Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Olá, Cataratas do Iguaçu

pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Foz do Iguaçu abriga maravilha da natureza que merece ser visitada, ao menos, uma vez na vida


Marcela Munhoz

08/03/2018 | 07:00


 Qual cenário de viagem ficou marcado na sua melhor lembrança? Todo mundo tem um. Todos os anos cerca de 1,7 milhão de pessoas vão buscar nas Cataratas do Iguaçu a recordação mais incrível para chamar de sua. E não é para menos. O Parque Nacional do Iguaçu abriga nada menos do que uma das sete maravilhas da natureza, considerada patrimônio natural da humanidade.

Vem gente de vários lugares do mundo passar um dia inteiro dentro do local, que fica na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná. O principal atrativo? Conjunto de 275 quedas- d’-água. O curioso é que apenas 20% delas ficam no lado brasileiro, os outros 80% estão no lado argentino, no Parque Nacional Iguazú (também aberto à visitação). Os dois são unidos pelo Rio Iguaçu.

Geralmente, a visita ao parque faz parte do pacote de viagem a Foz. A entrada na porta custa R$ 37,60 cada adulto e R$ 10 crianças e idosos. Vale a pena chegar bem cedo, abre às 9h, e se programar para aproveitar todo o dia por lá, os portões fecham às 17h.

Vá com uma roupa confortável e, se possível, leve peças extras, especialmente se topar fazer o passeio Macuco Safari (custa R$ 215,40 por pessoa). Durante a aventura, os visitantes percorrem, de carro, trilha pela mata até chegar a um barco, que leva para bem perto das quedas. Não é difícil imaginar como fica o estado da roupa. Também é possível fazer passeio de helicóptero (que sobrevoa o local por dez minutos a partir de R$ 255 por pessoa), as Trilhas do Poço Reto e Bananeiras, além de rafting, arvorismo e até rapel.

Caso a vontade seja apenas admirar as incríveis quedas, o parque oferece boa infraestrutura com banheiros e lanchonetes. Não deixe de levar capa de chuva para conhecer o famoso ponto turístico da passarela. É um banho, literalmente, de beleza. É praticamente impossível, por exemplo, não dar de cara com vários arco-íris formados perto das quedas. É realmente de babar. Aliás, diz-se que, em dias de sol, o fenômeno liga os índios Naibi e Tarobá, que foram separados por maldição da divindade M’Boy. O casal foi transformado em rocha e palmeira à beira do abismo.

Aproveite para secar enquanto admira a enorme quantidade de espécies de plantas e animais que andam por ali. O parque, criado em 1939, abriga o maior remanescente de floresta Atlântica da região Sul do Brasil. Dezenas de espécies de borboletas e pássaros enfeitam o cenário. Até quatis, muitos deles, são vistos passeando livremente por lá. Mas cuidado: não os alimente nem chegue muito perto. Eles podem ‘atacar’. É sério.

PASSAPORTE
Também é possível comprar passaporte – o das Três Maravilhas – que inclui três atrativos de Foz do Iguaçu por único preço. Fazem parte do pacote entradas para as Cataratas do Iguaçu, visita Panorâmica em Itaipu e entrada no Marco das Três Fronteiras.

Quem comprar, entra de graça no Ecomuseu de Itaipu e ganha desconto dos estacionamentos, restaurantes, serviços de fotografias e lojas de souvenirs. O preço é R$ 89 por pessoa, sendo R$ 69 para estudantes e R$ 39 crianças e idosos.

Com cores de doer os olhos, Parque das Aves é unânime
Imagine ter a chance de ficar bem pertinho de infinidade de espécies de pássaros. Essa é uma das experiências que se pode viver em Foz do Iguaçu. Não volte para casa sem antes passar algumas horas dentro do Parque das Aves. Como fica perto das cataratas, tem muita gente que faz os dois passeios no mesmo dia. Mas, se possível, reserve um para cada um. Assim dá para aproveitar muito mais.

O parque, que fica em meio a 16,5 hectares de Mata Atlântica, conta com 1.320 aves, abrangendo cerca de 143 espécies diferentes, muitas ameaçadas. Grande parte foi resgatada e outra parte nasceu no próprio local. O visitante vai caminhando pelos viveiros, ora podendo ver as aves de mais longe, ora tendo a chance de dividir o local com elas. As araras-azuis, por exemplo, chegam a dar rasante ou se aproximar do turista para matar a curiosidade, É realmente lindo.

Os ingressos custam R$ 45 por pessoa. Quem quiser, pode ainda participar da Backstage (R$ 200), para conhecer os bastidores, ou Forest Experienc (R$ 250), em que a pessoa passa uma noite com índios na mata. O parque abre todos os dias, das 8h30 às 17h.

