Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

SP vai aplicar dose fracionada de vacina contra febre amarela

Divulgação/Agência Brasil  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/01/2018 | 07:24


São Paulo vai passar a aplicar doses fracionadas de vacina contra febre amarela no próximo mês. A medida, que também deve ser seguida pelos Estados do Rio e da Bahia, é adotada após a constatação de que a circulação do vírus se alastra e ameaça regiões até então consideradas livre de risco da doença. Para não faltar imunizante, a ideia é "repartir" as doses. Entre os alvos está o litoral norte paulista.

A dose fracionada, porém, é mais fraca do que a oferecida hoje: protege por até nove anos, enquanto a atual dura para a vida toda, conforme orienta a Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa orientação é seguida pelo Brasil desde abril de 2017. Antes, a imunização poderia ser feita a cada dez anos.

A estratégia do fracionamento em análise ganhou força depois da divulgação de estudos na Comissão Nacional de Imunização, que comprovam que a vacina com dose reduzida tem efeitos por prazo maior do que o imaginado. Inicialmente, estimava-se que a vacina fracionada protegeria contra a doença por um ano. Mas o acompanhamento de pessoas que receberam doses menores indica que o efeito se estende por até nove anos. "Essas pessoas continuam sob avaliação. É possível que no futuro se veja que o prazo de proteção seja ainda maior que os nove anos agora constatados", disse o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo, Marcos Boulos.

Essa estratégia já foi usada em Angola, na África, durante uma epidemia da doença, com o aval da OMS. Ela começou a ser cogitada no País em março, quando alguns especialistas levantaram dúvidas sobre o processo e destacaram que a questão angolana envolvia febre amarela urbana - que não é registrada no Brasil desde 1942.

Justificativa

O objetivo é imunizar o maior número possível de pessoas. "Nossa ideia é fecharmos o ano com toda população do Estado vacinada", afirmou o coordenador Marcos Boulos. Em São Paulo, 69% dos municípios não atingiram a meta de vacinar 95% da população.

O Brasil registrou entre julho de 2016 e junho do ano passado o maior surto de febre amarela da história, que afetou principalmente os Estados do Sudeste. No período, foram notificados 779 casos em humanos e 262 mortes. Desde julho, houve 330 casos e uma morte.

A vacinação com dose integral será mantida, mas para casos específicos. Ela será aplicada, por exemplo, em pessoas que vão viajar para países que exigem o certificado de vacinação contra febre amarela e nas ações desenvolvidas desde 2016 pela Secretaria da Saúde de São Paulo, em que equipes percorrem vilarejos, lugares onde há matas nativas e em que se oferecem de casa em casa a vacinação. "Esse trabalho vai continuar", disse Boulos.

As doses fracionadas, com um décimo do que é aplicado na vacina integral, serão aplicadas em regiões específicas, em forma de campanha. Profissionais já estão sendo treinados e há colaboração da OMS. A aplicação é com material específico, semelhante à injeção de insulina.

Em São Paulo, a campanha com vacina fracionada será feita no início e no fim de fevereiro. O Estado já recebeu 9 milhões de seringas específicas. De acordo com Boulos, Rio e Bahia devem adotar uma política semelhante. Na Bahia, por causa do carnaval, a ideia inicial era a de organizar a campanha somente no fim de fevereiro.

Litoral paulista

Deverão ser alvo da vacinação com doses fracionadas locais que historicamente eram considerados livres de risco da doença, mas que, com o avanço da circulação do vírus, podem tornar-se suscetíveis. Entre as regiões em que o fracionamento será ofertado estão o litoral norte de São Paulo, como São Sebastião, Caraguatatuba e Ubatuba - além de cidades próximas, como Taubaté. "Há registros de macacos infectados na Serra do Mar. É possível que no futuro não remoto tenhamos febre amarela chegando ao litoral paulista", diz Boulos.

Ele avalia que a estratégia não trará prejuízos. "A vacina produzida por Bio-Manguinhos apresenta uma concentração de imunogênico até 60 vezes superior ao que é considerado ideal." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados