Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

CD acústico do Charlie Brown Jr. chega as lojas


Patrícia Vilani
Do Diário do Grande ABC

25/09/2003 | 20:09


O projeto Acústico MTV sempre foi visto como um revival de artistas populares nos anos 80 e 90. Foi assim com Capital Inicial, Kid Abelha e Marina Lima. Lá fora, no entanto, somente bandas no auge de suas carreiras – como o Nirvana na década passada – eram chamadas para a gravação em versão desplugada. A postura começa a ser adotada pela emissora musical também no Brasil com a estréia nesta sexta-feira, às 22h, do Acústico MTV Charlie Brown Jr.

“Nós damos trabalho, mas também damos lucro”, diz o vocalista Chorão sobre sua relação com a gravadora EMI. Ele tem razão. Com sua postura rebelde de butique, Chorão tornou-se talvez o único rockstar brasileiro surgido nos anos 90. Ao lado do baixista Champignon, do baterista Pelado e do guitarrista Marcão, produziu cinco discos nos últimos seis anos e vendeu 1,5 milhão de cópias.

O Acústico é lançado em um momento particularmente impróprio para o Charlie Brown Jr. O quarteto está no meio da bem sucedida turnê do álbum Bocas Ordinárias, que termina no fim do ano. Só em 2004, portanto, a banda poderá levar o projeto desplugado para os palcos. Já para a MTV a hora é totalmente favorável: a banda é hoje uma das mais queridas do público da emissora, vencendo por dois anos a escolha da audiência do VMB.

“A MTV nos convida para o Acústico desde nosso terceiro disco, Nadando com os Tubarões (2000). Não achávamos que tínhamos repertório para isso na época. Tínhamos medo, também, do resultado. Tocamos alto, com guitarras distorcidas, o que torna difícil a adaptação para o formato violão”, afirma Chorão.

Mas o Acústico Charlie Brown Jr. nada tem de convencional. Para começar, banquinho e violão, só para Champignon, Marcão e para o produtor Tadeu Patola. Chorão fica o tempo todo em pé – quase sempre em cima de uma caixa de som –, isso quando não anda de skate, correndo o risco de levar um tombo, como aconteceu em Santo André sábado passado. O som perdeu as guitarras, mas ganhou o beat box de Champignon, que funciona em todas as faixas e confirma que a banda tem os dois pés no hip hop.

A escolha do repertório, segundo Chorão, foi feita pela musicalidade – isto é, o que se adaptava melhor à versão violão. “Entraram hits, mas também canções que gostamos muito, mas não tivemos oportunidade de divulgar.” Algumas delas: Papo Reto, Zóio D’Lula, Proibida pra Mim e a inédita Vícios e Virtudes. O CD, que chega às lojas também nesta sexta-feira, contém mais faixas. São 20 no total.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;