Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Operação prende três por fraudes no INSS na região

Atuação da PF e Ministério Público investiga concessão de benefícios em Santo André


Humberto Domiciano
Do Diário do Grande ABC

18/04/2018 | 07:00


A PF (Polícia Federal) e o MPF (Ministério Público Federal) realizaram ontem a Operação Púnico que resultou em um mandado de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária, além de mandados de busca e apreensão em três endereços em Santo André e São Paulo.

A suspeita é que a quadrilha fraudava benefícios do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social). O prejuízo, identificado pelo MPF até o momento, é de R$ 82 mil.

A AGU (Advocacia-Geral da União) anunciou que, em ação cautelar movida pelo órgão, a Justiça Federal decretou a indisponibilidade dos bens dos acusados até o limite de R$ 980 mil.

Segundo a investigação, a fraude teria sido realizada nas agências de São Caetano e Santo André e consistia na falsificação de documentos e inserção de dados falsos nos sistemas informatizados da autarquia federal com o objetivo de simular o preenchimento dos requisitos exigidos por lei para a concessão de benefícios, como auxílio-reclusão, aposentadoria e salário-maternidade.

A operação encontrou carro de luxo avaliado em mais de R$ 120 mil e R$ 11 mil em espécie na residência de um técnico do INSS, considerado o líder do grupo.

De acordo com informações do MPF, os investigados deverão responder, na esfera penal, pelos crimes de inserção de dados falsos em sistemas informatizados da União, estelionato, coação no curso de processo administrativo, extravio de documento público e associação criminosa.

AMEAÇA
A gerência do INSS de Santo André detectou a existência do esquema e suspendeu o acesso técnico aos sistemas. A partir disso, servidores da agência passaram a receber ameaças de componentes da quadrilha, por meio de ligações e mensagens de textos.

A coação teria partido do celular de um detento em regime fechado. Por conta disso, o MPF requereu à Justiça a imposição de regime disciplinar diferenciado para o suspeito. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;