Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Importância da higiene bucal

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cuidar com atenção da boca e dos acessórios que utilizamos são costumes que garantem saúde


Tauana Marin
Diário do Grande ABC

26/11/2017 | 07:00


Protagonista na alimentação e nos momentos de falar, a boca merece atenção. Cuidar dela é essencial no dia a dia para que as pessoas se protejam de complicações e doenças ligadas a dentes, língua e gengivas, entre outros elementos que ficam lá dentro. A prática da higiene bucal deve ser desenvolvida sempre e durante toda a vida.

A escova de dentes é o principal acessório no momento em que pensamos na limpeza da boca. No entanto, esse item pode estar cheio de bichinhos invisíveis que são capazes de prejudicar a saúde. Estudo realizado pela Faculdade de Biomedicina da Devry Metrocamp, de Campinas, no Interior de São Paulo, verificou a existência de 250 milhões de micro-organismos entre 20 modelos de escovas diferentes analisadas. A cada dez itens, sete estavam contaminados.

A informação deixa alerta para termos atenção com o aparelho antes mesmo de colocá-lo dentro da boca. É preciso higienizá-lo em água corrente e a deixando secar naturalmente, já que toalhas e papel higiênico ficam expostos nos banheiros e podem estar infectados. Para escovas novas, alternativa é mergulhá-las em enxaguante bucal antes de usar. Outra opção é, com ajuda de um adulto, colocá-las para ferver em água quente de 10 e 15 minutos.

“É muito importante lavar bem a escova. Antes para tirar a poeira e sujeirinhas e, depois, para mandar embora os resíduos da boca”, aconselha Bruna Paiva de Oliveira Meira, 10 anos.

Com os pais dentistas, ela e o irmão gêmeo, Rodrigo, sabem bem a importância da higienização. “Não adianta escovar apenas os dentes, temos que passar a escova na língua e gengiva, porque os restos de comida ficam por toda parte. Se permanecerem, começam a fermentar e podem provocar doenças, além de ficar mau-cheiro”, diz o garoto.

Na escola onde estudam, no Educandário Santo Antônio, de Santo André, eles e os demais amigos costumam receber orientações em relação à saúde bucal. “Fazer a higiene no nosso corpo é questão de hábito. Antes minha mãe ficava falando sempre para escovar os dentes e, hoje, não precisa mais. Acostumei e faço questão de ficar com a boca limpa”, conta Danielle Kaori Kaku, 10. Ela e a irmã, Rafaela Sayuri, 10, incentivam uma a outra. “Além da escovação, passar o fio dental depois é bom porque tira os alimentos que ficaram presos e que as cerdas (da escova) não alcançaram. Passamos ainda o enxaguante para finalizar e termos certeza que ficou tudo limpo”, comenta Rafaela, que conta com orgulho que nunca teve cárie (buraquinho no dente que causa dor e sensibilidade devido à má escovação).

Atitudes no dia a dia evitam doenças

Os cuidados bucais são tão importantes quanto os com o resto do corpo. Isso porque a lista de doenças causadas por bactérias acumuladas na escova e na boca é grande: periondotite, candidíase, gengivites, cáries e até diarreia. O problema, aparentemente simples, também pode agravar e causar doenças graves que afetam órgãos como pulmão e coração, por exemplo.

Na luta contra esses bichinhos, o fio dental atua entre os dentes quando a dentição for permanente, ou seja, a que irá existir até o fim da vida. O enxaguante não é regra, sendo que não há necessidade extrema de todo mundo usar diariamente após todo o processo. A indicação do dentista pode aparecer, principalmente para controlar a quantidade de bactérias que aparecem.

Fazer visitas regulares ao especialista da área deve fazer parte da agenda anual das pessoas. É ele quem avalia o estado dos dentes, além de fazer limpezas com acessórios específicos e, quando necessário, aplicar flúor (substância presente nos cremes dentais), que tem papel fundamental diante das cárie.

DEIXANDO LIMPO - Assim como a higienização da escova de dentes é importante para combater as bactérias, o porta-escovas também deve ser limpo sempre que possível. Ele evita contaminação que vem de fora como, por exemplo, da descarga se a tampa do vaso sanitário estiver aberta. Quando isso ocorre, espalha-se fino spray de água e bactérias pelo ambiente e essas partículas se fixam nos objetos que estão expostos no banheiro. Se preferir, a escova também pode ser guardada em gaveta que esteja limpa e com divisórias.

Em média, entre 2 anos e meio e 3 anos de idade, já temos 20 dentes ‘de leite’. Dos 6 aos 12 anos, eles são empurrados pelos permanentes. Nessa fase, ficamos com 32 dentes, contando com os quatro chamados do ‘siso’

A cárie tem relação direta com o consumo frequente de carboidrato (presente nos pães e bolos, por exemplo). Há bactérias que, ao consumirem o nutriente, possuem ácido que esfarela o dente, dando origem a um buraco

Uma boa escovação é feita com movimentos circulares por fora e por dentro dos dentes, virados para o céu da boca e para a língua (que deve ser escovada). Também é recomendado ‘vai e vem’ nas faces de mastigação de cada dente

Consultoria de Gabriel Politano, odontopediatra do Ateliê Oral Kids, de São Paulo.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados