Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Reforma ministerial de Temer começa pela AGU



09/09/2016 | 00:26


A aguardada reforma ministerial do presidente Michel Temer está prevista para começar pela Advocacia Geral da União (AGU). No Planalto, a saída do advogado Fábio Medina Osório é dada como certa. As justificativas são variadas e vão desde que ele nunca conseguiu se firmar no cargo, tem dificuldade de diálogar com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e enfrenta problemas internos na AGU, sendo alvo de inúmeras queixas, muitas delas levadas ao palácio.

De acordo com um interlocutor do presidente, não é possível deixar um cargo tão estratégico para o governo numa situação delicada. O presidente Temer ainda não conversou com Osório, mas ele já foi avisado sobre sua saída pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, com quem teve uma dura conversa nesta quinta-feira.

Procurada, a assessoria de Osório não quis comentar a possibilidade de sua saída. Na verdade, o ministro ainda tem esperanças que ser chamado pelo presidente Michel Temer para uma conversa, o que não deverá acontecer.

Uma das primeiras críticas a Osório foi o fato de ele ter sugerido estratégias que se revelaram ineficientes e equivocadas no caso da substituição do presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Ricardo Melo, no início da interinidade do presidente Temer, o que gerou uma série de problemas ao governo na estatal. Tais questões estão, aparentemente, resolvidas com a suspensão da liminar concedida pelo ministro Dias Toffoli, do STF, permitindo que Melo se mantivesse à frente da presidência da empresa.

Pouco depois, desagradou também ao Planalto a iniciativa de Osório de investigar a atuação de seu antecessor, José Eduardo Cardozo, criando mais uma frente de atrito. Além disso, ele teria "atropelado" seu padrinho, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, marcando uma "reunião de emergência" com Temer para despachar assuntos de rotina.

Apesar desta movimentação para a saída de Osório da AGU, a reforma ministerial que Temer pretende fazer não deverá ser ampla, apenas pontual. (Tânia Monteiro)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reforma ministerial de Temer começa pela AGU


09/09/2016 | 00:26


A aguardada reforma ministerial do presidente Michel Temer está prevista para começar pela Advocacia Geral da União (AGU). No Planalto, a saída do advogado Fábio Medina Osório é dada como certa. As justificativas são variadas e vão desde que ele nunca conseguiu se firmar no cargo, tem dificuldade de diálogar com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e enfrenta problemas internos na AGU, sendo alvo de inúmeras queixas, muitas delas levadas ao palácio.

De acordo com um interlocutor do presidente, não é possível deixar um cargo tão estratégico para o governo numa situação delicada. O presidente Temer ainda não conversou com Osório, mas ele já foi avisado sobre sua saída pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, com quem teve uma dura conversa nesta quinta-feira.

Procurada, a assessoria de Osório não quis comentar a possibilidade de sua saída. Na verdade, o ministro ainda tem esperanças que ser chamado pelo presidente Michel Temer para uma conversa, o que não deverá acontecer.

Uma das primeiras críticas a Osório foi o fato de ele ter sugerido estratégias que se revelaram ineficientes e equivocadas no caso da substituição do presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Ricardo Melo, no início da interinidade do presidente Temer, o que gerou uma série de problemas ao governo na estatal. Tais questões estão, aparentemente, resolvidas com a suspensão da liminar concedida pelo ministro Dias Toffoli, do STF, permitindo que Melo se mantivesse à frente da presidência da empresa.

Pouco depois, desagradou também ao Planalto a iniciativa de Osório de investigar a atuação de seu antecessor, José Eduardo Cardozo, criando mais uma frente de atrito. Além disso, ele teria "atropelado" seu padrinho, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, marcando uma "reunião de emergência" com Temer para despachar assuntos de rotina.

Apesar desta movimentação para a saída de Osório da AGU, a reforma ministerial que Temer pretende fazer não deverá ser ampla, apenas pontual. (Tânia Monteiro)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;