Também tem turismo em Itaipu
Ir a Foz do Iguaçu e não dar um pulinho para conhecer a Usina Hidrelétrica de Itaipu é retornar sem ver de perto um pouco da história do Brasil. O complexo binacional (Brasil e Paraguai) conta com barragem de 7.919 metros de extensão e 196 metros de altura máxima. O passeio simples – Vista Panorâmica – custa R$ 38 (tem meia-entrada).

Já quem pretende ir mais a fundo pode optar pelo chamado Circuito Especial (R$ 82), que percorre o ‘coração’ da usina. O passeio permite observar o trabalho na sala de comando central, onde brasileiros e paraguaios dividem a tarefa separados apenas por fronteira simbólica. Esse passeio tem vagas limitadas e deve ser reservado com certa antecedência.

A usina oferece ainda experiências como ver o local iluminado à noite (R$ 22), visitar o Refúgio Biológico Bela Vista (R$ 26), o Ecomuseu (R$ 14), o Polo Astronômico Casimiro Montenegro Filho (R$ 26) e navegar de kattmaram as águas do Lago de Itaipu (R$ 80).

DINOSSAUROS, MUSEU DE CERA E ICE BAR
Além das famosas churrascarias e picanhas na pedra, menu encontrado em diversos bares e restaurantes do destino, ainda tem mais passeio a se fazer por Foz do Iguaçu. Ainda na área de entretenimento noturno, é uma boa opção visitar o Ice Bar, que fica na Argentina. A entrada custa R$ 40 com consumação livre. O visitante recebe na porta casaco para suportar os -10ºC.

As crianças, por sua vez, adoram o Museu de Cera, com 80 personalidades reproduzidas em tamanho real, espalhadas em 16 cenários diferentes. Custa R$ 40. Perto, fica o Vale dos Dinossauros (R$ 40), com réplicas dos animais. Dá para combinar os preços dos ingressos para conseguir desconto.

Turistas buscam por compras no Brasil, Paraguai e Argentina
Foz do Iguaçu é detentora de uma das tríplices fronteiras mais conhecidas do mundo. Não é brincadeira: em um dia é possível tomar café da manhã na Argentina, comprar no Paraguai e dormir no Brasil. Portanto, é interessante separar, ao menos, uma semana para conhecer bem o destino. E quem é fã de compras, se possível, reserve mais. É que tem opções bacanas nos três países.

Em Foz, faça um city tour já no primeiro dia para ir se ambientando e memorizando os locais que ficou com vontade de voltar. Na Argentina, o Duty Free Shop Puerto Iguazú é obrigatório. Foi eleito o melhor duty free fora do aeroporto e, realmente, tem de tudo um pouco por lá, embora os preços não sejam tão vantajosos assim. Como não pode tirar fotos nem entrar com bolsas e mochilas, evite levar.

Famoso por oferecer infinidade de produtos do mundo todo, o Paraguai fica próximo. Para entrar na Ciudad Del Este é preciso passar pela famosa Ponte da Amizade. Leve documento. Paraguai só vira paraíso das compras se você souber onde procurar e o que procurar. As lojas costumam abrir bem cedo e fechar antes de anoitecer. Domingo é raro encontrar algo aberto. Cuidado com os espertinhos e dê preferência para pagar os produtos em dólar.

Reserve um tempo para conhecer templo e mesquita
Faz parte de qualquer viagem acrescentar ao roteiro uma parada nos pontos históricos e também religiosos do destino. Isso pode dizer muito sobre a cultura e comportamento das pessoas que moram lá. Em Foz do Iguaçu, dois lugares merecem a visita, nem que seja um pouco mais rápida.

Geralmente está incluso no city tour uma passada pela Mesquita (Rua Meca, 599) , construída pela comunidade islâmica em 1981 e inaugurada dois anos depois, em 1983. Possui área construída de 600 m², com sala oval de, aproximadamente, 400 m². A construção realmente é muito bonita. As mulheres devem cobrir o corpo para entrar lá. Vestimenta típica é emprestada na porta da Mesquita.

Já no Templo Budista, o turista fica mais à vontade. Fica localizado na região alta da cidade, onde pode se ter visão de parte do Centro de Foz e de Ciudad del Este. Construído em 1996, possui em seus jardins mais de 120 estátuas, cada uma com o seu significado. O destaque é uma estátua de Buda de sete metros de altura, além de um templo.

É possível escrever pedidos em papéis especiais e queimá-los para serem atendidos. A paz que o local transmite vale a pena ser sentida. A entrada é gratuita, assim como na mesquita.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados