Fechar
Publicidade

Economia

Publicado em terça-feira, 31 de julho de 2012 às 13:01 Histórico

Protesto de caminhoneiros ainda complica via Dutra

Continua em diversas estradas do País o protesto de caminhoneiros, que já dura sete dias, contra novas determinações da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A rodovia mais afetada na tarde desta terça-feira é a Presidente Dutra, bloqueada em diversos pontos desde domingo. Neste momento, três pontos são alvos de manifestações no sentido Rio, na altura das cidades de Barra Mansa, Porto Real e Resende, causando um total de 19 quilômetros de lentidão. No sentido São Paulo, as interdições ocorrem na Serra das Araras e em Barra Mansa, gerando fila de 13 km.

 

No sentido da capital fluminense, os protestos ocorrem nos seguintes trechos: Barra Mansa, do km 273 ao km 287; Resende, do km 302 ao 306; Porto Real, do km 290 ao km 291. O trecho de Silveiras, entre os quilômetros 24 e 25, chegou a ser fechado, mas foi liberado pela manhã. No sentido São Paulo, há interdição na Serra das Araras, do km 227 ao km 228, e em Barra Mansa, km 264 ao km 276.

 

Segundo a concessionária NovaDutra, uma faixa da esquerda está livre nos bloqueios, apenas para o trânsito de carros de passeio e alguns veículos selecionados pelos manifestantes, como os que transportam produtos perecíveis, ambulâncias e ônibus de turismo. Ainda assim, o Terminal Rodoviário do Tietê, na zona norte de São Paulo, de onde partem os ônibus que vão para o Rio, registra diversos atrasos.

 

Caminhoneiros que tentam furar os bloqueios são ameaçados pelos manifestantes - há registro de veículos que foram alvos de pedradas e imagens mostrando motoristas ameaçando colegas com facões. Na tarde de segunda-feira, um homem morreu atropelado ao tentar parar um ônibus na BR-369, na altura de Mamborê, no interior do Paraná.

 

Também há registros de protestos e pistas parcialmente interditadas em quatro estradas federais de Santa Catarina, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal do Estado. A BR-282 tem bloqueios nos quilômetros 605 (Maravilha), 406 (Catanduvas), 645 (São Miguel do Oeste). A BR-158 está bloqueada no km 110, altura de Cunha Porã, e a BR-163 no km 121, em Dionísio Cerqueira. Os protestos em SC ocorrem desde domingo, segundo a PRF.

 

Outros bloqueios ocorreram em Minas Gerais, no Espírito Santo e na Bahia, desde a semana passada.

 

Regulamentação

 

A categoria protesta contra os baixos valores dos fretes, a falta de segurança nas estradas, o preço do combustível, dos pedágios e contra uma série determinações impostas pela ANTT. Uma das mais criticadas é a obrigatoriedade de descanso por meia hora a cada quatro horas trabalhadas.

 

Para o presidente de regional de Minas Gerais do Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), José Acácio Carneiro, as imposições "acabaram de vez com a categoria". "O trabalhador paga para rodar. É obrigado a aceitar os fretes baixos, senão não tem dinheiro nem para o diesel", afirmou. O MUBC é uma das entidades sindicais à frente dos protestos.

 

Os caminhoneiros reclamam que não têm como parar o veículo para os descansos de meia hora, porque as rodovias não possuem infraestrutura. Os caminhões, segundo eles, teriam que ficar nos acostamentos, aumentando o risco de acidentes e deixando os condutores mais expostos a assaltos.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC