Fechar
Publicidade

Setecidades

Publicado em domingo, 17 de agosto de 2014 às 07:00 Histórico

Clínica médica popular promete atendimento ágil e de qualidade

Andréa Iseki/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

 Uma clínica médica particular chama a atenção daqueles que circulam pelos corredores do São Bernardo Plaza Shopping, no bairro Ferrazópolis. Isso porque, diferentemente das unidades tradicionais, por lá não são aceitos convênios médicos nem cartão do SUS (Sistema Único de Saúde). Trata-se da segunda filial da rede Dr. Consulta no Estado, inaugurada em maio na região e que tem como público-alvo população desprovida de convênio médico e que está cansada de enfrentar longa espera para atendimento na rede pública.

O espaço, de 800 m², conta com 23 consultórios e oferece atendimento em nove especialidades: ginecologia, oftalmologia, cardiologia, dermatologia, endocrinologia, otorrinolaringologia, gastroenterologia, nutrição e psiquiatria. A clínica também conta com serviço de coleta de exames laboratoriais e de imagem, como ultrassonografia e eletrocardiograma. Dentro de um mês, a expectativa é incluir testes cardiológicos e exames ginecológicos na lista de procedimentos.

A dona de casa Isabel Cristina Salgado, 46 anos, confessa que entrou no local por curiosidade e saiu de lá com consulta agendada com o ginecologista para a semana seguinte. O principal atrativo, de acordo com a moradora de São Bernardo, que não tem plano de Saúde, é o preço. Ela pagou R$ 80 pela consulta com direito a retorno com possibilidade de parcelamento em até duas vezes. Já os exames, que variam de R$ 10 (hemograma) até R$ 390 (checkup cardiológico) podem ser pagos em até 12 parcelas.

“Nós, mulheres, não podemos ficar sem exames periódicos. Além do preço acessível, os profissionais são pacientes no atendimento”, considera a dona de casa, que já indicou o local para a família. A filha, que mora em Minas Gerais, também está entre os novos pacientes da clínica.

Quem também veio de longe para se consultar com nutricionista foi o técnico em enfermagem aposentado Antônio José da Silva, 63. O morador de Paraguaçu (Minas Gerais) contou com a ajuda da filha, que vive na Capital, para conhecer a clínica via internet. “Tenho convênio, mas não oferece nutricionista, por isso, preferi pagar a esperar no SUS. A médica me receitou uma dieta e daqui 15 dias retorno para ver se deu certo.”

PROPOSTA

Conforme explica o diretor da rede Dr. Consulta, Guilherme Azevedo, a primeira unidade, localizada no Sacomã, nas proximidades do Heliópolis, na Zona Sul, surgiu com a proposta de contribuir para a resolução de um dos problemas básicos do País. “O setor público não consegue dar a cobertura necessária para os cerca de 150 milhões de brasileiros que não têm plano de Saúde. Queremos mostrar que não é utopia ter Saúde de qualidade”, ressalta.

O modelo de atendimento médico adotado pela rede, segundo Azevedo, leva em conta a desospitalização. “Os hospitais devem atender pacientes com problemas de alta complexidade. É muito mais econômico, rápido e inteligente descentralizar o atendimento.”

Desde que iniciou os trabalhos, a unidade da Capital já atendeu 75 mil pessoas em 21 especialidades disponíveis. São cerca de 400 pacientes por dia atualmente. Já a unidade de São Bernardo atende, em média, 70 pessoas diariamente, mas tem capacidade para receber até 1.000. “Nossa meta é atingir esse número até o fim de 2015”, diz Azevedo.

Diadema está entre os dez municípios que receberão consultórios

O plano de expansão da clínica Dr. Consulta contempla outra cidade da região: Diadema. O município está entre as dez localidades que receberão unidade da rede em 2015. Até dezembro, serão abertos outros quatro consultórios na Capital.

“Estudamos as localidades com maior concentração de pessoas dentro do nosso público-alvo e listamos 50 na Grande São Paulo”, destaca o diretor da rede, Guilherme Azevedo.

A ampliação dos serviços oferecidos também está nos planos, com a inclusão da radiologia entre os exames. Nos casos em que os pacientes precisam de procedimentos não ofertados no local, são encaminhados para clínicas parceiras ou hospitais de referência.

PERFIL MÉDICO

Os 80 médicos que fazem parte da rede têm de valorizar o atendimento humano, avalia o clínico-geral e endocrinologista Bruno Reis Massafelli. “A fidelização do paciente se dá por meio de atendimento de qualidade, alcançado a partir da estrutura adequada para que seja possível o diagnóstico.”

Os profissionais não são voluntários. Pelo contrário. De acordo com Azevedo, são remunerados em condições de mercado – cerca de R$ 40 a hora. “Nossa diferença é que não temos o plano médico intermediando a Saúde.”



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC