Fechar
Publicidade

Cultura & Lazer

Publicado em quarta-feira, 11 de janeiro de 2017 às 14:11 Histórico

Charlie Sheen culpa creme de testosterona por seu comportamento agressivo ao deixar elenco de Two and a Half Men

Após protagonizar por anos Two and a Half Men, Charlie Sheen acabou sendo demitido da série em 2011, por causa de questões pessoais, envolvendo vícios, mas também por brigar com a produção. O astro continuou alfinetando o programa que continuou por mais quatro temporadas, com Ashton Kutcher como ator principal.

Conhecido por suas polêmicas, Charlie também descobriu, naquela época, que era portador do vírus HIV, algo que ele só resolveu revelar para a mídia em novembro de 2015. Agora, em entrevista ao Good Morning America, o ator abriu o jogo sobre seu turbulento período após a saída de Two and a Half Men em que alega ter dado entrevistas bizarras:

- É meio divertido assistir, às vezes, mas é também meio vergonhoso. É meio que tipo, Cara, o que era aquilo?

Ele ainda explicou que grande parte daquele comportamento se deve pelo fato de ele estar usando um creme com testosterona, para melhorar sua libido:

- Esse creme se metaboliza em basicamente um comportamento agressivo.

Além disso, ele está em uma melhor fase agora, inclusive passando mais tempo em família, e aprendendo a lidar melhor com seu diagnóstico. Mas na época, ele confessa, quis tomar medidas extremas:

- No dia em que eu fui diagnosticado eu imediatamente queria me matar. Mas minha mãe estava lá, eu não faria isso na frente dela ou deixaria ela me encontrar para depois limpar a bagunça. Mas então, outra coisa aconteceu. Eles me deram um monte de remédios e disseram: Você pode ir para casa agora, você vai viver.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC