Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Técnica criada em SP cura arritmia cardíaca



24/05/2005 | 00:13


Um eletrodo finíssimo, de 2 milímetros de diâmetro, é introduzido numa das veias da perna direita para chegar ao coração. A técnica e a precisão podem nem impressionar aos médicos, se comparada à parafernália usada em cardiopatias, mas é capaz de um feito inédito, o de curar arritmias graves de grande incidência na população, sem remédios nem marcapassos. Uma boa notícia: a técnica é brasileira e recebeu neste mês o aval internacional no Congresso Heart Rhythm Society 2005 (Congresso da Sociedade de Ritmo Cardíaco), em New Orleans, EUA, um dos mais importantes na área.

O método premiado, desenvolvido por cardiologistas do Serviço de Arritmias do HCor (Hospital do Coração), em São Paulo, tem o nome de cardioneuroablação. A palavra intricada traduz, na verdade, um procedimento simples, que é o de cauterizar parte das ramificações de um nervo (o nervo vago) que causa um tipo de parada cardíaca. Trata-se de uma arritmia chamada pelos médicos de síncope vaso-vagal. "Cerca de 70% já tiveram ou vão ter pelo menos uma vez essa arritmia", conta o cardiologista José Carlos Pachón Mateos, chefe do Serviço de Arritmia do HCor e responsável pela invenção. A maior incidência é entre os que têm de 15 a 45 anos.

A técnica consiste na introdução de um eletrodo pela veia femural da perna direita, que segue até o coração. Ao se aproximar dele, um gerador de radiofreqência manda pelo eletrodo sinais elétricos, que queimam parte das ramificações (de 30% a 60%) do nervo vago, o responsável pela arritmia vago-vagal.

A função do nervo vago é levar informações do cérebro ao coração. Uma delas é reduzir o trabalho do coração quando há sinal de perigo para o organismo, como stress ou ferimentos. Ele entende que a redução dos batimentos cardíacos diminui a pressão arterial. Ou, então, em caso de ferimentos, reduz a intensidade de hemorragias, já que passa a bombear menos sangue nessa condição.

Só que em algumas pessoas, essa redução significa uma rápida parada cardíaca. Dependendo da duração, pode-se ter um rápido mal-estar ou até um desmaio. "Bastam 10 segundos com o coração parado para a pessoa desmaiar. Acima de 3 minutos, já causa danos irreversíveis ao cérebro."

Os sintomas da doença são mal-estar, tontura, escurecimento da visão e rápidos desmaios. Os casos passam a ser considerados graves a partir do momento em que o paciente tem desmaios. O diagnóstico é feito pela avaliação clínica e por um exame chamado Tilt Test (ou teste da mesa inclinada), em que o paciente é amarrado em uma mesa basculante que permite avaliá-lo em várias inclinações, enquanto se registra a pressão arterial e o ritmo cardíaco.

Outro avanço da técnica brasileira é ter criado um método para localizar as terminações do nervo vago na parte interna das paredes cardíacas, por meio de mapeamento computadorizado. Quando o nervo chega ao coração, ele se espalha em grande quantidade de ramificações invisíveis a olho nu, como se abraçasse o órgão.

A mesma equipe do HCor construiu um aparelho que identifica exatamente os pontos de penetração das ramificações do nervo vago por meio da análise do comprimento das ondas enviadas pelos batimentos cardíacos, os médicos descobrem onde estão as ramificações do nervo. Antes da técnica só era possível localizar os pontos com exames feitos depois da morte do paciente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Técnica criada em SP cura arritmia cardíaca


24/05/2005 | 00:13


Um eletrodo finíssimo, de 2 milímetros de diâmetro, é introduzido numa das veias da perna direita para chegar ao coração. A técnica e a precisão podem nem impressionar aos médicos, se comparada à parafernália usada em cardiopatias, mas é capaz de um feito inédito, o de curar arritmias graves de grande incidência na população, sem remédios nem marcapassos. Uma boa notícia: a técnica é brasileira e recebeu neste mês o aval internacional no Congresso Heart Rhythm Society 2005 (Congresso da Sociedade de Ritmo Cardíaco), em New Orleans, EUA, um dos mais importantes na área.

O método premiado, desenvolvido por cardiologistas do Serviço de Arritmias do HCor (Hospital do Coração), em São Paulo, tem o nome de cardioneuroablação. A palavra intricada traduz, na verdade, um procedimento simples, que é o de cauterizar parte das ramificações de um nervo (o nervo vago) que causa um tipo de parada cardíaca. Trata-se de uma arritmia chamada pelos médicos de síncope vaso-vagal. "Cerca de 70% já tiveram ou vão ter pelo menos uma vez essa arritmia", conta o cardiologista José Carlos Pachón Mateos, chefe do Serviço de Arritmia do HCor e responsável pela invenção. A maior incidência é entre os que têm de 15 a 45 anos.

A técnica consiste na introdução de um eletrodo pela veia femural da perna direita, que segue até o coração. Ao se aproximar dele, um gerador de radiofreqência manda pelo eletrodo sinais elétricos, que queimam parte das ramificações (de 30% a 60%) do nervo vago, o responsável pela arritmia vago-vagal.

A função do nervo vago é levar informações do cérebro ao coração. Uma delas é reduzir o trabalho do coração quando há sinal de perigo para o organismo, como stress ou ferimentos. Ele entende que a redução dos batimentos cardíacos diminui a pressão arterial. Ou, então, em caso de ferimentos, reduz a intensidade de hemorragias, já que passa a bombear menos sangue nessa condição.

Só que em algumas pessoas, essa redução significa uma rápida parada cardíaca. Dependendo da duração, pode-se ter um rápido mal-estar ou até um desmaio. "Bastam 10 segundos com o coração parado para a pessoa desmaiar. Acima de 3 minutos, já causa danos irreversíveis ao cérebro."

Os sintomas da doença são mal-estar, tontura, escurecimento da visão e rápidos desmaios. Os casos passam a ser considerados graves a partir do momento em que o paciente tem desmaios. O diagnóstico é feito pela avaliação clínica e por um exame chamado Tilt Test (ou teste da mesa inclinada), em que o paciente é amarrado em uma mesa basculante que permite avaliá-lo em várias inclinações, enquanto se registra a pressão arterial e o ritmo cardíaco.

Outro avanço da técnica brasileira é ter criado um método para localizar as terminações do nervo vago na parte interna das paredes cardíacas, por meio de mapeamento computadorizado. Quando o nervo chega ao coração, ele se espalha em grande quantidade de ramificações invisíveis a olho nu, como se abraçasse o órgão.

A mesma equipe do HCor construiu um aparelho que identifica exatamente os pontos de penetração das ramificações do nervo vago por meio da análise do comprimento das ondas enviadas pelos batimentos cardíacos, os médicos descobrem onde estão as ramificações do nervo. Antes da técnica só era possível localizar os pontos com exames feitos depois da morte do paciente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;