Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Munhoz engrossa oposição em S.Caetano

Após Palacio deixar base de Pinheiro, popular-socialista adota discurso ácido contra Pinheiro


Júnior Carvalho
Especial para o Diário

06/08/2014 | 06:41


Após o vereador de São Caetano Fábio Palacio (PR) anunciar ida à oposição ao governo Paulo Pinheiro (PMDB), Marcel Munhoz (PPS) também sinalizou que deixará a base governista na Câmara. Na sessão de ontem, o popular-socialista se classificou como “independente”, mas adotou discurso ácido contra a gestão do peemedebista.

Para Munhoz, levantamento do DGABC Pesquisas, encomendado pelo Diário, o qual mostrou que a administração de Pinheiro recebeu nota 4,7 do eleitorado da cidade, “reflete as ações de governo que foram prometidas durante a campanha (de 2012)”. “Eu vou votar aquilo que for bom para a cidade. Queremos analisar com reflexão os projetos enviados pelo Executivo”, disse o parlamentar, ao criticar a postura do Paço em, segundo ele, enviar propostas em cima da hora e exigir que a Casa aprecie as propostas às pressas.

A postura de Palacio e de Munhoz já era esperada desde o fim do primeiro semestre, quando o governo endereçou propositura que autoriza a criação de 33 cargos no Consórcio Intermunicipal e a regularização de postos instalados próximos a escolas e equipamentos de Saúde. À revelia da administração, a dupla, juntamente com Magali Pinto (PSD), Edison Parra (PHS), Cidão do Sindicato (Solidariedade) e Beto Vidoski (PSDB), conseguiu segurar as medidas e adiar a votação dos textos.

Líder do prefeito no Legislativo, Jorge Salgado (Pros) sugeriu que a postura adotada foi pelo “descontentamento com alguma recusa da administração em atender algum pedido dos vereadores”. “O governo não faz moeda de troca”, argumentou.

NOVO RUMO
Na sessão de ontem – primeira depois das férias –, o petista Ricardo Rios foi empossado como vereador, cadeira que ele ocupará por um mês, durante a ausência de Pio Mielo (PT). Ex-presidente do PT são-caetanense, Rios disputou a vereança em 2012, quando recebeu 972 votos e obteve apenas a primeira suplência da legenda.

“O PT de São Caetano passou por mudanças desde a última eleição. O partido começou a ter juízo”, ressaltou o petista, que reprovou a conduta do ex-vereador Edgar Nóbrega (PT). “Éramos oposição por oposição”, completou. No pleito passado, Nóbrega abandonou a corrida pelo Palácio da Cerâmica após um vídeo em que ele aparece supostamente negociando fazer “oposição branda” ao então governo em troca de ser bancado na disputa pela presidência do partido na cidade, em 2009. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.