Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

'FMI só serve a países desenvolvidos', diz prêmio Nobel


Das Agências

09/08/2002 | 11:00


O economista norte-americano Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia em 2001, criticou o Fundo Monetário Internacional (FMI), cuja política, segundo ele, "só serve aos interesses dos mercados financeiros e dos países industrializados", em particular os Estados Unidos.

Em uma entrevista publicada nesta sexta no jornal francês "Le Figaro", Stiglitz considerou que o FMI "não responde às preocupações reais do mundo em vias de desenvolvimento".

"Os países industrializados, principalmente os Estados Unidos, são fervorosos defensores da liberalização do comércio. Entretanto, este comércio mundial é muito assimétrico e injusto", disse ele.

"Pressionado pelos países desenvolvidos, o sul abre suas fronteiras e elimina as subvenções e o norte continua proibindo a entrada dos produtos procedentes do sul e mantém as subvenções para defender seus próprios produtos", explicou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'FMI só serve a países desenvolvidos', diz prêmio Nobel

Das Agências

09/08/2002 | 11:00


O economista norte-americano Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia em 2001, criticou o Fundo Monetário Internacional (FMI), cuja política, segundo ele, "só serve aos interesses dos mercados financeiros e dos países industrializados", em particular os Estados Unidos.

Em uma entrevista publicada nesta sexta no jornal francês "Le Figaro", Stiglitz considerou que o FMI "não responde às preocupações reais do mundo em vias de desenvolvimento".

"Os países industrializados, principalmente os Estados Unidos, são fervorosos defensores da liberalização do comércio. Entretanto, este comércio mundial é muito assimétrico e injusto", disse ele.

"Pressionado pelos países desenvolvidos, o sul abre suas fronteiras e elimina as subvenções e o norte continua proibindo a entrada dos produtos procedentes do sul e mantém as subvenções para defender seus próprios produtos", explicou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;