Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8338

Biblioteca móvel é aposta para democratizar leitura

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Serviço itinerante de empréstimo de livros agrada população; três cidades têm projetos do tipo


Matheus Angioleto
Especial para o Diário

02/10/2017 | 07:00


Permitir mergulho em um mundo completamente novo, sair da zona de conforto e democratizar o acesso à leitura. Esta é a proposta de projetos de bibliotecas descentralizadas. Embora ainda tímida na região, presente em apenas três cidades – Santo André, São Bernardo e Mauá –, a ação tem o apoio da população, carente de atividades socioculturais.

Exemplo disso pode ser observado na Praça do Relógio, no Centro de Mauá, na semana passada. O espaço, tradicionalmente movimentado, ganhou ainda mais visitantes devido à presença de ônibus adaptado para armazenar acervo de 3.000 livros. Trata-se de projeto realizado pela Prefeitura em parceria com o Sesc (Serviço Social do Comércio) para incentivar a leitura. A cada 15 dias, o veículo estaciona em dois locais – sendo o outro na UBS (Unidade Básica de Saúde) Paranavaí – para oferecer gratuitamente o empréstimo e a consulta de livros, jornais e revistas.

E a iniciativa vem dando certo. A manicure Juliete Antuono de Oliveira, 21 anos, foi alertada pelos filhos, curiosos para visitar o espaço, sobre a presença do ônibus na Praça do Relógio. Após cadastro rápido, feito mediante apresentação de comprovante de residência e RG, a mãe dos pequenos Cristopher, 7, João Pedro, 5, e Júlia, 1, aprovou a medida. “A iniciativa incentiva as crianças a ler, tira elas das ruas e traz cultura. Mostro livros para eles em casa e esse local é bom, porque eles gostam bastante (de livros)”, diz.

Amante da política, da história e da leitura, o técnico de manutenção aposentado Arnaldo de Souza Nascimento, 82, fez questão de visitar a biblioteca itinerante. “Os jovens precisam saber o que aconteceu no passado e não ficar apenas no computador, por isso é preciso ler. Há muitos meninos que não sabem nem quem descobriu o Brasil. Prefiro política e história, porque temos que saber o que acontece em nosso território”, afirma.

O bibliotecário do Sesc André Carlos da Silva, 36, tem expectativas positivas sobre a ação. “Temos público que já conhecemos e o projeto não tem data específica para acabar. Alguns (moradores) vêm conhecer e voltam depois com o comprovante de residência <CF51>(para o cadastro). A ideia é essa e a gente fica muito contente porque aparecem cada vez mais pessoas”, relata.
Em São Bernardo, o programa Espalhando a Leitura disponibiliza livros em UBSs (Unidades Básicas de Saúde). Com isso, o cidadão pode levar o exemplar para casa e, posteriormente, devolver em qualquer unidade de Saúde. “As Caixas Bibliotecas são pequenos acervos, com cerca de 200 livros e HQs destinados ao empréstimo em pontos distantes das bibliotecas públicas municipais, como no Núcleo Santa Cruz (pós-Balsa)”, diz a administração. Outra opção são as salas de leitura instaladas no Parque São Bernardo e Jardim Silvina, que funcionam como bibliotecas públicas.

Santo André conta com projeto oferecido pela Biblioteca Nair Lacerda, que transfere acervo de 100 livros e revistas a instituições da cidade. A cada 90 dias as obras são trocadas. Para 2018, a meta é ampliar o serviço com acervo de gibis, DVDs, audiolivros e obras em Braille. “Passaremos a atuar em parceria com organizações e associações, creches, asilos, albergues, associações comunitárias, culturais diversas e outras. Com a Pequena Biblioteca Viva serão levados não apenas acervo, mas também ações de mediação de leitura, como contação de histórias, debates, rodas de conversa etc”, ressalta o paço.

A Prefeitura de São Caetano afirmou que conta com as bibliotecas Paul Harris (no Centro) e Dona Ester Mesquita (bairro Boa Vista). Os equipamentos oferecem serviços gratuitos de pesquisa e cultura para alunos da rede de ensino e para a população da cidade. Há ainda a Banca do Saber, no Bosque do Povo (bairro São José).

Ribeirão Pires diz atender mensalmente 2.000 moradores na Biblioteca Municipal, que tem acervo de 49,2 mil títulos. A exemplo da biblioteca itinerante, uma caixa percorre salas de aula de unidades escolares para que alunos levem os exemplares para casa.
 


Leia mais



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.