Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Meirelles: Brasil já passou por protecionismo e resultado não foi positivo

Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/03/2017 | 17:52


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira, 17, que aproveitou o primeiro dia da reunião financeira do G-20 (os 20 maiores países do mundo) na Alemanha para dar o testemunho do Brasil sobre as consequências negativas do protecionismo. "Foi mais do que uma opinião, dei nossa experiência prática", afirmou em coletiva de imprensa realizada após a primeira parte do encontro.

Um dos maiores debates no grupo é sobre a posição dos Estados Unidos a favor do protecionismo, em direção contrária ao que o G-20 vinha pregando nos últimos anos. Meirelles relatou que o dia hoje foi para que todos apresentassem sua situação econômica, sobre o meio ambiente, reformas e posições sobre alguns temas. "O que eu disse ao G-20 é que Brasil teve experiência de fechar economia. O Brasil já passou por protecionismo, e o resultado disso não foi positivo", relatou. "Passamos a nossa experiência", continuou.

Comunicado

A possibilidade de uma mudança no teor de alguns pontos-chave do comunicado que será divulgado neste sábado, 18, após a reunião financeira do G-20 não deve ser vista com surpresa, se for realmente confirmada, segundo Meirelles. De acordo com ele, desta vez, existe, de fato, uma posição diferente do governo americano a respeito de temas como meio ambiente e proteção comercial.

Questionado sobre se esse não seria um retrocesso para a imagem do grupo, e que uma mudança poderia ser simbólica neste momento, Meirelles disse que "não há dúvida" a esse respeito e, considerou, na sequência, que os Estados Unidos são um país importante. Ele lembrou que é fato que o documento apenas apresenta declarações em consenso e que, se não houver consenso sobre estes temas, realmente eles não estarão descritos no comunicado. O teor completo do documento ainda não foi fechado.

O ministro ressaltou que também não deve ser vista como uma surpresa essa posição norte-americana, já que os assuntos estavam sobre a mesa desde a campanha do novo presidente do país, Donald Trump. "Não se trata de algo novo que apareceu no G-20. A posição aqui foi até mais moderada", analisou.

Para ele, o G-20 é maior do que esse episódio. "O grupo não se restringe a isso, pois o G-20 é um órgão importante. Já houve um tempo que era o G-7 e o papel do G-20 agora é avançar nas discussões", afirmou, acrescentando que não é papel do grupo discutir a nova administração dos EUA. O ministro disse ainda que esse fato não altera a soberania de cada país dentro do grupo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados