Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Edgar Nóbrega renuncia e
PT desiste de ter candidato

Candidato petista renuncia à chapa ao Paço de S.Caetano
cinco dias depois da divulgação de vídeo comprometedor


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

31/08/2012 | 06:56


O vereador do PT de São Caetano, Edgar Nóbrega, renunciou ontem à candidatura à Prefeitura após cinco dias da divulgação de vídeo em que teria negociado com o ex-secretário de Governo Tite Campanella (DEM) fazer oposição de ‘fachada', além de cobrar suposto ‘mensalinho' no Legislativo, como divulgado pelo Diário desde segunda-feira.

A direção municipal da sigla optou por não apresentar substituto no pleito. Assim, é a primeira vez na história que o PT, fundado em 1980, não lança candidato ao Paço em uma das sete cidades do Grande ABC.

Edgar compareceu à sede do PT em São Caetano somente na manhã de ontem e conversou com integrantes do diretório. Vários nomes foram cogitados para a substituição. Os candidatos a vereador Jayme Tortorello, Chicão Ribeiro e João Moraes foram os que ganharam mais força. A falta de consenso e orientação dos diretórios estadual e nacional influenciou na decisão da municipal. A legenda agora prega a campanha do ‘vote 13' na chapa proporcional, sem se atrelar a nenhuma das outras candidaturas ao Palácio da Cerâmica.

O vice-presidente estadual, Rafael Marques, acompanhou as decisões da sigla durante todo o dia. A cúpula da legenda se posicionou favorável à renúncia, sem substituição do prefeiturável e foi a força maior para o desfecho do caso. Com a intervenção, os petistas de São Caetano aguardam que a instância superior dê apoio estrutural e financeiro para que a chapa de vereadores seja fortalecida e não perca embalo nesta reta final do pleito. "Vai ser mais difícil sem um candidato a prefeito, mas acredito que temos condição de fazer esse debate, desde que a estadual e a nacional nos deem esse respaldo", analisou João Moraes.

A decisão gerou reclamações de pleiteantes ao Legislativo sobre a dificuldade de ir às ruas e justificar suposta participação do PT no ‘mensalinho' a eleitores.

O grupo ligado ao candidato a vereador Ricardo Rios se mostrou satisfeito com a decisão, já que foram eles que deram início à pressão pela renúncia de Edgar. "Cumprimos o que deveria ter sido feito na segunda-feira", definiu Rios.

O ex-candidato foi blindado pela direção estadual do PT, que o orientou para não participar da votação e sair da cidade ontem.

Carta de renúncia, sem colocar outro nome na cabeça da chapa majoritária, foi votada e aprovada pelo diretório local. O texto defendeu Edgar do vídeo de 2009, em que aparece supostamente pedindo a Tite R$ 100 mil para vencer a eleição interna do PT com 600 votos (conquistou 609) e cobrado a quantia de R$ 10 mil em hipotético esquema de ‘mensalinho' na Câmara. O ex-prefeiturável e o próprio PT reforçam a tese de armação feita por Tite e edição criminosa feita por Eder Xavier, candidato a vereador pelo PCdoB que divulgou o vídeo na internet.

Logo após a gravação ganhar as redes sociais, no início da semana, Edgar deixou a presidência do PT são-caetanense e o secretário pediu exoneração. A Prefeitura abriu sindicância interna.

 

Militante quer explicação pública do ex-prefeiturável

 

Vera Severiano, candidata a vereadora pelo PT de São Caetano e ex-parlamentar, criticou a opção do partido em deixar a apuração dos fatos para o período pós-eleitoral. O argumento é de que a dificuldade de fazer campanha nesse momento está evidente e que a corrupção deve ser combatida. "O Edgar deveria sair às ruas, não mais enquanto candidato, mas enquanto militante que ajudou a construir o partido para poder se explicar à população", declarou Vera.

A candidata também reclamou do processo de definição do rumo do PT. Segundo Vera, a prerrogativa votada na reunião do diretório municipal ontem veio pronta da direção estadual e só foi votada. "Nós defendíamos que o vice (Santo Crociari) assumisse a candidatura. Ele não é citado na fita (vídeo) e também tem história. A gente só serve aqui para levantar a mão. Não da para fazer campanha como se nada tivesse acontecido. Não é bem assim." A petista reclama da falta de discussão sobre o caso. "Deveria estar na ordem do dia", analisou.

 

MP vai ouvir todos os citados no vídeo

 

A promotora de São Caetano Sorandy Aires Santos abriu inquérito sobre o polêmico vídeo e garantiu que irá ouvir todos os nomes citados na gravação, além de encaminhar cópias para o Ministério Público Eleitoral e Criminal. A investigação foi aberta na segunda-feira, após representação do Psol, embasada por reportagem do Diário.

De acordo com Sorandy, a gravação revela conteúdo "grave" sobre "acertos financeiros". Disse que irá investigar crimes de improbidade administrativa, enriquecimento ilícito e tentativa de violar a ordem entre os poderes Legislativo e Executivo. Disse ainda que pode se tratar de crime eleitoral e de corrupção.

Na gravação de 17 minutos, editada, o vereador Edgar Nóbrega (PT) disse ao ex-secretário de Governo, Tite Campanella (DEM): "A pergunta que temos que fazer aqui é: quanto custa ter o PT?" Em seguida, os dois acordaram R$ 100 mil, divididos em cinco parcelas. Tite diz: "O que a gente (governo) ganha com isso?" Edgar responde: "O grupo que governa a cidade vai ter um aliado, ou um adversário leal".

Tite teria reclamado de um requerimento de informação feito pelo vereador petista sobre uma viagem que teria feito ao Exterior e pede para que Edgar cumpra o combinado. O parlamentar também pede que ele cumpra o combinado e, em seguida, questiona sobre R$ 10 mil que não teriam sido entregues a ele. Tite cita o presidente da Câmara à época, Gérsio Sartori (PTB), sobre acordo de R$ 5.000 mensais, além do parlamentar Paulo Bottura (PTB), que repassaria R$ 10 mil ao petista referente ao suposto ‘mensalinho'.

O ex-secretário também lembra o nome do vereador licenciado e atual chefe de Gabinete do prefeito, Gilberto Costa (PTB), que à época fazia oposição no Legislativo. "Foi bom você ter conversado e o Gilberto Costa também", disse Tite.

Edgar teria questionado ainda sobre cargos na Prefeitura para Pio Mielo, ex-assessor de Edgar e atual candidato a vereador do PT, e João, que segundo o petista seria João Formiga.

Todos os citados negam participação no suposto recebimento de verba. Alegam que trata-se de dinheiro que Edgar pedira emprestado. Sobre os cargos, os petistas envolvidos rechaçam atuação no caso.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;