Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ribeirão Pires quer municipalizar água


Arthur Lopez
Do Diário do Grande ABC

05/03/2005 | 17:24


Ribeirão Pires dá o primeiro passo para a municipalização dos serviços de distribuição de água e tratamento de esgoto com a nomeação de Antonio Bespalec para a nova Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Saneamento (Sevemasa). "A intenção é municipalizar os serviços hoje prestados pela Sabesp (Saneamento Básico de São Paulo)", garante o secretário. Sua função principal será elaborar, até o próximo ano, estudo minucioso para o prefeito Clóvis Volpi (PV) sobre a atuação da autarquia no município. O contrato de 30 anos da Sabesp com Ribeirão vence em 2007.

O mesmo caminho deve tomar a vizinha Rio Grande da Serra, cujo contrato com a autarquia vence no final do ano. O prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) afirmou logo que venceu as eleições que também fará análise dos serviços dessa área. "A Sabesp, nos tempos do governador Mário Covas, fez muitos investimentos em Rio Grande, mas hoje em alguns aspectos deixa a desejar", disse o prefeito.

Por terem o mesmo perfil de auto-suficiência de recursos hídricos, não se descarta que os dois municípios formem um consórcio para administrar a distribuição de água e até tratamento de esgoto. A possibilidade envolve também Mauá, que já tem o serviço municipalizado.

Segundo Antonio Bespalec, de Ribeirão Pires, embora a intenção seja assumir os serviços de fornecimento de água na cidade, a decisão do prefeito irá se basear no estudo que a nova secretaria vai dar início. "Vamos analisar todos os aspectos. O objetivo é de o custo para o consumidor cair e oferecer um atendimento melhor à população", adianta. Assim que criou a Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Saneamento, ao aprovar a reforma administrativa, Volpi disse que vai querer o relatório logo no início de 2006 para antecipar a negociação dos serviços com a Sabesp.

Ecologia – Apesar de assumir a nova pasta com apenas dez funcionários e uns poucos equipamentos públicos, Bespalec está confiante em poder dar conta de todas as atribuições da secretaria. "Em uma semana terei controle da situação e, então, passaremos a contratar e nos equipar", diz. Para ele, além de definir o futuro da distribuição da água na cidade, um dos principais desafios é despoluir os mananciais já contaminados e ainda impedir o desmatamento predatório. "Vamos fiscalizar todas essas questões e outras novas para Ribeirão, como o aparecimento de aterros sanitários irregulares e o surgimento de favelas", explica.

Bespalec garante que às margens da represa Billings surgiram seis ou sete focos de favelas, que deverão ser contidos para não agravarem ainda mais o problema ecológico do manancial. Como auxílio fundamental para a tarefa, foi criada a Guarda Ambiental, cuja contratação de profissionais está em processo de seleção.

O titular da pasta ocupava antes o gabinete de Planejamento Urbano, que será ocupado agora por Dalton Hamada, irmão do vereador Gilson Hamada (PTB). Bespalec é arquiteto e urbanista e foi diretor de Planejamento na administração de Valdírio Prisco (PMDB). Segundo ele, a criação de uma pasta de Meio Ambiente é uma exigência do Partido Verde nas cidades onde é governo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ribeirão Pires quer municipalizar água

Arthur Lopez
Do Diário do Grande ABC

05/03/2005 | 17:24


Ribeirão Pires dá o primeiro passo para a municipalização dos serviços de distribuição de água e tratamento de esgoto com a nomeação de Antonio Bespalec para a nova Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Saneamento (Sevemasa). "A intenção é municipalizar os serviços hoje prestados pela Sabesp (Saneamento Básico de São Paulo)", garante o secretário. Sua função principal será elaborar, até o próximo ano, estudo minucioso para o prefeito Clóvis Volpi (PV) sobre a atuação da autarquia no município. O contrato de 30 anos da Sabesp com Ribeirão vence em 2007.

O mesmo caminho deve tomar a vizinha Rio Grande da Serra, cujo contrato com a autarquia vence no final do ano. O prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) afirmou logo que venceu as eleições que também fará análise dos serviços dessa área. "A Sabesp, nos tempos do governador Mário Covas, fez muitos investimentos em Rio Grande, mas hoje em alguns aspectos deixa a desejar", disse o prefeito.

Por terem o mesmo perfil de auto-suficiência de recursos hídricos, não se descarta que os dois municípios formem um consórcio para administrar a distribuição de água e até tratamento de esgoto. A possibilidade envolve também Mauá, que já tem o serviço municipalizado.

Segundo Antonio Bespalec, de Ribeirão Pires, embora a intenção seja assumir os serviços de fornecimento de água na cidade, a decisão do prefeito irá se basear no estudo que a nova secretaria vai dar início. "Vamos analisar todos os aspectos. O objetivo é de o custo para o consumidor cair e oferecer um atendimento melhor à população", adianta. Assim que criou a Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Saneamento, ao aprovar a reforma administrativa, Volpi disse que vai querer o relatório logo no início de 2006 para antecipar a negociação dos serviços com a Sabesp.

Ecologia – Apesar de assumir a nova pasta com apenas dez funcionários e uns poucos equipamentos públicos, Bespalec está confiante em poder dar conta de todas as atribuições da secretaria. "Em uma semana terei controle da situação e, então, passaremos a contratar e nos equipar", diz. Para ele, além de definir o futuro da distribuição da água na cidade, um dos principais desafios é despoluir os mananciais já contaminados e ainda impedir o desmatamento predatório. "Vamos fiscalizar todas essas questões e outras novas para Ribeirão, como o aparecimento de aterros sanitários irregulares e o surgimento de favelas", explica.

Bespalec garante que às margens da represa Billings surgiram seis ou sete focos de favelas, que deverão ser contidos para não agravarem ainda mais o problema ecológico do manancial. Como auxílio fundamental para a tarefa, foi criada a Guarda Ambiental, cuja contratação de profissionais está em processo de seleção.

O titular da pasta ocupava antes o gabinete de Planejamento Urbano, que será ocupado agora por Dalton Hamada, irmão do vereador Gilson Hamada (PTB). Bespalec é arquiteto e urbanista e foi diretor de Planejamento na administração de Valdírio Prisco (PMDB). Segundo ele, a criação de uma pasta de Meio Ambiente é uma exigência do Partido Verde nas cidades onde é governo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;