Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

No meio da correria, descontração

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Morador da região, mágico Zarus ganha o sustento
alegrando a vida das pessoas nas ruas de Sto.André


Karine Manchini
Vanessa Soares

18/06/2017 | 07:00


 Amor é o principal combustível para alcançar sucesso e satisfação em qualquer coisa que se faça na vida. Movido por esse sentimento, o mineiro Reginaldo Rodrigues dos Santos, morador de Santo André, mais conhecido como Zarus, mergulhou no universo da mágica e ilusionismo, fez disso sua profissão e, há oito anos, tem colhido os frutos do trabalho que realiza com tanta dedicação.

“Minha história com a mágica começou quando eu era criança em Minas Gerais. Um parente fazia coisas que desafiavam a lógica racional. Mais tarde, quando me mudei para Santo André, tive muito mais acesso a conhecimento e informações sobre o assunto, mas ela só se tornou minha profissão quando tinha 23 anos. Foi quando recebi convite para fazer shows em um bufê. Fiquei muito feliz, pois naquele momento tornou-se evidente para mim que era possível fazer da minha profissão aquilo que tanto amava”, conta Zarus.

Durante a semana o mágico se dedica à arte itinerante nas ruas, bares e restaurantes. É possível conferir de perto um de seus números na Rua Coronel Oliveira Lima, no Centro de Santo André. Já aos fins de semana, ele garante a maior parte do orçamento doméstico em eventos familiares e corporativos. “Passo com o orçamento quase sempre apertado, mas mesmo assim sou muito grato ao meu trabalho e à oportunidade de fazer aquilo que me realiza interiormente”, afirma.

O retorno, além de financeiro, Zarus também recebe das pessoas que apreciam, vez ou outra, seu trabalho em meio a correria e desgostos do dia a dia. “Uma vez abordei um grupo de três homens. Notei que estavam abatidos. Comecei fazendo um número seguido de outro sem dar espaço para pensar. No fim da apresentação todos estavam surpresos e sorrindo. Um dos senhores me apertou a mão, agradeceu e contou que eles tinham acabado de ser despedidos. Ainda assim, deixaram uma colaboração bem generosa que até me fez pensar se aceitava ou não devido às circunstâncias ”, relembra. Mais informações sobre o trabalho que Zarus realiza e contato estão disponíveis no site magicozarus.com.br.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.