Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Brasileiros aprovam ensino público



24/05/2005 | 00:13


A avaliação que os pais de alunos fazem das escolas públicas é muito melhor do que a imagem tradicionalmente atribuída a elas. A primeira pesquisa sobre a qualidade das escolas feita pelo Inep (Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas em Educação) do Ministério da Educação mostra que os pais dão nota 8 para as instalações e para a organização da escola, apesar de acharem que está muito fácil e reclamarem da falta de computadores.

A pesquisa foi feita com 10 mil pais de alunos em escolas públicas de ensino fundamental de todos os Estados, mas apenas em áreas urbanas. O fato de as escolas rurais – normalmente as que ficam mais longe e têm a pior infra-estrutura – terem ficado de fora pode ter influenciado no resultado geral da pesquisa. A localização foi justamente o quesito que teve a melhor nota média entre os 11 pontos perguntados, 8,7.

Na primeira parte da pesquisa, em que foram feitos grupos de discussão com pais, a localização das escolas também havia sido o ponto mais elogiado. "Isso é um reflexo do crescimento extraordinário do número de escolas que aconteceu no país nos últimos anos", disse Carlos Henrique Araújo, diretor de avaliação da educação básica do Inep.

Falta – Os pais também classificam bem o atendimento nas secretarias das escolas e a higiene das cozinhas. As piores notas são dadas para os laboratórios de informática – ou melhor, para a falta deles – para as bibliotecas e para as quadras de esportes. Muitas escolas brasileiras, especialmente as menores, não têm bibliotecas ou quadras, muito menos computadores para uso dos alunos.

A percepção de que a escola pública é boa, dada pelos pais, contrasta com as imagens comuns de escolas sem materiais ou professores e de problemas de aprendizagem. Essa diferença pode ser explicada, pelo menos em parte, pelo perfil dos pais dos alunos e pela expectativa que eles têm da escola. A maioria tem renda inferior a dois salários-mínimos e não tem nem mesmo o ensino fundamental completo.

"Os resultados não significam que a escola seja boa, mas que é importante para esses pais. Temos que relativizar os resultados", disse o presidente do Inep, Eliezer Pacheco.

A pesquisa mostra que os pais, em sua maioria, consideram a escola dos filhos muito melhor do que a que eles estudaram. No entanto, mostra, também, que eles têm consciência de que as escolas particulares, de um modo geral, são melhores. Durante a apresentação da pesquisa, o Inep não mostrou as respostas que faziam a comparação entre os dois tipos de escola, mas os resultados estão no resumo técnico da pesquisa.

Violência – A pesquisa mostra ainda que a violência também é um problema. Apesar de a maioria dos pais responderem negativamente sobre existência de delitos nas escolas, o percentual daqueles que sabe de ocorrências é maior do que se deveria esperar. As brigas são os maiores problemas, segundo os pais: 52% deles responderam que elas são constantes nas escolas. Outros 28,6% dizem que a violência atrapalha o funcionamento da escola e 30% que existem roubos nas escolas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasileiros aprovam ensino público


24/05/2005 | 00:13


A avaliação que os pais de alunos fazem das escolas públicas é muito melhor do que a imagem tradicionalmente atribuída a elas. A primeira pesquisa sobre a qualidade das escolas feita pelo Inep (Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas em Educação) do Ministério da Educação mostra que os pais dão nota 8 para as instalações e para a organização da escola, apesar de acharem que está muito fácil e reclamarem da falta de computadores.

A pesquisa foi feita com 10 mil pais de alunos em escolas públicas de ensino fundamental de todos os Estados, mas apenas em áreas urbanas. O fato de as escolas rurais – normalmente as que ficam mais longe e têm a pior infra-estrutura – terem ficado de fora pode ter influenciado no resultado geral da pesquisa. A localização foi justamente o quesito que teve a melhor nota média entre os 11 pontos perguntados, 8,7.

Na primeira parte da pesquisa, em que foram feitos grupos de discussão com pais, a localização das escolas também havia sido o ponto mais elogiado. "Isso é um reflexo do crescimento extraordinário do número de escolas que aconteceu no país nos últimos anos", disse Carlos Henrique Araújo, diretor de avaliação da educação básica do Inep.

Falta – Os pais também classificam bem o atendimento nas secretarias das escolas e a higiene das cozinhas. As piores notas são dadas para os laboratórios de informática – ou melhor, para a falta deles – para as bibliotecas e para as quadras de esportes. Muitas escolas brasileiras, especialmente as menores, não têm bibliotecas ou quadras, muito menos computadores para uso dos alunos.

A percepção de que a escola pública é boa, dada pelos pais, contrasta com as imagens comuns de escolas sem materiais ou professores e de problemas de aprendizagem. Essa diferença pode ser explicada, pelo menos em parte, pelo perfil dos pais dos alunos e pela expectativa que eles têm da escola. A maioria tem renda inferior a dois salários-mínimos e não tem nem mesmo o ensino fundamental completo.

"Os resultados não significam que a escola seja boa, mas que é importante para esses pais. Temos que relativizar os resultados", disse o presidente do Inep, Eliezer Pacheco.

A pesquisa mostra que os pais, em sua maioria, consideram a escola dos filhos muito melhor do que a que eles estudaram. No entanto, mostra, também, que eles têm consciência de que as escolas particulares, de um modo geral, são melhores. Durante a apresentação da pesquisa, o Inep não mostrou as respostas que faziam a comparação entre os dois tipos de escola, mas os resultados estão no resumo técnico da pesquisa.

Violência – A pesquisa mostra ainda que a violência também é um problema. Apesar de a maioria dos pais responderem negativamente sobre existência de delitos nas escolas, o percentual daqueles que sabe de ocorrências é maior do que se deveria esperar. As brigas são os maiores problemas, segundo os pais: 52% deles responderam que elas são constantes nas escolas. Outros 28,6% dizem que a violência atrapalha o funcionamento da escola e 30% que existem roubos nas escolas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;