Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Relatório sobre morte de Jean Charles foi alterado, diz semanário


Da AFPi

29/01/2006 | 19:50


O semanário News of the World afirmou, em sua publicação deste domingo, que o relatório sobre a morte do brasileiro Jean Charles de Menezes no metrô de Londres foi alterado por policiais britânicos, a fim de ocultar responsabilidades.

Agentes do serviço especial da Polícia britânica modificaram os dados de um relatório de vigilância sobre Jean Charles, 27 anos, no qual se afirma que os policiais dispararam acreditando que se tratasse de um suspeito dos atentados frustrados de 21 de julho, cometidos poucos dias depois dos ataques do dia 7 do mesmo mês no metrô de Londres, no qual morreram 56 pessoas.

Segundo o semanário, os policiais esperavam esconder assim o fato de terem confundido o jovem brasileiro com Hussein Osman, um suposto terroristas islamita. Além disso, a intenção dos agentes era também retirar qualquer culpa dos policiais da unidade armada da Polícia londrina, os responsáveis pela morte de Jean Charles na estação metropolitana de Stockwell.

O News of the World afirma que os policiais dos serviços especiais se deram conta do erro e modificaram seu relatório 10 horas após redigirem o mesmo. Assim, no texto posterior se lê: “E não era Osman” em vez de “... era Osman”, como tinham escrito na primeira versão, destacou uma fonte governamental anônima citada pelo semanário.

O relatório faz parte da cópia por escrito de todas as comunicações por rádio que diferentes policiais e superiores mantiveram no dia 22 de julho, após a morte do eletricista brasileiro.

A polícia está autorizada a retificar eventuais erros em seus relatórios escritos mas, nesta ocasião, a modificação não foi assinada ou justificada como teria de ocorrer, frisou o News of the World.

O porta-voz da família de Jean Charles, Asad Rehman, comentou as revelações da revista afirmando que agora, Ian Blair, o chefe da Scotland Yard, deverá reconsiderar seriamente sua posição.

"Parece que Blair não esteve ciente destas informações durante bastante tempo após a morte de Jean Charles, o que levanta interrogações sobre a sua implicação", acrescenta Rehman.

A promotoria britânica deve tomar uma decisão nos próximos meses sobre as possíveis sanções contra os policiais envolvidos na operação que vitimou o brasileiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Relatório sobre morte de Jean Charles foi alterado, diz semanário

Da AFPi

29/01/2006 | 19:50


O semanário News of the World afirmou, em sua publicação deste domingo, que o relatório sobre a morte do brasileiro Jean Charles de Menezes no metrô de Londres foi alterado por policiais britânicos, a fim de ocultar responsabilidades.

Agentes do serviço especial da Polícia britânica modificaram os dados de um relatório de vigilância sobre Jean Charles, 27 anos, no qual se afirma que os policiais dispararam acreditando que se tratasse de um suspeito dos atentados frustrados de 21 de julho, cometidos poucos dias depois dos ataques do dia 7 do mesmo mês no metrô de Londres, no qual morreram 56 pessoas.

Segundo o semanário, os policiais esperavam esconder assim o fato de terem confundido o jovem brasileiro com Hussein Osman, um suposto terroristas islamita. Além disso, a intenção dos agentes era também retirar qualquer culpa dos policiais da unidade armada da Polícia londrina, os responsáveis pela morte de Jean Charles na estação metropolitana de Stockwell.

O News of the World afirma que os policiais dos serviços especiais se deram conta do erro e modificaram seu relatório 10 horas após redigirem o mesmo. Assim, no texto posterior se lê: “E não era Osman” em vez de “... era Osman”, como tinham escrito na primeira versão, destacou uma fonte governamental anônima citada pelo semanário.

O relatório faz parte da cópia por escrito de todas as comunicações por rádio que diferentes policiais e superiores mantiveram no dia 22 de julho, após a morte do eletricista brasileiro.

A polícia está autorizada a retificar eventuais erros em seus relatórios escritos mas, nesta ocasião, a modificação não foi assinada ou justificada como teria de ocorrer, frisou o News of the World.

O porta-voz da família de Jean Charles, Asad Rehman, comentou as revelações da revista afirmando que agora, Ian Blair, o chefe da Scotland Yard, deverá reconsiderar seriamente sua posição.

"Parece que Blair não esteve ciente destas informações durante bastante tempo após a morte de Jean Charles, o que levanta interrogações sobre a sua implicação", acrescenta Rehman.

A promotoria britânica deve tomar uma decisão nos próximos meses sobre as possíveis sanções contra os policiais envolvidos na operação que vitimou o brasileiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;