Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump admite que pode remover sanções contra a Rússia

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Declarações são sinais de que ele deve usar poder
de barganha para realinhar as relações com rivais



14/01/2017 | 09:48


O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, admitiu que poderia levantar as sanções contra a Rússia e disse que não está comprometido com um antigo acordo entre EUA e China em relação a Taiwan. As declarações são sinais de que ele deve usar todo poder de barganha disponível para realinhar as relações dos EUA com seus principais rivais estratégicos.

Em entrevista ao The Wall Street Journal, Trump disse que, "pelo menos por algum tempo", deve manter intactas as sanções contra a Rússia impostas pela administração Obama em dezembro, em resposta aos supostos ciberataques de Moscou para influenciar a eleição presidencial norte-americana. No entanto, ele sugeriu que pode remover essas penalidades caso a Rússia se mostre útil na guerra contra o terrorismo e ajude os EUA a alcançar outros importantes objetivos.

"Se tivermos boas relações e a Rússia estiver mesmo nos ajudando, por que haveria sanções?", disse. O presidente eleito afirmou também que está preparado para encontrar o presidente russo, Vladimir Putin, após tomar posse. "Entendo que eles gostariam de se reunir conosco, e por mim está tudo bem."

O desejo de mudar as relações com Moscou em particular tem sido um objetivo de presidentes dos EUA desde que as tensões começaram a aumentar, sob a Presidência de Vladimir Putin. A ex-secretária de Estado Hillary Clinton fez tentativas nesse sentido no começo da administração Obama, assim como o ex-presidente George W. Bush.

No entanto, os esforços diplomáticos de Trump vão encontrar resistência no Congresso, inclusive entre republicanos. Os legisladores querem que a administração adote uma postura mais dura em relação à Rússia após os serviços de inteligência terem concluído que Putin tentou influenciar o resultado das eleições presidenciais com uma campanha de ciberataques.

Trump disse também que não vai se comprometer com a política conhecida como "Uma China", que não reconhece a soberania de Taiwan, enquanto não vir progressos nas práticas cambiais e comerciais de Pequim. "Tudo está em negociação, inclusive a política de Uma China", afirmou.

A China considera Taiwan uma província rebelde desde que os nacionalistas liderados por Chiang Kai-shek estabeleceram um governo na ilha, em 1949, após anos de guerra civil. Washington rompeu relações diplomáticas com Taiwan e reconheceu a política de Uma China em 1979, o que era uma das precondições para que EUA e China restabelecessem relações diplomáticas.

Trump parece não ter paciência para protocolos diplomáticos envolvendo China e Taiwan. Após sua vitória nas eleições, Trump atendeu uma ligação do líder de Taiwan, provocando manifestações de reprovação de Pequim. Especialistas em relações internacionais dos EUA questionaram se Trump teria noção das implicações de uma conversa desse tipo.

"Vendemos para eles US$ 2 bilhões em equipamento militar no ano passado. Podemos vender US$ 2 bilhões dos melhores e mais modernos equipamentos militares, mas não podemos aceitar uma ligação. Em primeiro lugar, seria indelicado não aceitar a ligação", disse.

No passado, Trump disse que classificaria a China como manipulador cambial após tomar posse. Na entrevista, ele disse que não adotaria tal medida em seu primeiro dia na Casa Branca. "Vou conversar com eles antes", afirmou, acrescentando que "certamente, eles são manipuladores".

O presidente eleito deixou claro seu descontentamento com as práticas cambiais chinesas. "Em vez de dizer ''''''''''''''''estamos desvalorizando nossa moeda'''''''''''''''', eles dizem ''''''''''''''''nossa moeda está caindo''''''''''''''''. Não está caindo. Eles estão fazendo isso de propósito. Nossas empresas não podem competir com eles porque nossa moeda está fortalecida e isso está nos matando." Fonte: Dow Jones Newswires



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.