Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Paixão pelas canções

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Thiago Mariano
Do Diário do Grande ABC

15/09/2011 | 07:00


A relação de amor de Max Viana com a música é fruto do berço. Filho de Djavan, o cantor, compositor e músico já soma longo tempo como produtor - já fez trabalhos para Dudu Falcão e Luiza Possi - e como instrumentista.

Lançando o terceiro disco, 'Um Quadro de Nós Dois' (Biscoito Fino, preço médio R$ 35), ele, como a experiência do amor e a devoção da vocação, volteia e saboreia essa relação com cumplicidade que lhe permite alçar voos mais longos, em melodia e canção.

"Gosto de muitas áreas da minha profissão, e isso é algo bom e em alguns momentos um problema. Trabalhar com produção e como músico sacia a minha necessidade de música e de discutir caminhos estéticos, me dando experiência e estofo, mas no campo prático dediquei menos tempo aos meus trabalhos", conta Max.

"Outro dia estava no computador ouvindo os temas que chamo de ‘músicas a trabalhar'. Hoje me dá mais vontade de mexer com elas do que com outra coisa. Para trás não está errado, mas para frente quero outras coisas", completa.

Sonoramente, Max acredita estar à frente de seus dois outros trabalhos, tanto em canto como em harmonia. Os sambas 'Itinerário' e 'É Hora de Fazer Verão' (em parceria com Arlindo Cruz), para ele, são a prova da expansão. "Tem também uma parceria com o Lula Queiroga (Tu E O Dom) que tem algo do Nordeste. A intenção era abrir o leque."

Até Alcione pinta na área, em 'É Hora de Fazer Verão', para provar que o samba não é apenas meia dúzia de batuques para gringo ver.

FALANDO DE AMOR
'Um Quadro de Nós Dois', apesar de pluralizar no som - há pitadas de muitos estilos entremeados aos arranjos - tem um vértice: o amor. Desde o ressentimento da separação até a descoberta da paixão.

"O amor é complexo, milhões de nuances e interpretações para coisa que é uma só. Da paixão ao desamor cabem tantas canções."

Mas falar de amor, ele diz, não foi intencional. "O meu processo construtivo, a parte da composição, não segue linha definida. Pego o violão e vou compondo, então uso palavras soltas para guiar a melodia. Eu sinto facilidade em encaminhar essas letras para o lado do amor."

Apesar disso, Max se armou de parceiros que são cancioneiros que se põem no patamar de clássicos compositores dos nossos mais derramados samba-canções ao falar do amor na contemporaneirade, entre eles Jorge Vercillo e Dudu Falcão. Até Guilherme Arantes entrou no pacote, com 'O Melhor Vai Começar', a única composição que Max não assina.

Para citar a universalidade do tema, ele conta do encontro que a essência da sua parceria com Arlindo Cruz teve com o momento do sambista. "Mandei a melodia para ele com uma parte da letra e ele pediu licença para contar uma história pessoal na música. Achei que ele ia abolir os pedaços que eu tinha criado, mas todos foram utilizados. A resolução da letra falava de um momento que ele estava vivendo."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;