Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Barrados no exterior: o drama dos brasileiros rejeitados lá fora


Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC

11/11/2007 | 07:12


O drama da auxiliar administrativa Flávia Mansão do Nascimento, 27 anos, de Santo André, que gastou R$ 3.000 com passagens aéreas para Portugal e acabou sendo enviada de volta sem sequer provar um pastelzinho de Belém, ressuscitou a polêmica sobre os inadmitidos: turistas que, por preconceito das autoridades ou falta de algum documento, têm a entrada em determinado país recusada já no aeroporto.

Assim que chegou em Lisboa, a brasileira – que havia passado três meses planejando o roteiro – foi barrada pelo SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), sob acusação de ter viajado para se prostituir.

A andreense passou quatro dias detida em um alojamento e foi enviada de volta ao Brasil sem qualquer esclarecimento. “Fui humilhada e tratada como prisioneira”, reclama.

AMAZON 2 - Casos como o de Flávia são cada vez mais comuns. De acordo com a Polícia Federal, só o aeroporto de Guarulhos recebe cerca de 20 deportados ou inadmitidos por dia, podendo chegar a 60 conforme a data.

E a tendência é de que esse número se eleve com o aumento no controle de entrada de estrangeiros. Em março, a União Européia mandou de volta mais de 400 brasileiros por meio da Operação Amazon 2, uma espécie de pente-fino nos aeroportos do continente.

Os motivos vão desde a falta do seguro de saúde ou da quantia em dinheiro exigida até uma simples desconfiança, mesmo que sem provas, de que o brasileiro esteja viajando com o intuito de trabalhar ilegalmente.

CONSTRANGIMENTO - Alguns até conseguem entrar, mas só depois de muito constrangimento. Foi o que aconteceu com Amanda Harrison, 28 anos, de São Bernardo. Três anos atrás, ela viajou para a Inglaterra com o pai, que é inglês, e a irmã mais nova, na época com 10 anos.

“Eu e minha irmã fomos barradas pelo guarda, que se recusava a aceitar o fato de que tínhamos pai igual e mães diferentes. Aguardamos uma hora até meu pai provar que era cidadão britânico”, lembra.

Já a analista de sistemas Cristiane de Freitas, 23 anos, de São Bernardo, só passou pela imigração lusitana depois que o português com quem namorava – e que fora ao aeroporto buscá-la – assinou um termo de responsabilidade.

“Eles conferiram o dinheiro, a identidade, mas resolveram me segurar porque muitos brasileiros estavam indo ao país para se prostituir ou trabalhar ilegalmente. Não discordo de haver esse controle, mas achei ruim o fato de eu estar com tudo em ordem e ser discriminada. Só me liberaram porque meu ex-namorado estava lá, era advogado e português”, diz Cristiane.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Barrados no exterior: o drama dos brasileiros rejeitados lá fora

Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC

11/11/2007 | 07:12


O drama da auxiliar administrativa Flávia Mansão do Nascimento, 27 anos, de Santo André, que gastou R$ 3.000 com passagens aéreas para Portugal e acabou sendo enviada de volta sem sequer provar um pastelzinho de Belém, ressuscitou a polêmica sobre os inadmitidos: turistas que, por preconceito das autoridades ou falta de algum documento, têm a entrada em determinado país recusada já no aeroporto.

Assim que chegou em Lisboa, a brasileira – que havia passado três meses planejando o roteiro – foi barrada pelo SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), sob acusação de ter viajado para se prostituir.

A andreense passou quatro dias detida em um alojamento e foi enviada de volta ao Brasil sem qualquer esclarecimento. “Fui humilhada e tratada como prisioneira”, reclama.

AMAZON 2 - Casos como o de Flávia são cada vez mais comuns. De acordo com a Polícia Federal, só o aeroporto de Guarulhos recebe cerca de 20 deportados ou inadmitidos por dia, podendo chegar a 60 conforme a data.

E a tendência é de que esse número se eleve com o aumento no controle de entrada de estrangeiros. Em março, a União Européia mandou de volta mais de 400 brasileiros por meio da Operação Amazon 2, uma espécie de pente-fino nos aeroportos do continente.

Os motivos vão desde a falta do seguro de saúde ou da quantia em dinheiro exigida até uma simples desconfiança, mesmo que sem provas, de que o brasileiro esteja viajando com o intuito de trabalhar ilegalmente.

CONSTRANGIMENTO - Alguns até conseguem entrar, mas só depois de muito constrangimento. Foi o que aconteceu com Amanda Harrison, 28 anos, de São Bernardo. Três anos atrás, ela viajou para a Inglaterra com o pai, que é inglês, e a irmã mais nova, na época com 10 anos.

“Eu e minha irmã fomos barradas pelo guarda, que se recusava a aceitar o fato de que tínhamos pai igual e mães diferentes. Aguardamos uma hora até meu pai provar que era cidadão britânico”, lembra.

Já a analista de sistemas Cristiane de Freitas, 23 anos, de São Bernardo, só passou pela imigração lusitana depois que o português com quem namorava – e que fora ao aeroporto buscá-la – assinou um termo de responsabilidade.

“Eles conferiram o dinheiro, a identidade, mas resolveram me segurar porque muitos brasileiros estavam indo ao país para se prostituir ou trabalhar ilegalmente. Não discordo de haver esse controle, mas achei ruim o fato de eu estar com tudo em ordem e ser discriminada. Só me liberaram porque meu ex-namorado estava lá, era advogado e português”, diz Cristiane.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;