Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 12 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Sopa de letras


Rodolfo de Souza

23/11/2017 | 07:00


 – Acontece que não gosto de português! Gosto de matemática, ciências, geografia, qualquer outra coisa, menos português.

– Mas por que, Luana?

–_ Porque é um saco, ué! Primeiro que tem um monte de texto pra ler e interpretar todos os dias. Depois, tem a gramática de cada um deles que o professor vai explicar até a gente desistir de viver, deitar na carteira e puxar aquela paia. Afinal, quem é que aguenta?

– Mas menina, português é tão importante quanto as demais matérias! E é por meio dela que se aprende a ler e a entender os textos que fazem parte, ou melhor, que recheiam as outras disciplinas, e as receitas e os manuais e os contratos e as canções e a vida... Já parou para pensar nisso?

– Nem ligo. Acho que daria pra tocar muito bem só com as outras, sem essa chatice de português.

– Ocorre, Luana, que não é possível.

– Tá, então eu tenho que estudar aquilo que não quero? Será que o senhor entende que é uma questão de opção não querer?

– Não, não é.

– Quer dizer que se não gosto de uma roupa, sou obrigada a usar assim mesmo? Não uso e pronto!

– Acontece, Luana, que não falamos aqui de uma roupa, falamos de uma disciplina que faz parte do currículo e, portanto, fundamental. E é bom você parar de chateação e se aplicar, do contrário poderá perder o ano e o bonde para o futuro.

– O quê?! Nem ligo! O senhor gosta porque é o professor, ora!

Definitivamente Luana não entende a razão de ter que estudar o verbo que transita e o que não transita, e o porquê do predicado ser nominal e não verbal é outra questão que aflige a aluna. Sem falar do número de orações que compõe o período, outra aporrinhação que soa mais complexa do que equação do segundo grau, aos olhos daquela que repudia a obrigatoriedade do ensino de Língua Portuguesa, sobretudo da rançosa gramática.

– Luana, você tem que entender que alguns de seus colegas podem não partilhar desta sua opinião, um tanto radical, e apreciar sim a leitura de um bom texto, uma saborosa análise sintática, e até considerar, por que não, a possibilidade de dar um mergulho no extasiante universo da hermenêutica, lugar de onde é possível espreitar a sua intimidade manhosa e, quem sabe, angariar alguma sabedoria.

– Chii!! Agora complicou de vez!

– Além do mais, você há de concordar que sem a concordância até nossa fala fica prejudicada... Se o período é composto por coordenação ou subordinação é questão que ajuda, inclusive, a entender a atual taxa de juros, o desemprego, a desigualdade social, a loucura humana na qual está metida esta nossa sociedade do século XXI e tudo o mais.

– Pelo que eu vejo, é o senhor que tá louco e põe a culpa nos outros.

– Louco por gostar da minha matéria?

– É!

Definitivamente, Luana está irredutível e considera estudar função e plano cartesiano, atividade muito mais divertida e interessante do que se entregar a uma meditação zen, condição primeira para se buscar o silêncio e a paz da alma, estado de espírito essencial quando se deseja penetrar no intrincado universo da oração coordenada sindética.

Mas é obrigação do professor buscar estratégias para estimular o aluno quando este se mostra pouco propenso a desenvolver qualquer proposta em sala de aula. Pelo menos é o que reza a cartilha pedagógica, toda ela repleta de objetos diretos e indiretos que revelam com clareza ao profissional do ensino, inclusive o de Língua Portuguesa, meios de mostrar aos estudantes a importância de se dominar a conjugação dos verbos e deles tirar proveito quando for preciso levantar a voz para se fazer ouvir.

Apesar de que... Não... Acho que não. Pensando bem, há mesmo um ensejo de que estes permaneçam no ostracismo e que pouca habilidade tenham no trato com a língua. Dificuldade para falar, dificuldade para entender, dificuldade para pensar. Droga!

Rodolfo de Souza nasceu e mora em Santo André.

É professor e autor do blog cafeecronicas.wordpress.com

E-mail para esta coluna: sourodolfosou@gmail.com



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados