Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Para alegrar ambiente, casal monta decoração de Natal sob viaduto em Sto.André

Denis Maciel Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Família vive no local há dois anos e aproveita ornamentos doados ou encontrados no lixo


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

06/12/2019 | 07:00


Dia 20 de novembro é a data em que Maria Madalena Rosa, 49 anos, monta a decoração de Natal de sua residência anualmente. Mesmo morando com o marido, Maxmiliano da Silva, 40, embaixo do Viaduto Alfredo Pujol, em Santo André, há dois anos, a tradição continua. “Eu sempre decorei minha casa e enfeito aqui porque alegra quem passa”, conta.

Atualmente, Maria Madalena, ou apenas Madalena, como prefere, utiliza ornamentos encontrados no lixo, caso do pinheiro, das bolas e do pisca-pisca, ou doados, a exemplo do presépio que exibe com orgulho. “Principalmente a criançada, gosta muito. Tem algumas que querem parar até para tirar foto”, relata. A tradição só termina em 6 de janeiro, Dia de Reis, quando a decoração natalina é desmontada. 

O casal foi morar no local após perder a escritura de apartamento do Minha Casa, Minha Vida. “A casa onde eu morava antes não estava no meu nome, eu pagava aluguel, então a escritura saiu no nome de outra pessoa”, explica. Assim, com dificuldade de encontrar emprego em razão da idade, a família depende da reciclagem e dos trocados de motoristas que estacionam sob o elevado. “Não tenho condições de alugar uma casa quando o quilo do papelão custa só R$ 0,10.”

A renda, que Madalena prefere não estimar, também ajuda a sustentar o filho, que está preso. Nos últimos dias, apenas o marido está conseguindo trabalhar, uma vez que ela se machucou e está com dificuldade para andar. “Quando eu consigo recolher bastante material, acontece isso (contusão). Passei com o carrinho em cima do meu pé”, lamenta.

Ainda que a situação esteja difícil, Madalena garante que nunca chegou a passar fome, graças a doação de vizinhos e de pessoas que passam no local. Roupas e mobílias também nunca faltaram. “Cheguei a ajudar uma mulher a montar uma casa só com móveis que encontrei no lixo ou ganhei de doação. Recebo muitas coisas, algumas pessoas (moradoras de rua) sempre passam e perguntam se tem alguma roupa para elas e eu sempre tenho”, afirma.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;