasputin já tinha sido lançada.

O Kremlin conta com Abramovh para ``mobilizar todos os recursos necessários e para que o ganhador das próximas eleiçoes presidenciais garanta a segurança pessoal de Boris Yeltsin e de todos seus colaboradores'', afirmou NTV, insinuando que a família de Yeltsin tem medo de ser maltratada pelo próximo governo.

O papel de Roman Abramovich como ``banqueiro da família presidencial'' foi evocado publicamente uma só vez, em 1996, por outro ``homem influente'' no Kremlin, Alexander Korkakov, que depois foi destituído.

Roman Abramovich deve sua carreira a Boris Berezovski. Inicialmente era um modesto homem de negócios, acusado de ter revendido 25 tanques de combustível de uma unidade militar russa a uma empresa leta em 1992. A investigaçao se perdeu nos trâmites burocráticos dos dois países.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Jornais russos advertem sobre ameaça de um novo Rasputin

Do Diário do Grande ABC

01/06/1999 | 10:09


Um misterioso empresário chamado Roman Abramovich foi apresentado nos últimos dias pelos meios de comunicaçao russos como o novo cérebro do ``cla do Kremlin'', com suficiente poder sobre o chefe de Estado, Boris Yeltsin, para influenciar suas decisoes.

Abramovich é o diretor da filial moscovita da empresa petroleira russa Sibneft. Este homem que jamais aparece em público e cujo rosto é desconhecido ocupa esta terça-feira a primeira página de vários jornais russos, que o consideram o ``inspirador'' do governo formado esta semana.

A revista Versia promete uma recompensa em dinheiro para quem lhe conseguir uma foto do magnata.

``Roman Abramovich tornou-se uma figura chave entre os assessores de Boris Yeltsin, tendo chegado a deixar em segundo plano o próprio Boris Berezovski'', um influente multimilionário, considerado até agora como a eminência parda do Kremlin, afirmou no último domingo a televisao russa NTV, financiada por outro magnata, Vladimir Gusinski, intrigado com Berezovski.

Os meios de comunicaçao vêem facilmente a sombra de Grigori Rasputin - o favorito do czar Nicolau II e sua esposa -, toda vez que os poderes de algumas autoridades lhes parecem pouco claras. De Guennadi Burbulis, ``secretário de Estado'' em 1991-92, vinculado a Yeltsin, até o ``sulfuroso'' Berezovski nos últimos meses, passando pelo general Korkakov, até 1996, seguido pelo reformista radical Anatoli Chubais.

``Muitas pessoas que foram convidadas nos últimos dias ao Kremlin dizem que praticamente teriam de prestar juramento a Abramovich'' para obter uma Pasta ministerial, afirma por sua parte o jornal Izvestia.

Nesta terça, o jornal Vremia assegurou que, segundo o Kremlin, ``nunca nenhum Abramovich teve algo que ver com a formaçao do governo''. Mas era muito tarde e campanha dos meios de comunicaçao denunciando a existência de um novo Rasputin já tinha sido lançada.

O Kremlin conta com Abramovh para ``mobilizar todos os recursos necessários e para que o ganhador das próximas eleiçoes presidenciais garanta a segurança pessoal de Boris Yeltsin e de todos seus colaboradores'', afirmou NTV, insinuando que a família de Yeltsin tem medo de ser maltratada pelo próximo governo.

O papel de Roman Abramovich como ``banqueiro da família presidencial'' foi evocado publicamente uma só vez, em 1996, por outro ``homem influente'' no Kremlin, Alexander Korkakov, que depois foi destituído.

Roman Abramovich deve sua carreira a Boris Berezovski. Inicialmente era um modesto homem de negócios, acusado de ter revendido 25 tanques de combustível de uma unidade militar russa a uma empresa leta em 1992. A investigaçao se perdeu nos trâmites burocráticos dos dois países.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;