Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Ricardo Costa, de São Caetano, garante ouro na Paraolimpíada

Atleta do salto em distância levou medalha com emoção; nadador Daniel Dias triunfa nos 200 m


Felipe Simões
Do DIário do Grande ABC

09/09/2016 | 07:00


O Brasil começou muito bem a Paraolimpíada do Rio de Janeiro. Logo no primeiro dia de disputas, o País conquistou dois ouros, uma prata e um bronze e está em quinto no quadro de medalhas. E a honra de colocar o Time Brasil no topo do pódio pela primeira vez foi do saltador Ricardo Costa de Oliveira, que treina no Iema (Instituto Elisângela Maria Adriano), de São Caetano, na categoria T11 (cegos totais) do salto em distância.

E a premiação veio com emoção. Ricardo liderava a prova com os 6,41 m obtidos no segundo salto, mas o norte-americano Lex Gillette fez 6,44 m em sua penúltima tentativa. O brasileiro respondeu com 6,43 m, e, mesmo com a pressão do último salto, melhorou sua marca – 6,52 m – e subiu ao lugar mais alto do pódio.

“Senti que o ouro estava perto quando finalizei o salto. No momento que eu saí da caixa de areia, estava muito preocupado em ter queimado”, afirmou. “Hoje (ontem), estou comemorando um resultado que tenho sofrido muito para conquistar”, completou.

Curiosamente, Silvânia Costa de Oliveira, irmã de Ricardo, também salta na categoria T11 e é a atual campeã mundial da prova, além de ter sido eleita atleta paraolímpica de 2015.

O outro ouro do dia ficou com o nadador Daniel Dias, que levou a premiação nos 200 m da classe S5 e se tornou tricampeão da prova. Foi sua 11ª medalha paraolímpica dourada e ele ainda disputará mais oito provas, podendo chegar a 24 pódios na natação masculina e superar o australiano Matthew Cowdrey, que tem 23.

A prata foi de Odair dos Santos nos 5.000 m T11. Houve protesto por parte do Comitê Paraolímpico Brasileiro porque o queniano Samwel Kimani teria competido com a venda fora do lugar, o que é proibido. O apelo não foi aceito.

O bronze ficou com o nadador Ítalo Pereira nos 100 m costas da categoria S7.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ricardo Costa, de São Caetano, garante ouro na Paraolimpíada

Atleta do salto em distância levou medalha com emoção; nadador Daniel Dias triunfa nos 200 m

Felipe Simões
Do DIário do Grande ABC

09/09/2016 | 07:00


O Brasil começou muito bem a Paraolimpíada do Rio de Janeiro. Logo no primeiro dia de disputas, o País conquistou dois ouros, uma prata e um bronze e está em quinto no quadro de medalhas. E a honra de colocar o Time Brasil no topo do pódio pela primeira vez foi do saltador Ricardo Costa de Oliveira, que treina no Iema (Instituto Elisângela Maria Adriano), de São Caetano, na categoria T11 (cegos totais) do salto em distância.

E a premiação veio com emoção. Ricardo liderava a prova com os 6,41 m obtidos no segundo salto, mas o norte-americano Lex Gillette fez 6,44 m em sua penúltima tentativa. O brasileiro respondeu com 6,43 m, e, mesmo com a pressão do último salto, melhorou sua marca – 6,52 m – e subiu ao lugar mais alto do pódio.

“Senti que o ouro estava perto quando finalizei o salto. No momento que eu saí da caixa de areia, estava muito preocupado em ter queimado”, afirmou. “Hoje (ontem), estou comemorando um resultado que tenho sofrido muito para conquistar”, completou.

Curiosamente, Silvânia Costa de Oliveira, irmã de Ricardo, também salta na categoria T11 e é a atual campeã mundial da prova, além de ter sido eleita atleta paraolímpica de 2015.

O outro ouro do dia ficou com o nadador Daniel Dias, que levou a premiação nos 200 m da classe S5 e se tornou tricampeão da prova. Foi sua 11ª medalha paraolímpica dourada e ele ainda disputará mais oito provas, podendo chegar a 24 pódios na natação masculina e superar o australiano Matthew Cowdrey, que tem 23.

A prata foi de Odair dos Santos nos 5.000 m T11. Houve protesto por parte do Comitê Paraolímpico Brasileiro porque o queniano Samwel Kimani teria competido com a venda fora do lugar, o que é proibido. O apelo não foi aceito.

O bronze ficou com o nadador Ítalo Pereira nos 100 m costas da categoria S7.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;