Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Janot pede redistribuição de mais 6 inquéritos no STF da delação da Odebrecht



17/07/2017 | 20:20


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a redistribuição de mais 6 inquéritos baseados na delação da Odebrecht e abertos pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), por entender que não há conexão com a Operação Lava Jato.

Entre os alvos dessas investigações, estão os senadores Fernando Collor (PTC-AL), ex-presidente da República, Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) e Cassio Cunha Lima (PSDB-PB). Se o Supremo deferir o pedido, chegará a 30, de um total de 77 (38,9%), o número dos inquéritos abertos a partir dos depoimentos e provas apresentados pelos 77 executivos do grupo baiano que mudam de relator na Corte.

Collor, nesta investigação específica, é suspeito de ter cometido os crimes de corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Segundo o Ministério Público Federal, delatores da Odebrecht disseram ter pagado vantagem indevida não contabilizada na campanha dele ao Senado em 2010.

Teriam sido repassados R$ 800 mil por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, em busca de atender interesses da empresa, especialmente na área de saneamento básico. Nos inquéritos contra Cassio Cunha Lima e Fernando Bezerra Coelho, a PGR pede a prorrogação do prazo para a investigação, alegando que ainda faltam algumas diligências, como a coleta de testemunho de alguns delatores e dos próprios senadores. As duas investigações são sobre caixa 2 eleitoral.

Segundo delatores da Odebrecht, Cunha Lima teria solicitado e recebido em meados de 2014, por meio de um intermediário, o valor de R$ 800 mil, que o grupo afirma ter sido pago ao então candidato ao governo da Paraíba por meio de repasse não contabilizado. Fernando Bezerra Coelho, por sua vez, é investigado sob a suspeita de ter recebido R$ 200 mil parcelados em duas vezes, não contabilizados, no ano de 2010, para campanha eleitoral.

Os outros três pedidos de redistribuição são nas investigações que tramitam contra os deputados federais Nelson Pellegrino (PT-BA), Paulo Henrique Lustosa (PP-CE) e Vander Loubet (PT-MS). Nos casos deles, a suspeita também é de caixa 2 eleitoral. Segundo o Ministério Público Federal, Pellegrino teria recebido R$ 1,3 milhão não contabilizados para campanha eleitoral em 2012 por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht.

Paulo Henrique Lustosa teria recebido R$ 100 mil não contabilizados para a campanha eleitoral em 2010. Vander Loubet, por sua vez, teria recebido R$ 50 mil não contabilizados na campanha para a Câmara dos Deputados em 2010 por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.