Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Governo antecipa início do pagamento de auxílio emergencial para dia 18

Nario Barbosa / DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


12/08/2021 | 18:20


O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), anunciou nesta quinta-feira (12)a antecipação do pagamento das próximas três parcelas do auxílio emergencial, que começa a partir do próximo dia 18 para os beneficiários do Bolsa Família.

O auxílio emergencial acabaria em julho, mas foi prorrogado por mais três meses (quinta, sexta e sétima rodadas) em 2021. O pagamento, portanto, vai até outubro.

O restante do calendário será definido de acordo com a data de nascimento dos cadastrados, que receberão o benefício da quinta rodada até o fim do mês, conforme explicou o presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães.

A Caixa continuará efetuando o pagamento primeiro com crédito em conta e, depois, com a liberação do saque em dinheiro. O banco esclareceu que não haverá novo cadastro. Os beneficiários que já receberam as parcelas anteriores e que cumprem os requisitos vão receber as parcelas extras.

Os valores também permanecem os mesmos: R$ 150 (beneficiários de famílias com um único integrante), R$ 250 (beneficiários de famílias com dois ou mais membros) e R$ 375 (beneficiários de famílias chefiadas pelas mulheres).

Segundo o ministro da Cidadania, João Roma, o custo da extensão do programa foi de mais de R$ 20 bilhões.

Em novembro, o governo quer começar a pagar o Auxílio Brasil, programa que substituirá o Bolsa Família. O valor, contudo, só deve ser anunciado em setembro.

Bolsonaro voltou a projetar reajuste de pelo menos 50% do tíquete médio do Bolsa Família. O benefício médio do Bolsa Família é de cerca de R$ 190. Com 50% de reajuste, esse valor chegará a R$ 285. O presidente, no entanto, tem falado em números maiores para o benefício médio: R$ 300 ou até mesmo R$ 400, o que provocou uma queda de braço no governo, dividindo as áreas econômica e política.

O chefe do Executivo também admitiu que a vacinação tem produzido queda no número de casos de infecção por covid-19 e previu volta à normalidade "de modo mais breve possível". "Graças a Deus os números têm diminuído bastante, em grande parte pelo programa de vacinação do governo. Hoje em dia temos uma parcela considerável da população já vacinada. A gente espera, realmente, que, de modo mais breve possível, voltemos à normalidade", disse.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;